Alexandria / Ágora

alexandria

Ágora (Alexandria) é um filme que conta a história da filósofa e professora Hipátia, que viveu em Alexandria, no Egito, entre os anos 360 e 415, sob o domínio romano.

O filme centra-se bastante na rivalidade entre ciência e religião.

Alexandria (custom)

Ágora é o nome grego dado ao local onde as pessoas se reuniam para discutirem vários assuntos, aprenderem, e participarem em espetáculos culturais.
Era um espaço de cidadania, um símbolo de democracia.

agora-alexandria-poster-2

Hipátia é professora de filosofia, matemática e astronomia na Escola de Alexandria, junto à Biblioteca de Alexandria.
Hipátia foi uma pessoa que tentou defender o conhecimento que vinha da antiguidade clássica, tentando prevenir a destruição da Biblioteca de Alexandria.

Enquanto as 3 fações religiosas (Cristianismo, Judeus, e Politeísmo) se gladiavam, Hipátia defendia a tolerância e paz entre todos, dizendo que existe mais que os unia do que dividia.

Hipátia era uma mulher diferente das mulheres da altura: apesar de ter vários pretendentes, ela não queria casar, mas sim dedicar-se somente à filosofia, matemática e astronomia. Ela queria dedicar-se à ciência, ao estudo da natureza.
O principal problema que ela quer resolver é o do movimento da Terra em redor do Sol (nota: ela quer resolver isto, mais de 1000 anos antes de Copérnico, Galileu e Newton).
Ela argumenta que o modelo geocentrico (defendido pelo Cristianismo) está errado.
Hipátia talvez tenha defendido órbitas elípticas ao redor do Sol… 1200 anos antes de Kepler fazer essa revolução no pensamento.

alexandria1

Alexandria foi o centro da cultura mundial durante quase 700 anos. A imponente e grandiosa Biblioteca de Alexandria continha praticamente todo o saber da Antiguidade.

Alexandria vive um período de guerras entre religiões: além do judaísmo e da cultura greco-romana (com numerosos deuses), Alexandria também inclui o cristianismo, que passou de religião intolerada para religião intolerante.
A propensão para religiões era normal: existiam muitas pessoas pobres e ignorantes, o que se torna um local propenso para facilmente se vender sonhos, mitos, magia, pseudo-ideias e religiões.

O Cristianismo gradualmente foi-se tornando a religião dominante e dominadora. Os Cristãos vão tomando o poder em diversos sectores. O líder cristão Cirilo passa a dominar a cidade e inicia uma campanha contra Hipátia e contra o conhecimento.
A Biblioteca foi destruída, porque “o conhecimento era perigoso”.
Hipátia consegue salvar alguns documentos, mas poucos.

Hipátia era mulher, por isso não poderia ter ou querer conhecimento; ela tinha que se submeter aos homens.
Neste tipo de ambiente, Hipátia é proibida de ensinar.

Como ela se recusou a converter ao Cristianismo, foi acusada de insubordinação, ateísmo e bruxaria (o que eram pecados contra a Bíblia). O julgamento foi uma farsa. A sentença foi o apedrejamento.
Hipátia foi arrastada pelas ruas da cidade, apedrejada e torturada. Cirilo e o resto dos cristãos fervorosos assassinaram Hipátia. Depois de morta, lançaram o seu corpo para uma fogueira.

agora_poster_1

Ágora (Alexandria) é um filme que nos conta um dos períodos mais negros e mais vergonhosos da Humanidade, na sua luta contra o conhecimento.

4 comentários

5 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Pessoal, eu fiz um vídeo sobre a filósofa em meu canal no Youtube, e chama-se “Hipátia de Alexandria, feminismo e liberdade de expressão”. Quem quiser, só entrar aqui e dar uma conferida: http://youtu.be/sWPQJpfUL0s

  2. Existe um certa polêmica sobre a destruição da Biblioteca da Alexandria, uns opinam que foi as tropas de Julio Cesar, outros que foram os cristãos em 391 e por ultimo, mas menos provável, que foram os árabes. Como gosto muito de História espero que este mistério seja resolvido um dia.

    1. Está-se a referir a alturas diferentes 😉

  3. Excelente filme…
    Curiosamente, todos sabem que a Biblioteca de Alexandria ardeu, mas poucos sabem porquê, e por quem…
    Se os autores do crime tivessem sido outros, tenho a certeza que toda a gente sabia…

    Abraços

  1. […] desses massacres culturais existiu quando a Biblioteca de Alexandria foi destruída por esses crentes fundamentalistas. E, neste momento na leitura, podemos estar a pensar que essas […]

  2. […] tinha proposto que a Terra girava sobre o seu eixo e orbitava o Sol. 5 séculos mais tarde, Hipátia tentou demonstrar o mesmo, com órbitas elípticas (e não circulares) e com experiências de […]

  3. […] menos, que a política compromete o desenvolvimento da ciência. Não é só a religião, como em Alexandria ou na chamada Idade das Trevas. Se o imperador Qin Shihuang não exterminasse o trabalho de Mo Tzu […]

  4. […] episódio começa com a Biblioteca de Alexandria. Com a sua destruição, o conhecimento humano sofreu um duro golpe. No entanto, a humanidade […]

  5. […] menos, que a política compromete o desenvolvimento da ciência. Não é só a religião, como em Alexandria ou na chamada Idade das Trevas. Se o imperador Qin Shihuang não exterminasse o trabalho de Mo Tzu […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.