Como funciona a evolução (vídeo)

Infográfico ilustrativo: Fonte

Infográfico ilustrativo: Fonte

Certo, certo, este assunto já passou algumas vezes por aqui (várias delas por minha causa), mas é por um bom motivo. Eu costumo sempre tentar encontrar novas formas de explicar conceitos-chave da ciência para pessoas que não estão tão familiarizadas com estes temas, de forma fácil e acessível, mas que não seja reducionista. E, sempre que encontro algo bom o suficiente neste sentido, tento postar aqui.

Enfim, o video a seguir dá uma explicação bem simples, embora surpreendentemente detalhada, sobre o processo da evolução por seleção natural, com foco na evolução a nível genético. O vídeo é inglês, mas foi legendado em português por Luc Anderssen. Uma ótima animação para se mostrar para crianças e jovens, confiram:

16 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Prezados, preciso muito deste vídeo, mas ele foi removido do Youtube por violação dos direitos autorais. Algum de vocês teria como consegui-lo novamente para mim? Gostaria muito de utilizá-lo para dar uma aula sobre Evolução. Agradeço muito desde já! Abraço!

  2. Muito interessante o tema fluxo gênico, Jonas,bem esclarecedor o que você coloca. Penso que a NATUREZA encontrará um caminho que impeça a nossa extinção.A questão do tempo para eventuais mudanças é muito coerente; citei sobre populações em bairros fechados a mudarem seus traços,mas vc tem razão. Quantos povos nativos se foram ao milhões pelo contato com o homem branco na América espanhola motivados por uma simples gripe. Se não me engano mais da metade da população da Europa pereceu com a picada da pulga dos ratos pretos do Oriente. Todas estas coisas me faziam pensar, ou ainda fazem,que o nosso organismo se aprimora na defesa natural. E agora pelo ponto de vista do fluxo gênico traz-se uma outra faceta, do não fortalecimento do nossos genes pela diversidade dos contatos das raças humanas. Engraçado como as linhas do conhecimento não são tão atadas como deveriam ser; como você citou acima a teoria de Darwin ainda é aplicada ao seu modelo tradicional e pouco se fala sobre os novos conhecimentos da biologia dentro das escolas primárias e secundárias. Cito o Brasil, não sei como é em outros países.As pessoas da História vivem mais a História, as da biologia, mais a biologia e assim por diante.Muito interessante esta teoria do fluxo gênico, obrigado pelos esclarecimentos a este leigo.

  3. Jonas, se entendi para Dawins, a quem não conheço, este fluxo gênico é a causa da diversidade dos seres humanos ? Sendo assim explicaria o que citei sob as disparidades de evolução em áreas geográficas,mesmo numa mesma cidade.Para este autor então seria preciso uma separação de grupos, tal como ele cita numa colônia no espaço ? Finalizo com com o início dos seus argumentos, Jonas, Por que Dawins defende que caminhamos para um fim da espécie ? O que a ciência nos traz todos os dias a prolongar a vida ? Cada vez temos seres humanos mais resistentes, novos medicamentos surgem, e ainda mais, vejo que ao longo da história vamos nos adaptando mais a doenças. A citar a AIDS ou os novos tipos de gripe. A primeira geração infectada teve um efeito letal muito grande, a segunda geração já foi mais resistente e assim vai para outros exemplos. Só mais um, hoje temos pessoa mais altas a nascer, hoje as pessoas cuidam mais dos dentes, por isto são mais saudáveis, temos traços de beleza mais desenvolvido em todas as raças humanas etc.

    1. Francisco,

      não sei exatamente os motivos que Dawkins se baseou para dizer que seremos extintos, mas um provável motivo advém de uma estatística real, a de que desapareceram 99,999% de todas as espécies que a Terra gerou por motivos relacionados a inúmeras condições naturais: predadores, evolução para outras, cataclismos, mudanças climáticas, etc.

      Então, mesmo que tenhamos condições de curar todas as doenças num futuro breve, essa não é simples condição para garantir nossa sobrevivência. Nós, fazendo parte desse ambiente tão propício à vida, mas inerentemente transformador e “chacinador” dela, faz com que nossas chances sejam muito parcas.

