Em Ganimedes os oceanos e gelos estão dispostos em camadas que podem ter 800 km de profundidade!

Esta concepção artística da lua Ganimedes de Júpiter demonstra o modelo “sanduíche multicamadas” (Dagwood sandwich) do seu massivo oceano interior. As múltiplas camadas alternam gelo de diversos tipos (ICE I, ICE III-neve, ICE V e ICE VI) e água salgada no seu interior. Quando mais profunda a camada, maior a salinidade da água. Crédito: NASA/JPL

Esta concepção artística da lua Ganimedes de Júpiter demonstra o modelo “sanduíche multicamadas” (Dagwood sandwich) do seu massivo oceano interior. As múltiplas camadas alternam gelo de diversos tipos (ICE I, ICE III-neve, ICE V e ICE VI) e água salgada no seu interior. Quanto mais profunda a camada, maior a salinidade da água. Crédito: NASA/JPL

Enquanto refletimos sobre o pedido de informações da NASA (RFI) relacionado a missão à lua Europa devemos nos lembrar que a NASA está contribuindo com três instrumentos para a missão JUpiter ICy moons Explorer (JUICE) da ESA (Agência Espacial Europeia). A sonda JUICE, a ser lançada em 2022, estará operacional no espaço de Júpiter em 2030. O objetivo da missão JUICE será explorar Europa, Calisto e Ganimedes através de numerosos sobrevoos para que, finalmente, a espaçonave se estabeleça em órbita em torno de Ganimedes. Este será o primeiro olhar sério nas múltiplas luas de Júpiter a ser realizado por uma nave espacial visitante desde a missão Galileo, que explorou o sistema Joviano de 1995 a 2003.

As 4 luas galileanas de Júpiter sempre foram de grande interesse. Há anos os astrônomos suspeitam que tanto em Calisto quanto em Ganimedes existem oceanos profundos sob suas crostas superficiais [1]. A sonda Galileo, de fato, encontrou evidências de mares salgados dentro de Ganimedes, provavelmente contendo sulfato de magnésio. Agora, no JPL (Jet Propulsion Laboratory), uma equipe liderada por Steve Vance relatou sobre nova pesquisa mostrando que o que existe lá em Ganimedes é muito, muito mais do que um simples mar entre duas camadas de gelo. Usando modelos computacionais dos processos envolvidos, os cientistas encontraram um cenário complexo com gelos e oceanos empilhados em camadas.

Steve Vance comparou:

Oceano de Ganimedes pode ser organizado como um super sanduiche Dagwood [sanduiche multicamadas].

Sanduíche Dagwood

Sanduíche Dagwood

A lua Ganimedes é um corpo maior em tamanho que o planeta Mercúrio, mas com menor massa e densidade [2].

Ganimedes pode abrigar até 25 vezes o volume de água encontrada nos oceanos da Terra

O trabalho do JPL, relatado em um novo artigo na Planetary and Space Science, sugere que o fundo dos mares nas várias camadas não deve estar revestido com gelo, mas com água salgada. Modelos anteriores tinham mostrado a probabilidade de haver gelo denso na parte inferior de um enorme oceano com enormes pressões, mas a equipe de Vance adicionou sal aos seus modelos e constatou que um líquido denso o suficiente para afundar até o fundo do mar era o resultado esperado. O sal, como se vê na prática, torna o oceano mais denso, particularmente sob as condições de extrema pressão encontradas dentro de Ganimedes e outras luas.

Assim, a pressão oceânica em Ganimedes seria elevada, uma vez que os oceanos da lua joviana podem ter de 800 a 900 quilômetros de profundidade. A forma mais profunda, mais densa de gelo, considerada a existir em Ganimedes é conhecida como “Ice VI” (gelo tipo 6) [3]. Se o gelo de geladeira comum (“Ice I” – gelo tipo 1) flutua em um copo de água, as formas mais pesadas de gelo produzidos por pressões extremas apresentam uma estrutura cristalina muito mais compacta, com as moléculas empacotadas de forma mais agrupada, e é por isso que algumas formas de gelo denso podem cair para o fundo do oceano.

Isso poderia produzir um piso gelado no oceano, fazendo as interações químicas potencialmente produtoras de vida entre água e rocha improváveis. Mas os modelos da equipe estimaram a existência de até três camadas de gelo e um fundo de mar rochoso, com o gelo mais leve em cima e o líquido denso e salgado na parte inferior. Além disso, as camadas do diagrama acima levam em consideração fenômenos estranhos, com o “Ice III” (gelo tipo 3) [4] na camada superior do oceano formado por água salgada cujos sais precipitam para fora. Enquanto os sais mais pesados começam a se depositar no fundo, o gelo mais leve iria flutuar para cima, talvez derretendo novamente antes de chegar ao topo do oceano ou deixando camadas de lama no oceano de Ganimedes. Quando está “nevando” (dentro dos oceanos) em Ganimedes, em outras palavras, a neve flutua para cima, não para baixo.

