Descoberta a Estrela mais Antiga Conhecida

Crédito: Stefan Keller

Crédito: Stefan Keller

Foi descoberta uma estrela que nasceu há 13,6 mil milhões (bilhões, no Brasil) de anos, somente 200 milhões de anos após o Big Bang.
Esta estrela encontra-se na nossa Via Láctea, a somente 6.000 anos-luz de distância da Terra. Ou seja, esta estrela pertence à nossa Galáxia (note-se que só conseguimos observar estrelas tão pouco luminosas na nossa galáxia, e mesmo assim numa vizinhança relativamente próxima do Sol).

É uma estrela anã laranja e tem o pomposo nome SMSS J0313000.36-670839.3 mas entre amigos é conhecida como SM0313

Em astronomia, depreende-se que quanto menos ferro uma estrela tem, mais antiga ela será, já que tendo somente hidrogénio e hélio (e vestígios de lítio), então é uma estrela que contém somente os elementos que foram criados pelo Big Bang (e não os elementos mais pesados que foram criados nas estrelas). “A taxa de ferro no Universo aumenta com o tempo, à medida que se formam e que morrem novas gerações de estrelas”, disse Stefan Keller.
A análise feita à SM0313 permitiu perceber que ela contém uma quantidade mínima de ferro, tem algum carbono, magnésio e cálcio, mas não foram detetados nem oxigénio nem azoto/nitrogénio.

Stefan Keller também refere: “No caso da nossa estrela, a quantidade de ferro é menos de um milionésimo do que a do nosso Sol, e 60 vezes menos do que qualquer outra estrela já analisada. O que significa que esta é a estrela mais velha alguma vez descoberta”.

Apesar de bastante antiga, esta estrela era uma estrela de segunda geração, já que o seu nascimento foi influenciado pela “explosão” de uma supernova – em que a estrela que lhe deu origem seria uma das primeiras estrelas no Universo e que teria cerca de 60 vezes a massa do Sol.

Leiam a notícia, no jornal Público, e no comunicado de imprensa original.

Apesar de bastante antiga, não se pode considerar com certeza que esta é a estrela mais antiga descoberta até hoje – e os autores não o fazem no artigo científico evidentemente.
Afinal, a estrela HD 140283 poderá ser ainda mais antiga que esta. E está ainda mais próxima: a somente 186 anos-luz de distância da Terra. Podem ler aqui, aqui e aqui.

10 comentários

2 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Pois, o que eu queria dizer é que o título parece implicar que “a estrela mais antiga *do Universo* encontra-se, por incrível coincidência, na nossa galáxia e não numa outra qualquer”.

    1. Pois, tens razão 🙂
      É a mania de sermos (neste caso, eu 😛 ) mentalmente geocentrico 😀

      Mas claro, tens razão 🙂

      O que quis dizer é que fazemos isto (mesmo errado) constantemente 😉

      Mas olha que pode até pertencer… e até estar muito perto de nós :). Conheces alguma estrela mais velha que a HD 140283? 😛

      1. não tens emenda 😉

      2. Pronto, já incluí o teu feedback 🙂 Cheers! 😉

        • Paulo Cardoso on 12/04/2016 at 19:04

        Conheço, esta:
        http://www.bbc.com/portuguese/ciencia/021031_estrelag.shtml 😉

      3. Note que esse artigo é já de 2002. Desde aí, os dados já foram refinados. 😉

        https://en.wikipedia.org/wiki/HE0107-5240

        “HE0107-5240 is an extremely metal-poor Population II star, located roughly 36000 light years away from the Earth, that has a mass of approximately 80% of the mass of the Sun. (…) it is also very old, with an age of roughly 13 billion years.”

  2. O título é um bocado enganador. Eles encontraram a estrela mais antiga (com base na abundância dos elementos) que se conhece. É necessariamente da nossa galáxia porque não conseguimos ver estrelas tão pouco luminosas noutras galáxias. Poderão existir estrelas mais velhas na nossa galáxia ou em outras.

    😉

    1. Estrela mais antiga… que conhecemos claro. 😉 (é sempre referente aos nossos conhecimentos, como o planeta-anão mais distante, a galáxia mais distante, o planeta mais quente, etc, etc) 🙂

      Tanto esta como a outra (no final) pertencem à nossa Galáxia 😉

      abraços! 🙂

    • Felipe Guimarães on 27/03/2014 at 03:24
    • Responder

    Estas estrelas (anãs laranjas) não são tão menores que o Sol certo? O que faz elas viverem tanto assim, já que esta superou todo tempo vida prevista para o Sol e pelo visto ainda tem muito tempo pela frente?

    1. Anãs laranjas são menos massivas que o Sol, por isso vivem mais tempo.
      Quanto menos massa têm, mais tempo vivem 😉

      O Sol tem um tempo estimado de vida de 10 mil milhões de anos… esta ainda pode viver mais 😉

      abraços

  1. […] – Estrelas: Nascimento (Lagarta Cósmica, Objectos Herbig-Haro). Mais antiga. HIP 102152. Zircónio. W1-26. Canis Majoris. V838 Monocerotis. Fomalhaut C. Pleiades (aqui). […]

  2. […] Devido a tudo isto, sabemos que as estrelas de 1ª geração não poderiam ter metais na sua constituição (porque ainda não existiam). Já uma estrela formada há 10.000 milhões (10 bilhões, no Brasil) de anos já terá uma quantidade ínfima de ferro. Uma estrela formada agora terá um pouco mais de ferro na sua constituição (ainda muito pouco, mas um pouquinho mais que uma estrela formada antes). E uma estrela que se forme daqui a 100.000 milhões (100 bilhões, no Brasil) de anos terá uma quantidade muito pequena de ferro, mas ainda assim maior do que uma estrela formada hoje. Assim, analisando a constituição química de uma estrela, podemos ver, por exemplo, quanto ferro tem. Ao fazermos isso, sabemos – mais ou menos – quando é que ela nasceu. […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.