The Buzzer

O que faz da emissão de The Buzzer uma das mais enigmáticas – e por esse motivo apetecidas – do espectro radioeléctrico?

Para responder a esta questão, convirá primeiro falar de um tipo de transmissões que, ao longo de várias décadas, têm vindo a despertar o interesse e curiosidade de milhares de aficionados em todo o mundo – podendo falar-se mesmo de um culto associado a esta prática de radioescuta – e que podem ser captadas com um simples receptor de onda curta: as Numbers Stations.

Estas emissões, esporádicas ou com padrões estabelecidos, veiculam mensagens que, na sua maioria, são constituídas por sequências de números ou letras, comunicadas através de voz sintetizada, código morse ou modos digitais. Os idiomas mais comuns são o inglês, o alemão e o russo. Há várias teorias sobre estas comunicações, mas aquela que é mais consensual é a que diz tratarem-se de comunicações dirigidas a espiões no terreno, oriundas dos vários serviços de inteligência dos mais variados países. Verdade ou não, o certo é que esta actividade, longe de estar em vias de extinção, tem vindo a ser monitorizada e estudada por grupos como o ENIGMA2000, o Priyom ou o INSMA, dando continuidade a um trabalho de pesquisa e arquivo encetado pelo amante das Numbers Stations Akin Fernandez, autor do conhecido The Conet Project (uma colectânea de 4 CD’s com gravações de emissões misteriosas que foi editada pela Irdial-Discs em 1997).

As Numbers Stations foram, em 2012, inspiração para o argumento do filme The Numbers Station com John Cusack a vestir a pele do agente veterano da CIA Emerson Kent.

Embora o seu padrão de transmissão não configure uma tipologia pura de Numbers Station, a famosa estação russa conhecida por UVB-76, UZB-76, MDZhB, S28, The Buzzer ou, em russo, жужжалка (zumbido) faz com que uma legião de seguidores esteja 24h sobre 24h à escuta de um sinal aborrecido e maçador, repetido cerca de 20 vezes a cada minuto.

A UVB-76 (como é mais conhecida) é uma estação militar russa, possivelmente localizada no Distrito Militar Ocidental, que opera as 24 horas em 4625 kHz, emitindo um som que funciona como um channel marker (uma forma de ocupar a frequência de emissão de modo a não ser utilizada por outras estações de rádio). Esporadicamente, o som da buzina pára e ouvem-se curtas mensagens de voz em russo. Os primeiros relatos desta actividade datam dos finais dos anos 1970 (entre 1976 e 1982), tendo o formato e a tonalidade do som emitido variado ao longo dos anos (o som actual data de 1990).

The Buzzer em 1982 (gravação de Ary Boender)

The Buzzer em 1989 (gravação de Ary Boender)

A primeira mensagem de voz de que há registo data de 24 de Dezembro de 1997 (gravação de Jan Michalski)
“УЗБ-76 180 08 БРОМАЛ 74 27 99 14” (um formato com semelhanças ao que é usado hoje)

Várias teorias têm vindo a ser levantadas em relação ao propósito destas emissões.


Teoria do “Dead Hand” trigger

Dead Hand é a designação dada a um sistema de despoletamento automático capaz de lançar armas nucleares. É muito provável que um sistema desse género exista, mas não é definitivamente The Buzzer. Os adeptos desta teoria advogam que um paragem no som emitido pela estação causaria um lançamento automático de armas nucleares. Não falando da tremenda irresponsabilidade de deixar a cargo de um sistema vulnerável a catastrófica missão de despoletar uma guerra nuclear, bastará dizer-se que falhas e interrupções na emissão de The Buzzer têm sido frequentes, principalmente devido a problemas com o equipamento. Uma outra realidade que deita esta teoria por terra, é o facto de o som da buzina parar sempre que é transmitida uma mensagem de voz.