O comunicado à imprensa do JPL oferece mais informação, incluindo a noção de que a estrutura ‘sanduíche’ descrita pelos pesquisadores varia ao longo do tempo, às vezes retornando a um único oceano encontrado abaixo de uma camada de ICE I (gelo tipo I) e existente em cima de regiões de diferentes tipos de gelo sob alta pressão. De qualquer forma, a ideia de interações químicas onde a água e a rocha se encontram é intrigante sob o ponto de vista astro-biológico, sugerindo que um fundo de mar molhado poderia produzir as condições necessárias para a vida. Os sais que a equipe de Vance adicionou ao seu modelo de Ganimedes forneceram insumos para se reproduzir um cenário de um fundo do mar com os líquidos densos necessários.

O artigo científico assinado por Vance et al., intitulado “Ganymede׳s internal structure including thermodynamics of magnesium sulfate oceans in contact with ice” foi publicado em Planetary and Space Science em 12 de abril  de 2014. Também recomendamos o artigo de Vance et al., intitulado “A Passive Probe for Subsurface Oceans and Liquid Water in Jupiter’s Icy Moons” submetida à Icarus.

Notas

[1] Spohn, T.; Schubert, G. (2003), “Oceans in the icy Galilean satellites of Jupiter?”, Icarus 161 (2): 456–467.doi:10.1016/S0019-1035(02)00048-9.

[2] A densidade de Mercúrio é 5,427 g/cm3. A densidade na nossa Lua é 3,3464 g/cm3. A densidade de Ganimedes é bem menor: 1,936 g/cm3. Isto, por si só, já sugere a presença massiva de 46% a 48% de água/gelos em Ganimedes, conforme estudos anteriores estimaram [Kuskov, O.L.; Kronrod, V.A.; Zhidikova, A.P. (2005), “Internal Structure of Icy Satellites of Jupiter”, Geophysical Research Abstracts (European Geosciences Union)].

[3] “ICE VI” (gelo tipo 6) é uma forma densa cristalina de gelo, que se forma sob alta pressão, com densidade de 1,31 g/cm³. Cada célula tetragonal abriga 10 moléculas de água [Science: Structure of Ice VI].

[4] O “ICE III” (gelo tipo 3) tem uma densidade de cerca de 1,16 g/cm³.

Fontes

Centauri Dreams: A Layered Ocean within Ganymede?

NASA/JPL: Ganymede May Harbor ‘Club Sandwich’ of Oceans and Ice

Artigos Científicos

Science: Ganymede׳s internal structure including thermodynamics of magnesium sulfate oceans in contact with ice

Arxiv.org: A Passive Probe for Subsurface Oceans and Liquid Water in Jupiter’s Icy Moons

._._.

5 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Discordo de uma de suas afirmações Ricardo.
    Que a agua na nossa “região” seja escassa, muito antes pelo contrário.
    Afinal a agua também é produzida pelo Sol, pela emanação de Hidrogênio e Oxigênio que chegam até aqui pelo vento solar.

    Temos muito a conhecer ainda do nosso sistema solar e também do nosso planeta..

  2. Não duvido que Ganimedes seja assim e ainda desconfio que a Terra também seja assim..
    Tenho percebido algumas pistas de um oceano interior na Terra, que poderiam abrigar seres bem característicos destes locais.

    1. Xevious,

      Já tínhamos falado antes acerca desse assunto: http://www.astropt.org/2014/03/16/gema-minuscula-confirma-presenca-de-vastos-reservatorios-de-agua-nas-entranhas-da-terra/comment-page-1/#comment-274958. Essa sua “desconfiança” não tem qualquer suporte científico. 😉

      1. Sou só uma exceção a regra.
        Seria realmente uma coisa surpreendente cientificamente e nestes ultimos anos tivemos descobertas científicas surpreendentes tão duvidosas (antes das descobertas) como isto que ‘desconfio’..
        Oq faço por enquanto é só ficar pegando pistas..

    2. As condições da Terra são enormemente diferentes das encontradas em Ganimedes e outras luas do Sistema Solar. A Terra não é um “mundo oceânico” como Europa é (40 km de profundidade) e Ganimedes pensamos que também é (800 a 900 km de profundidade). A Terra se formou em uma zona mais quente do Sistema Solar onde a água é um elemento escasso… as razões são complexas.

      Lá em Júpiter e além, por outro, lado, a água é bem comum. Júpiter está na borda inferior da ‘linha de neve’ (5 UA), o que facilitou as coisas.
      http://en.wikipedia.org/wiki/Frost_line_(astrophysics)

  1. […] (características, exploração, lâminas de gelo, vapor de água, oceano). Io (superfície). Ganimedes. Miranda. Tritão. Nova lua de Neptuno. Luas […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.