Laniakea – a nossa ENORME casa

1 8k2WpYpGWFHYWU1cs3804Q

Como sabem, a Terra pertence ao sistema solar. O sistema solar existe na Via Láctea, a nossa Galáxia. A Via Láctea pertence ao Grupo Local. Juntamente com outros grupos, o nosso Grupo Local pertence ao Aglomerado (de grupos de galáxias) da Virgem. E este nosso Aglomerado, pertence ao Super-Aglomerado Local (chamado assim, porque é a este que pertencemos).
Existem obviamente muitos Super-Aglomerados, que formam uma rede de filamentos no macro-Universo sendo separados por enormes vazios intergaláticos. A gravidade encarrega-se de criar estes filamentos e vazios.

 Crédito: SDvision interactive visualization software by DP at CEA/Saclay, France

Parte do Super-Aglomerado Laniakea. As cores representam diferentes densidades: vermelho para grande densidade e azul para espaços quase vazios. Os pontos brancos são galáxias individuais. O ponto azul é onde se encontra a nossa Via Láctea. As linhas brancas são fluxos de velocidade dos grupos de galáxias. A linha amarela/laranja delimita Laniakea; em cima temos o super-aglomerado da Coma, à direita está o super-aglomerado de Peixes-Perseu; à esquerda está o super-aglomerado Shapley.
Crédito: SDvision interactive visualization software by DP at CEA/Saclay, France

Agora, uma equipa internacional de astrónomos determinou pela primeira vez as dimensões do nosso Super-Aglomerado Local. E teve uma surpresa!
Os astrónomos, convertidos em cartógrafos cósmicos, definiram que o nosso Super-Aglomerado Local, agora denominado de Laniakea, é muito maior do que se pensava. O diâmetro deste nosso super-aglomerado é de cerca de 520 milhões de anos-luz. A sua composição deverá ser de mais de 100 mil galáxias. A sua massa é de cerca 100 milhões de bilhões (brasileiros) de sois (100 quatrilhões, no Brasil; 100 mil biliões, em Portugal) – para terem uma ideia, o número é este: 100.000.000.000.000.000 (conseguem imaginar este número de sois?)

static.squarespace.com_

E por incrível que pareça, estas estimativas podem até estar erradas por defeito. A realidade pode ser ainda maior que as nossas estimativas.
A nossa minúscula Via Láctea encontra-se na periferia deste super-aglomerado. Nem nestas escalas temos uma posição privilegiada… E vendo da periferia, podemos não conseguir ver bem o todo.
Além disso, quer o nosso super-aglomerado Laniakea quer o super-aglomerado Shapley estão a ser atraídos gravitacionalmente para “algo” a 650 milhões de anos-luz de distância. Isto obviamente faz-nos pensar que estas duas super-estruturas fazem ambas parte de uma super-super-estrutura que desconhecemos atualmente…

Crédito: SDvision interactive visualization software by DP at CEA/Saclay, France

Crédito: SDvision interactive visualization software by DP at CEA/Saclay, France

Este mesmo estudo sugere que o chamado Grande Atrator deverá ser um vale gravitacional, porventura central/principal no Laniakea, que deverá estar a atrair os aglomerados de galáxias que fazem parte deste super-aglomerado.

Laniakea traduz-se por “céu imenso”, no Hawaii. É uma palavra que homenageia os navegadores polinésios que utilizaram o conhecimento dos céus para viajarem pelo imenso Oceano Pacífico… como agora estamos a “navegar” indiretamente pelo imenso universo.

Se vos perguntarem onde moram, já sabem, respondam Laniakea. Esta é a nossa morada cósmica. 😉

Leiam aqui, aqui, aqui, aqui, e artigo científico.

Laniakea Supercluster Preview from Daniel Pomarède on Vimeo.

12 comentários

3 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Muito bem explicado para um assunto tão complexo para leigos curiosos como eu!