Teoria do Rastreio Ionosférico

Um artigo de investigação publicado em Abril de 2008 pelo Observatório Geofísico de Borok, intitulado “Information-measuring complex and database of mid-latitude Borok Geophysical Observatory”, detalha um sistema de recolha de dados cujo objectivo é o estudo da propagação das ondas electromagnéticas na ionosfera. O documento menciona a frequência de 4625 Khz. Reproduzimos um excerto do documento original que descreve a metodologia adoptada:

Doppler Radio Sounding of the Ionosphere

[31] High-frequency Doppler method for ionosphere researches is based on observation of frequency variations of the
radio wave reflected from ionosphere inhomogeneities, changing in time and in space. Thus changes of an ionosphere
state can be caused by solar geophysical factors as well as by atmosphere and seismic events from natural and artificial
origins. Propagation of the radio wave is accompanied by frequency deviation caused by changes in physical properties
of media and in the geometric trajectory or an altitude of reflection.
[32] The high-frequency Doppler method consists in comparison between the frequency of the continuous radio signal,
reflected by the ionosphere, and the frequency of the stable basic generator. Usage of the basic source enables to apply
the device both for vertical and inclined sounding. The basic generator frequency is shifted on some hertz from the
transmitter frequency to detect Doppler shift.
[33] The equipment resolution, or its sensitivity, depends on the frequency stability of the heterodyne receiver and
carrier wave of the radio transmitter. The highly stable broadcasting radio station working in a short wave range is used
as radio transmitter. The radio receiver basic generator is the quartz generator with proportional thermostat system of
the resonator, providing the frequency stability about 10 -8. So the resolution of the measuring complex on frequencies
about 10 MHz is provided at 0.1 Hz level. With decreasing of a radio frequency this value decreases proportionally.
Main parameters of the measuring are
carrier wave frequency 4.625 MHz;
receiver resolution ~0.1 Hz.
Source: Anisimov, S. V., A. Chulliat, and E. M. Dmitriev (2008), Information-measuring complex and database of mid-latitude Borok Geophysical
Observatory, Russ. J. Earth Sci., 10, ES3007, doi:10.2205/2007ES000227.

O que este documento sugere é a existência de uma sonda ionosférica a operar na frequência de 4625 kHz. A emissão é então monitorizada por receptores científicos para a obtenção de dados para a investigação. Parece óbvio que, sendo esta explicação verdadeira, se impõe pensar sobre que utilidade têm as transmissões de voz que, esporadicamente, com ou mais frequência, são realizadas. É claro que The Buzzer é usada para fins militares, ainda que paralelamente uma das funções possa ser a investigação científica.

Contudo, convirá reflectir sobre o seguinte:

1. O Observatório Geofísico Borok foi criado pelo Instituto de Física Terrestre Schmidt, da Academia de Ciências Russa, em 1957. Desde 2004 que integra a rede internacional INTERMAGNET, uma rede de observatórios electromagnéticos que disponibiliza dados para a comunidade científica. O instituto-pai, a Academia de Ciências Russa, funciona autonomamente em relação ao governo e a sua liderança é ocupada por civis. Nada no observatório sugere afiliação militar, nem os dados que abertamente partilha podem oferecer vantagens tácticas a nações estrangeiras. A possibilidade do poder militar participar num projecto de investigação civil depende da cultura do local, pelo que nenhuma resposta a este nível é definitiva.

2. Borok está localizada em Yaroslavl, na região norte de Moscovo. Situa-se aproximadamente a 590 km de Pskov, uma das localidades candidatas à actual localização de The Buzzer, e a 230 km de Povarovo, local onde esteve instalado o anterior transmissor em 2008, ano em que supostamente a investigação estava em curso. Fontes credíveis dizem que o transmissor de A3E (AM) foi usado como transmissor primário durante as operações em Povarovo. Uma vez que o sinal tem que se propagar de forma eficaz entre o transmissor e as estações receptoras, o requisito parece ser satisfeito com o facto de os 230 km poderem ser cobertos na frequência de 4625 kHz.

 

Teoria da procura de vida extra-terrestre inteligente

Tem vindo a ser colocada como hipótese por algumas mentes especulativas. Não há nenhum dado que sustente esta teoria (será que os extra-terrestres aprenderam russo?)


Localização do transmissor

A localização actual é desconhecida e qualquer dado relativo a esta é uma especulação baseada em “especialistas” anónimos ou técnicas de localização por onda terrestre (skywave direction finding). A única certeza, com base em triangulações, é que o transmissor está instalado na Rússia Europeia.

Alguns resultados de triangulação
http://uvb-76.net/p/triangulation.html
http://priyom.org/media/53392/4625_peleng28102011_1_.jpg

A anterior localização do transmissor é, no entanto, bem conhecida, tendo sido visitada por exploradores que, inclusive, recolheram um livro de registo de emissões (logbook).

http://bydunai.livejournal.com/749.html

2ªparte: http://youtu.be/cGQJtNunHLY
3ªparte: http://youtu.be/07hW5-FRCEA
4ªparte: http://youtu.be/SAK3X3HMhJc
5ªparte: http://youtu.be/fOk4tVctODM

Muito se tem dito sobre The Buzzer (UVB-76 ou MDZhB, actual indicativo). Deixo-vos alguns exemplos de má e boa informação sobre o assunto, bem como a gravação de algumas mensagens de voz.


