Encontro ocasional dá origem a anel de diamantes celeste

Os astrónomos utilizaram o Very Large Telescope do ESO no Chile para capturar esta bela imagem da nebulosa planetária PN A66 33 – conhecida normalmente por Abell 33.
Formada quando uma estrela em envelhecimento lançou para o espaço as suas camadas externas, esta bonita bolha azul está, por mero acaso, alinhada com uma estrela que se encontra em primeiro plano, o que torna o conjunto extremamente parecido a um anel de noivado com um diamante.
Esta jóia cósmica é invulgarmente simétrica, aparecendo como um círculo quase perfeito no céu.

A nebulosa planetária Abell 33 obtida com o Very Large Telescope do ESO. Crédito: ESO

A nebulosa planetária Abell 33 obtida com o Very Large Telescope do ESO. Crédito: ESO

A maioria das estrelas com massas da ordem da no nosso Sol terminarão as suas vidas sob a forma de anãs brancas – corpos quentes, pequenos e muito densos que vão arrefecendo lentamente ao longo de milhares de milhões de anos. Antes desta fase final das suas vidas, as estrelas libertam para o espaço as suas atmosferas, criando nebulosas planetárias – nuvens de gás coloridas e luminosas que envolvem as pequenas relíquias estelares brilhantes.

Esta imagem, obtida pelo Very Large Telescope do ESO (VLT), mostra a Abell 33, uma nebulosa planetária extraordinariamente circular, situada a cerca de 2500 anos-luz de distância da Terra. O facto de ser perfeitamente redonda é bastante invulgar neste tipo de objetos, pois geralmente existe algo que perturba a simetria e faz com que a nebulosa planetária apresente formas irregulares.

A estrela muito brilhante situada na periferia da nebulosa dá origem a uma bonita ilusão óptica nesta imagem do VLT. O alinhamento verificado acontece por mero acaso – a estrela, chamada HD 83535, situa-se em primeiro plano, a meio caminho entre a Abell 33 e a Terra, no local exato para tornar esta imagem ainda mais bonita. Juntas, a HD83535 e a Abell 33 formam um cintilante anel de diamante.

O que resta da estrela progenitora de Abell 33, e que irá formar uma anã branca, pode ser vista, ligeiramente descentrada no interior da nebulosa, como uma pequeníssima pérola branca. Ainda é bastante brilhante – mais luminosa que o nosso Sol – e emite radiação ultravioleta suficiente para fazer com que a bolha de material expelido brilhe.

(…)

Leia o artigo completo, na página do ESO, aqui.

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Graciete Virgínia Rietsch Monteiro Fernanbdes on 17/06/2014 at 20:09
    • Responder

    Muito obrigada. Ignorância e falta de atenção.
    Um abraço.

    1. Não há problema Graciete.

      Não é ignorância. Pelo contrário. A Graciete não entendeu, por isso perguntou. É um sinal de inteligência 😉

      abraços

    • Graciete Virgínia Rietsch Monteiro Fernanbdes on 16/06/2014 at 20:29
    • Responder

    A imagem é lindíssima. Mas a minha ignorância leva-me a perguntar o seguinte. O “diamante” na periferia da nebulosa planetária é uma imagem apenas da estrela que aparece em primeiro plano? A fotografia resultou de uma sobreposição de imagens? Sempre gostei muito de Astronomia mas não sei nada a não ser o que, por curiosidade, vou lendo e também por ter acompanhado umas aulas de Astronomia na UPP, de que gostei muito. Também gosto particularmente deste blog.
    Cumprimentos e obrigada.

    1. Quando a Graciete tira uma foto a duas pessoas, sendo que a pessoa mais atrás está a 200 metros de si e vocês nem se conhecem. Mas por mero acaso, ao tirar a foto à sua amiga perto de si, a pessoa atrás também ficou na foto.

      É o que acontece aqui. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.