ALMA confirma que cometas são fábricas de moléculas orgânicas

Localização aproximada do cometa ISON quando o ALMA o observou/analisou. Crédito: B. Saxton (NRAO / AUI / NSF); NASA / ESA Hubble; M. Cordiner, NASA, et al.

Localização aproximada do cometa ISON quando o ALMA o observou/analisou.
Crédito: B. Saxton (NRAO / AUI / NSF); NASA / ESA Hubble; M. Cordiner, NASA, et al.

Uma equipa internacional de cientistas utilizou o ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) para fazer incríveis imagens em 3D das parcas atmosferas que englobam os cometas ISON e Lemmon.

Isto foi feito analisando os espectros de alta-resolução de 3 três moléculas orgânicas: HCN, HNC e H2CO.

Localização aproximada do cometa Lemmon quando o ALMA o observou/analisou. Crédito: B. Saxton (NRAO / AUI / NSF); Gerald Rhemann; M. Cordiner, NASA, et al.

Localização aproximada do cometa Lemmon quando o ALMA o observou/analisou.
Crédito: B. Saxton (NRAO / AUI / NSF); Gerald Rhemann; M. Cordiner, NASA, et al.

Estas novas observações permitiram compreender melhor como os cometas produzem moléculas orgânicas, e como estas moléculas se distribuem dentro dos cometas.
Por exemplo, elas permitiram confirmar que as moléculas HNC e H2CO formam-se na coma (atmosfera) dos cometas.

Emissão de moléculas orgânicas na atmosfera de cometa ISON. Crédito: B. Saxton (NRAO / AUI / NSF); M. Cordiner, NASA, et al.

Emissão de moléculas orgânicas na atmosfera de cometa ISON.
Crédito: B. Saxton (NRAO / AUI / NSF); M. Cordiner, NASA, et al.

Michael Mumma, diretor do Centro Goddard de Astrobiologia, disse: “A compreensão da poeira orgânica é importante, porque estes materiais são mais resistentes à destruição durante a entrada na atmosfera, e alguns podem ter chegado intactos à superfície da Terra primitiva, fomentando o surgimento de vida.”

Emissão de moléculas orgânicas na atmosfera de cometa Lemmon. Crédito: B. Saxton (NRAO / AUI / NSF); M. Cordiner, NASA, et al.

Emissão de moléculas orgânicas na atmosfera de cometa Lemmon.
Crédito: B. Saxton (NRAO / AUI / NSF); M. Cordiner, NASA, et al.

Leia o artigo no NRAO (tradução).

3 comentários

1 ping

    • BetinhoFloripa on 18/08/2014 at 10:49
    • Responder

    Cometas, asteroides, etc… transporte público da vida…

    🙂

    • Graciete Virgínia Rietsch Monteiro Fernanbdes on 17/08/2014 at 12:47
    • Responder

    Eu não sabia mesmo nada de cometas!!!!!!!
    Um abraço e obrigada.

    • Paulo Figueira on 15/08/2014 at 21:16
    • Responder

    É fantástico viver numa época onde se descobre tanta coisa!

  1. […] aqui da Terra pelo Atacama Large Millimeter/submillimeter Array, o ALMA, localizado no Chile, (leia aqui) através do estudo de imagens das comas dos cometas C/2012 S1 e S/2012 F6, também conhecidos como […]

Responder a Graciete Virgínia Rietsch Monteiro Fernanbdes Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.