MÁ INFORMAÇÃO

0:21 – Rádio Fantasma? O que é uma Rádio Fantasma? Uma rádio que não se vê, que não se ouve, que só aparece de noite para assustar os espíritos mais perturbados?

1:53 – “Cerca de 6 transmissões de voz foram realizadas….”.
Foram realizadas muito mais do que 6 transmissões de voz.

1:58 – “… um conjunto de indivíduos é citado como Anna, Nikolai….”
Não é um conjunto de indivíduos que é citado, mas sim os nomes pertencentes ao alfabético fonético russo que serve             para soletrar cada uma das palavras transmitidas.
“… foram reis russos”
Sim, foram 🙂

Paro aqui com os comentários, pois seriam demasiado extensos.


BOA INFORMAÇÃO




Mensagens de Voz




Vídeo sobre Numbers Stations (incluindo The Buzzer)




Dados a conhecer alguns dos contornos desta história, deixo aqui a minha interpretação:

1. The Buzzer é, sem dúvida, uma estação de rádio militar. O seu anterior local de emissão estava situado num base militar russa a cerca de 40km de Moscovo (Povorovo).

2. A emissão destina-se ao território ocidental russo, uma vez que a frequência de emissão (4625 kHz) e a antena utilizada (dipolo horizontal) configuram um tipo de setup orientado para propagação de tipo NVIS (Near Vertical Incidence Skywave).

3. As mensagens de texto podem bem ser instruções para o terreno (ordens militares) ou apenas mensagens destinadas a testar a prontidão e alerta das tropas, obrigando-as a registar o seu conteúdo para posterior verificação (apenas especulação).

4. O número de mensagens nos últimos meses tem aumentado significativamente, tendo sido registadas até 8 por dia.

5. A teoria da sonda ionosférica não é descabida, mas parece-me mais plausível que o som intermitente funcione como channel marker (ocupação de frequência).

Por fim, salientar que está a ser preparado um documentário, inicialmente previsto para o outono de 2012, mas que só em 2014 virá a público.

Voltaremos a este tema, assim que se justifique.

Resta-me desejar-vos BOAS ESCUTAS!

 

Referências:
http://priyom.org
The Buzzer Primer

8 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Parabéns, fiquei muito curioso quando fiquei sabendo sobre esse assunto, ótimo artigo o mais completo e sem teorias de conspiração descabidas que encontrei. Muito obrigado por compartilhar. Sucesso!!

  2. Possivelmente os Buzzers e mais concretamente a famosa rádio Russa, terá a haver directamente com o sistema de defesa de Moscovo e deverá ser usada como antena de referência para os radares passivos, que apenas são receptores e que fazem a detecção de aeronaves, usando emissões de rádio exteriores, comerciais e militares mas necessitam de uma emissão de uma antena fixa como referência, em que é recebida a emissão dessa antena e as mesmas emissões que foram reflectidas por uma aeronave. Usam também outras emissões de rádio para melhor localização das aeronaves.

    Aqui ficam link sobre os radares passivos, que tiveram os primeiros testes em 1930!
    http://en.wikipedia.org/wiki/Passive_radar

    http://www.defesaaereanaval.com.br/?p=35825

    Abraço

  3. Gostaria de uma reportagem sobre os Sons inexplicáveis (até hoje pelo que saiba) que são escutados em todo mundo, esporadicamente.
    E inclusive eu já escutei também, lá por 2009..

    São sons que parecem metal se retorcendo, e vem de uma direção “acima”..

    Aqui alguns exemplos
    http://www.youtube.com/watch?v=_eTYG0DoOxE
    http://www.youtube.com/watch?v=ciNjkh9Rdr0
    http://www.youtube.com/watch?v=vxgYRUiHW4U

  4. Muito bom!!!!

    1. Muito completo!! Muito bom!!

  5. Se eu não me engano teve um episódio da série Fringe que falou sobre essas estações.

    1. Sim, é verdade. Foi na temporada 3, episódio 6:
      http://www.imdb.com/title/tt1635959/

  1. […] 95 – Comunicações. Revolução nas Comunicações. The Buzzer. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.