      Fluxo gênico: duas situações são patentes:

      1. Quando duas populações de uma mesma espécie têm elementos que fazem uma “visita” eventual a um outro grupo espalhando seus genes, isso ajuda na diversificação gênica. É bom para a espécie, pois é a diversificação que ajuda no aumento das chances de adaptação quando houver uma mudança na condição ambiental natural.

      2. Quando todos os grupos populacionais interagem com todos, o fluxo gênico faz o efeito contrário, “apara” as diferenças gênicas que fica mínimas ou desaparecem. Isso é o que acontece no momento na espécie humana. A globalização e a abertura crescente dos países para migrações ou mesmo a busca de oportunidades de estudo ou trabalho provisório fazem com que “todo mundo” viaje para quase todos os cantos do mundo, fiquem um tempo, até casem com os membros do outro local e tenham descendentes. As brasileiras, por exemplo, com o advendo da internet, estão casando aos montes com portugueses, alemães, franceses, norte-americanos…rsrsrs..

      Aqui está um link bem legal sobre o assunto fluxo gênico:

      http://www.ib.usp.br/evosite/evo101/IIIC4aGeneflowdetails.shtml

      Quanto ao fato de não haver condições atuais para uma evolução divergente, é o motivo 2 que tem sido o fator decisivo. Não tem mais havido uma condição permanente de separação de grupos em tempo suficiente para que as evolução divergente aconteça.

      Por que “tempo suficiente” para acontecer essa mudança? No caso da espécie humana são necessários centenas de milhares de anos para surgir uma nova espécie entre grupos que vivem isolados, precisando também, para que a diferenciação aconteça, outros fatores: condições de alimentação, isolamento, predadores, doenças, etc.. diferenciadas para ambos. Veja o caso dos índios norte-americanos, eles viveram separados por 10 mil a 25 mil anos dos ascendentes deles, possivelmente europeus ou asiáticos. Esse longo tempo não foi o suficiente para formaram uma espécie diferente.

      Precisamos de um tempo de centenas de milhares porque não somos ratos nem moscas, que se reproduzem num tempo de vida muito mais rápido, transportando mudanças do DNA para as próximas gerações numa velocidade muito maior.

      Então quando você fala em isolamento de bairros, perceba… pessoas vivendo isoladas em mesmo bairro de uma cidade, procriando-se só entre si, por 100, 200 ou 300 anos, não mexe uma “palhinha” no DNA. Mas se uma colônia em Marte no futuro for composta de pessoas que irão para lá e não retornarão, vivendo por milhares de anos num ambiente muito diferente daqui (a gravidade é diferente daqui, a alimentação também precisará ser diferente pensando-se em autosustento), aí há uma chance de acontecer uma evolução divergente em menos tempo, inclusive, da necessária aqui.

      Em suma: nesse planeta, com raras exceções, hoje, não existem grupos humanos “fechados”, isolados do resto, em condições naturais diferenciadas do resto, que ficarão assim por 300 mil ou 500 mil anos ao ponto de evoluirem para uma espécie. O fluxo gênico, agora acontecendo de forma globalizada, pessoas de todos os lugares viajando a todos os lugares, “misturando” o DNA humano por todos os países e grupos sociais, está “homogeneizando” a nossa espécie, impedindo a evolução divergente, o que o Dawkins disse.

  4. Valeu pelos esclarecimentos Rafael e Carlos, parece que olhar para o passado é mais fácil observar o processo no ser humano. A citar fase quadrupede nas árvores passando para fase bípede já em terra caçando e não fugindo de pedradores nas alturas. Ou mesmo uma fase mais primata como cita o Carlos com muitos pelos etc. Eu,algumas vezes me questionava sob os rumos da nossa evolução do ponto de vista da nossa constituição física e o que nos espera. Como vocês citaram n fatores podem estar nos influenciando. Outro ponto a se observar dentro desta visão colocada por vocês são os fatores geográficos de cada cultura que talvez, mesmo num mundo globalizado, vá distanciar alguns humanos de outras raças. Mesmo em uma mesma cidade pode se ver traços bem diferentes de comunidades que vivem à margem da sociedade e outras de um nível econômico e intelectual melhor. Não falo de forma discriminatória, falo de traços físicos sim. Eu realmente tinha esta dúvida quanto ao ponto de termos chegado a um nível natural de nossa forma definitiva ou se o processo do meio e da forma que interagimos poderia nos moldar mais ainda. Finalizando é o processo RACIONAL , será um dia o que irá comandar as nossas ações ou sempre teremos dentro de nós esta dualidade que nos faz pertecemos para sempre ao reino animal ?