  2. Este tamanho na CUA (Classificação Unificada dos Astros) daria como resultado “Xo”
    seja não seria a última Sílaba que seria “Zu”

    A CUA foi pensada também para as novas descobertas

    Mais detalhes sobre a CUA aqui
    http://forum.intonses.com.br/viewtopic.php?f=77&t=287247

  3. Carlos, você é um excelente professor! Obrigada por suas explicações tão claras, tão simples… para assuntos tão complicados!

    Com um abraço estrelado,
    Janine Milward

    1. Obrigado pelo feedback Janine 🙂

  4. Olá, ver uma matéria sobre o nosso universo, me lembrou a teoria que o Boson de Higgs poderia causar o fim do universo em poucos segundos, na velocidade da luz e ninguém nem sequer perceberia. Poderia me explicar melhor isso?
    (Desculpa fugir do assunto da matéria)

    1. Olá,

      Isso não é uma teoria.
      Uma teoria é outra coisa:
      http://www.astropt.org/2013/07/14/lei-vs-teoria/

      Isso é puro sensacionalismo. Nada tem a ver com a realidade.
      Se os “jornalistas” (entre aspas) lessem o que os cientistas dizem, em vez de se andarem a copiar uns aos outros, esse tipo de matérias mentirosas não eram divulgadas.
      Hawking é claro ao dizer que um evento desse género é muito improvável (mais improvável do que as pessoas atravessarem paredes de cimento) e seria preciso um acelerador de partículas do tamanho planetário ou do sistema solar. NADA tem a ver com a nossa tecnologia atual ou de um futuro próximo. Não é nada que possamos sequer imaginar atualmente.

      Sobre o Bosão de Higgs tem todos estes artigos:
      http://www.astropt.org/tag/bosao-de-higgs/

      abraços

        • Jessica on 11/09/2014 at 13:53

        Obrigada por me responder. Porém ainda me resta uma dúvida.
        O que eu li foi:

        “O bóson de Higgs tem a característica preocupante de que pode tornar-se metaestável em energias acima de 100 bilhões de giga elétron-volts”, afirmou Hawking. “Isto pode significar que o universo pode sofrer deterioração catastrófica de vácuo, com uma bolha do verdadeiro vácuo se expandindo à velocidade da luz. Isso pode acontecer a qualquer momento e nós não podemos prever essa tragédia”.

        Então isso pode acontecer a qualquer momento sem ser necessário um acelerador de partículas?

      1. Jessica,

        Ainda hoje, ou talvez amanhã, irei escrever um artigo sobre isto. Penso que nesse artigo, responderei às suas perguntas 😉

        abraços!

        • Jessica on 11/09/2014 at 14:27

        Obrigada pela atenção.

        Seus artigos tem esclarecido muitas dúvidas minhas.

        abraço!

      2. Oi Jessica,

        Finalmente escrevi um artigo sobre isto:
        http://www.astropt.org/2014/09/19/bosao-de-higgs-vai-destruir-o-universo/

        abraços!

    • Flávio Silva on 06/09/2014 at 18:16
    • Responder

    Querem ver que ainda se vai descobrir que existem milhares de universos a orbitarem um mega-nucleo central?
    Laneakea ainda va dar numa galaxia.

    1. Laniakea não é uma galáxia 😉

      E tudo isto é dentro do nosso Universo (que é tudo) 😉

  1. […] Por exemplo, a nossa galáxia, a Via Láctea, se encontra no aglomerado conhecido como Grupo Local, e no super-aglomerado conhecido como Laniakea. […]

  2. […] Um dos artigos científicos relata a descoberta de cinco novos superenxames — enxames de enxames de galáxias — a juntar aqueles já conhecidos, tais como o nosso próprio superenxame, o Superenxame Laniakea. […]

  3. […] Curioso que a estrela está tão longe, que nem faz parte do nosso Super-Aglomerado Local chamado Laniakea. […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.