Descoberto Planeta Gelado num sistema binário

Ilustração Artística do novo planeta, descoberto a orbitar uma estrela num sistema binário. Crédito: Cheongho Han

Ilustração Artística do novo planeta, descoberto a orbitar uma estrela num sistema binário. Crédito: Cheongho Han

Foi descoberto um planeta num sistema binário (em que existem duas estrelas).
O sistema encontra-se a 3.000 anos-luz de distância da Terra.

O exoplaneta chama-se OGLE-2013-BLG-0341LBb, e foi descoberto através da técnica de microlente gravitacional.

O novo exoplaneta tem somente 2 vezes mais massa que a Terra.

Agora vem a parte interessante: o planeta orbita uma das estrelas à mesma distância dessa estrela que a Terra do Sol. No entanto, como a estrela é 400 vezes menos brilhante que o Sol, então o exoplaneta deverá ser gelado (temperatura à superfície de -213ºC).

No entanto, esta descoberta evidencia que planetas terrestres podem formar-se em sistemas binários.

Scott Gaudi, professor de astronomia, diz: “Esta descoberta expande os locais onde se poderá encontrar planetas habitáveis. Metade das estrelas na galáxia fazem parte de sistemas binários. Nós não sabíamos se planetas terrestres se podiam formar em sistemas binários, à mesma distância da estrela-mãe que a Terra está do Sol. Agora sabemos. Só falta encontrar num sistema binário, um planeta terrestre em órbita de uma estrela como o Sol, à distância que a Terra está do Sol.”

Leiam o comunicado de imprensa e a notícia da NASA.

11 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Muito interessante sua observação quanto a “Região de possível maior incidência de vida” na nossa galáxia.
    Nunca tinha ouvido falar disto e me parece ter bastante lógica.

    Outra conclusão é que estamos mesmo no subúrbio da galáxia, onde somos raros..
    Mas podem existir até bastante “visitantes” alguns dizem que não outros dizem que podem ter, certeza que não tem é que não podemos ter.. se existem, pode ser até algum destes => (lista com os ETs visitantes) => http://forum.intonses.com.br/viewtopic.php?f=89&t=287520

    Mas respondendo(ao Jérémy) ou tentando complementar a resposta do Carlos.
    Na verdade qualquer sistema solar pode ser bastante prejudicial a vários astros, ora bolas eles são gitantescas bolas de fogo potentíssimas, alguns são menores mas potentíssimos em termos de radiação..
    E uma época ou outra ocorrerá tragédias gigantescas, provavelmente isto pode ter ocorrido em todos sistemas solares, algum dia..
    Principalmente, claro, nas fazes iniciais.

    Outra coisa é que provavelmente o planeta não orbite os dois astros, mas tenha “escolhido” um deles.
    Mais provavelmente é que existam um punhado e até uma boa quantidade nestes sistemas.

    Talvez algum destes planetas(ou outro..) seja um grande balneário, já que tem dois sóis seria um lugar com uma atração turística muito interessante 🙂

  2. Estando uma das estrelas a 15 UA do planeta, não é quase como se tivesse uma só ?

    1. Não entendi. Porquê? 🙂

      15 UA é uma distancia da Terra entre Saturno e Urano. 😉

        • Jaculina on 08/07/2014 at 08:25

        Pensei que, tirando os aspectos gravitacionais, a influência da estrela que está a 15 UA fosse quase insignificante para o desenvolvimento da vida no planeta.
        Claro que depende das características da estrela mais distante, mas imaginei que quase toda a luz e radiação recebida viesse da estrela que está a menos de 1 UA. Nos desenhos que vi, o Sol visto de Saturno / Urano é apenas um ponto grande.

      1. Sim, tem razão.

        Mas por pouca radiação (e vento estelar) que chegue, sempre chega alguma coisa, que se vai “juntar” aos mesmos efeitos da outra estrela mais perto… 😉

        Sim, é pouco, mas chega sempre alguma coisa 😉

        abraços

        • Jaculina on 08/07/2014 at 20:54

        Obrigada pelos seus esclarecimentos. E pela sua paciência, claro!

