Spitzer Observa Colisão de Kapa Cassiopeiae com Meio Interestelar

O telescópio Spitzer, que observa o Universo na região dos infravermelhos, detectou gás e poeira aquecidos pela colisão com a magnetosfera da estrela supergigante Kapa Cassiopeiae. Situada a cerca de 3500 anos-luz (a incerteza neste valor é muito significativa), Kapa Cassiopeiae é uma supergigante azul de tipo espectral B1. A sua luminosidade total é cerca de 400 mil vezes superior à do Sol, concentrando-se a maior fatia na região ultravioleta do espectro electromagnético. Trata-se de uma estrela muito maciça, com cerca de 40 vezes a massa solar. Observações do seu espectro permitiram determinar que perde massa a um ritmo prodigioso através de um vento estelar 10 milhões de vezes mais poderoso do que o do Sol. Kapa Cassiopeia tem magnitude 4 e é facilmente localizada e visível a olho nú.

1000px-Cassiopeia_IAU

A estrela tem uma outra particularidade interessante. Move-se pelo espaço à velocidade estonteante de 1100 quilómetros por segundo! O vento estelar da supergigante e a sua enorme magnetosfera, que forma uma espécie de bolha invisível em torno da estrela, colidem com o gás e poeira do meio interestelar com maior impacto no sentido da sua trajectória. A colisão ocorre cerca de 4 anos-luz à frente da estrela e aquece o gás e poeira interestelares fazendo-os emitir radiação infravermelha que o telescópio Spitzer consegue detectar. A zona de colisão forma o belo arco vermelho que vemos na imagem seguinte. Kapa Cassiopeiae é a estrela azul brilhante no centro da imagem.

kappaCasBow

Todas as estrelas têm uma magnetosfera e vento estelar, mas apenas aquelas em que estes sejam particularmente intensos e que se desloquem a grande velocidade no espaço são capazes de criar regiões de colisão em que o meio interestelar é aquecido até emitir radiação infravermelha detectável. Ainda relativamente à imagem, a radiação codificada com a cor verde, não associada com a zona de colisão, provém de moléculas complexas de carbono, designadas de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, que existem nas nuvens de poeira interestelares ao longo da nossa linha de visão. Na imagem, as cores sinalizam emissão infravermelha nos comprimentos de onda de 3.6 e 4.5 micrometros (azul), 8.0 micrometros (verde) e 24 micrometros (vermelho).

Pode ver a notícia original aqui.

2 comentários

  1. A classificação de Kapa Cassiopeiae na Classificação Unificada dos Astros é

    Pu

    1. Olá Xevious,

      Não percebi o teu comentário, podes clarificar p.f. ?

      Luís

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.