    1. Pergunta a Richard Dawkins em 2004:

      – Seu livro documenta a evolução dos seres humanos do presente até a sua origem. O sr. tem alguma idéia sobre como evoluirão os humanos daqui para a frente?

      Dawkins responde:

      – Eu não acho que os humanos irão evoluir mais – nós seremos extintos antes. A menos que nos mudemos para o espaço e nos separemos em colônias, que é o que é preciso para que a evolução divergente aconteça. Neste momento, há fluxo gênico em todo o mundo, e isso evita a evolução.

      ————–

  5. Excelente vídeo 😀

  6. OK, mas ..

    Hoje em dia sabemos mais..
    Sabemos que não temos “só um” DNA no nosso corpo..
    E ainda que nosso DNA vai mudando com o tempo..
    E algumas das mudanças são provocadas por nosso intelecto, mesmo inconscientemente..

    Também sabemos que os animais de certa forma, pensam sim.
    E que até as plantas tem capacidade de responder “sensivelmente” a eventos.

    Enfim existe muito mais além doq Darwin concluiu.

    Fatos científicos que de fato, influenciam no assunto Evolução..

    Mas ainda não adaptamos a teoria original de Darwin há novos dados que conseguimos.

    Quer dizer .. alguns até se atrevem a criar suas hipóteses, mas por enquanto oq ainda é ensinado nas escolas, não tem lá grande mudança com oq conhecimento de alguns séculos passados ..

    1. Xevious, existe uma série de aspectos a se considerar sobre a evolução e seus desdobramentos. É por isso que existe uma área acadêmica só pra isso. Sempre que eu encontro coisas a respeito que ajudam a explicar um pouco mais, e consideram detalhes que outras explicações mais simples não consideram, eu posto. Não é por ignorar os novos dados, é simplesmente por que é mais prático assim. Descobertas novas acontecem a cada instante, não é possível dar conta de tudo ou se corre o risco de se ficar excessivamente prolixo. Além do mais, existem temas que se encaixam melhor em outras áreas da biologia (como neurociência, genética, entre outros) do que na seleção natural. Sempre que eu puder, vou trazer informações relevantes de outros campos.

      Mas sugestões de fontes e links que possam gerar postagens são sempre bem-vindas, então sempre que você tiver sugestões a este respeito, não hesite em mandar.

      Abraço!

    2. “Existe muito mais do que Darwin concluiu”…

      Óbvio, a pesquisa cientifica descobriu o DNA e aprimorou conhecimento em muitas áreas como estas: Geologia, Paleontologia, Zoologia, Botânica, Biogeografia, Anatomia comparativa e Fisiologia, Genética, Biologia molecular, Embriologia, Biologia do desenvolvimento, Genética populacional, sequenciamento do genoma e muitas outras,

      Mas com todo esse avanço, o cerne das evidências de Darwin foi perfeito: existe evolução e viemos dela. Parabéns a ele, que não tinha nenhuma ferramenta científica aprimoradíssima que se tem hoje.

      “Mas ainda não adaptamos a teoria original de Darwin há novos dados que conseguimos.”

      Ignorância sua de como funciona a ciência.

      A ciência funciona com eterna e regular “atualização”, por isso existem as chamadas teorias cientificas.

  7. Rafael, talvez escrevendo sem puxar um pouco mais o raciocínio da pergunta faço o meu questionamento. Bom, desde os primeiros hominídeos até o nosso mundo atual ocorreu grandes mudanças evolutivas no homem de forma física,claro além da mental. Outro ponto o que poderia no esperar para o futuro, será que a espécie humana ainda estará sujeita a mudanças drásticas no seu corpo físico ou a ciência vê o atual estágio humano como fase final de constituição física ?