      2. Nada!

        Neste caso nem esclareci 😛

  3. Notícia excelente!

    Contudo, tenho uma pequena dúvida: o facto de haver duas estrelas não poderá ser perigoso para o planeta? Caso hajam vários asteróides naquele sistema, uma das estrelas não poderá propulsionar os ditos asteróides para a orbita do planeta em questão?

    No nosso caso, Júpiter tem sido uma espécie de “herói” da Terra. Mas existe a teoria de que um hipotético planeta gigante localizado na Nuvem de Oort seria o grande responsável pelo envio de vários corpos de pequena dimensão para o Sistema Solar Interior. Mesmo que seja uma teoria, num sistema binário haveria este tipo de perigo para a vida?

    Abraço 🙂

    Ps: Dr. Carlos Oliveira, enviei-lhe um e-mail por causa do tal convite para vir a Castelo Branco, será que viu? Muito Obrigado 🙂

    1. “Contudo, tenho uma pequena dúvida: o facto de haver duas estrelas não poderá ser perigoso para o planeta?”

      Sim, esta era a principal dificuldade que se imaginava antigamente: pensava-se que era dificil existirem planetas em sistemas binários. Ora, sendo os sistemas binários a maioria no Universo, assim a existencia de exoplanetas deveria ser limitada.
      No entanto, tem-se descoberto planetas em sistemas binários. E planetas com órbitas estáveis.
      Assim, mudou-se a perspectiva: há já vários anos que se sabe que é possível a existencia de planetas com orbitas estaveis em sistemas binários. E a estabilidade das órbitas pode ter várias configurações, sendo as mais conhecidas, os planetas em órbita de uma estrela, quando ambas as estrelas estao bastante separadas, ou o planeta em orbita de ambas as estrelas (do centro de massa) quando as estrelas estao proximas.

      O “perigo” de colisão com asteroides não penso que seja mais relevante num sistema binario que num sistema como o solar. Se calhar até é menor, já que muitos asteroides poderão ser “limpos” pela 2ª estrela… (que tem mais força gravitacional que o nosso Jupiter).
      Mas não estou dentro dos estudos que possam existir sobre esta questão… 🙁

      abraços!

      P.S.: sim, eu li. 🙂 É da semana passada. Vou-lhe responder agora e explicar-lhe porque não respondi mais cedo 😉 (basicamente trata-se de não lhe poder dar uma resposta definitiva já sobre datas… mas eu explico-lhe isso) 😉

        • Jérémy on 07/07/2014 at 11:04

        Então neste caso existe a possibilidade de haver vida em planetas situados em sistemas binários, ou mesmo sistemas com 3,4 ou 5 estrelas. Pergunto-me que tipo de vida poderia existir em tais planetas. 😛

        Obrigado pela resposta!

        Grande Abraço 🙂

      1. Pessoalmente, não me surpreenderia existir vida, até pelo contrário.

        Porque digo “pelo contrário”?
        Porque apesar de alguns verem isso como uma limitação, devido ao stress geológico, à muita radiação estelar, etc, eu vejo isso precisamente ao contrário: tanto o strress geológico como a maior radiação estelar poderá providenciar maiores fontes de energia, que, como sabemos, é o atributo essencial à radiações químicas que eventualmente poderão levar à vida.

        Da mesma forma pensa-se existir uma “Zona Habitável Galáctica”, sendo que se assume que perto do centro da galáxia, devido à existencia de mais estrelas e muita mais radiação, isso provoque a quebra de ligaçações químicas essenciais à vida. Não coloco em causa que muita radiação seja prejudicial à vida que conhecemos. Mas penso que se aprendemos alguma coisa com a vida, é que ela é muito resistente e encontra soluções criativas para avançar… de usar o que tem à disposição de forma ke seja vantajosa.

        abraços!

        P.S.: entretanto já lhe respondi ao e-mail 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.