    1. Não dá para prever muito sobre o futuro, Francisco, mas com certeza a ciência não enxerga um “estágio final” da evolução, até porque esse não é um processo com “ponto de partida e “ponto de chegada”; não existe uma “constituição ideal” a ser atingida pela evolução, o que é ideal é o que se adapta melhor a cada ambiente em particular. Mas conforme os ambientes mudam, os seres “se obrigam” a mudar também, e mais uma vez vão sobrevivendo aqueles que melhor se adaptarem. É bem provável que as alterações climáticas, e quem sabe até a internet (aqui é especulação minha, só pra deixar claro), estejam mudando o ser humano, mas como a evolução é um processo que vai acontecendo lentamente sob nosso ponto de vista, vai levar alguns milênios para sabermos que tipo de mudanças significativas acabarão ficando nas gerações futuras..

      Valeu pelo comentário.

      Abraço!

    2. Como explicou o Rafael, não estamos na fase final da evolução. Longe disso. Iremos continuar a evoluir.

      Se todas as variáveis se mantiverem, iremos continuar a perder pêlos (ficaremos sem qualquer pêlo no corpo ou cabelo), iremos perder o dedo mindinho, etc.
      Se continuarmos a ficar mais tempo atrás de um computador, a trabalhar só com os dedos e mente, a comprar tudo pela net, etc, iremos com certeza perder faculdades motoras.
      Se por acaso os computadores se ligarem mais à mente e à visão, sem precisar dos membros superiores (ex: os novos óculos do Google onde já não precisamos digitar em telemoveis/celulares), então também iremos perder a necessidade de utilizar os membros superiores.
      Há imensas coisas que poderemos especular que poderão acontecer devido ao uso de algumas faculdades e a perda de outras…

      No entanto, tal como o Rafael disse, isto não é realmente certo. Porquê? Porque inevitavelmente existem variáveis que irão mudar e das quais não sabemos neste momento.
      Por exemplo: imagine que entramos numa nova era glaciar durante alguns milhares de anos. Com certeza que pelugem voltará a ficar “na moda” 😉
      Imagine que o futuro virtual é mais no sentido dos novos jogos em que a pessoa joga com todos os membros como se estivesse “dentro do computador”, então estaremos constantemente a usar o corpo e não só a mente.
      Imagine que Hawking concretiza o seu sonho de fazer download do seu cérebro para um computador e assim alcançar a imortalidade. Então não precisaremos mais do corpo.

      O “problema” da evolução, é que não controlamos todas as variáveis e por isso não sabemos as que irão mudar e como irão mudar 😉
      Podemos colocar cenários, mas nada mais.
      Como o Rafael disse, só compreendemos esses “comos” após eles acontecerem. Ou como um futebolista disse antes de um jogo de futebol em Portugal: “Só faço prognósticos do resultado no final do jogo” 😛

  8. Rafael, os criacionistas mais insistentes e chatos não negam mais a especiação – ou micro-evolução como chamam, na verdade a adotaram porque são tendenciosos e usam, de forma idiota e sem honestidade intelectual é claro, para explicar pelo aumento do número de espécies a partir daquelas que foram salvas na arca e tudo mais de ridículo que podemos esperar do criacionismo – também adotaram a deriva-continental como fenômeno pós dilúvio pra explicar a distribuição continental das espécies.
    Está certo que a diferença de micro evolução pra macro é como saber que teus passos te levam até a cozinha da tua casa, mas não até a padaria da esquina… Mas seria útil, já que pegas nessa temática, mostrar exemplos em grande escala da evolução: entre ordens com grande diferença morfológica, como de criaturas terrestres para cetáceos, e entre classes que também ocorrem – como de répteis (terópodes) para aves.

    Abraços

    1. Opa, boa sugestão, Jonatas! Com certeza isso vai para a lista de uma postagem futura.

      Valeu pela ideia!

      Abraço!

    2. Os criacionistas adotaram a evolução meio que a contragosto, porque foi a única forma de continuarem insistindo que a Biblia estava certa quando disse que os morcegos eram aves.

      Então veio a evolução e os transformou em mamíferos, segundo eles.

      Eu não resisti a uma brincadeirinha… kkk…

  1. […] Terra: origem com documentário. Origem da Vida. Documentário. Alentejo. Evolução, comprovada, vídeo e mais notícias. Seleção Natural. Elo Perdido. Biodiversidade, ano, datas. Árvore. 1ª vida […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.