A Ciência e o filme Interestelar – os acertos e os erros

Interstellar-Movie-Image

O polêmico e inusitado filme Interestelar de Christopher Nolan representa uma inovação na ficção científica. Inquestionavelmente, podemos afirmar que é um dos melhores no gênero produzido nos últimos anos.

Caso você ainda não tenha assistido, não perca o filme. Embora bastante longo (169 minutos), a partir de certo ponto ao longo do filme você não mais sentirá o tempo passar, literalmente…

Alerta! Spoilers a frente!

Ressalto que abaixo há alguns pontos que mostram parte da história, no entanto, dada a complexidade da trama e a ciência embarcada no roteiro, não vejo maiores problemas em revelá-los, pois ajudarão a compreender melhor o desenvolvimento deste intrincado filme.

O filme conta com um elenco superestelar com atores famosos: Matthew McConaugheyAnne HathawayJessica ChastainBill Irwin (TARS), Michael Caine, John Lithgow, Matt Damon e Ellen Burstyn, entre outros. 

Como escreveu o físico Carlos Fiolhais no Publico.pt [ Interstellar: odeia, odeia a luz que começa a morrer  ]:

… é um dos grandes filmes do nosso tempo, um tempo dominado pela ciência mas ensombrado pelos riscos. Para além de estar muito bem realizado (talentosos actores e portentosas naves consumiram um orçamento equivalente ao Euromilhões), a obra de Nolan não é sobre o espaço interestelar mas sim sobre o homem, a parte do Universo que afinal mais nos interessa. É um hino à vida ao enfatizar a luta com a morte que o conhecimento científico permite.

O roteiro é complexo e difícil de sumarizar, então, vamos nos fixar em analisar os pontos positivos e os cenários controversos apresentados no drama. 

Interstellar

Destaques positivos e pontos notáveis 

Seguem a seguir alguns destaques do drama épico de ficção científica Interestelar: 

Nada de aliens: como rarissimamente se vê em ficção científica, em Interestelar não há aliens, monstros ou seres exóticos na história, só humanos. Vimos isso em Gravidade (2013) e Gattaca (1997). Outros exemplos são a série de TV Firefly (2002) e o filme subsequente Serenity (2005) onde a humanidade habita sistemas extrasolares. Os dois últimos, embora não tenham aliens na história, possuem monstros (humanos selvagens), chamados de Reavers. 

TARS em ação

Um dos robôs em ação

Fantásticos Robôs Inteligentes: Os robôs TARS e CASE são desenhados com uma forma geométrica inédita e desempenham papéis decisivos na história, em uma interessante abordagem. TARS e CASE são essenciais à trama e, de alguma forma, lembram o HAL de 2001 Uma Odisseia no Espaço. No entanto, diferentemente de HAL, TARS e CASE têm ótimo senso de humor e Inteligência Artificial altamente colaborativa. A participação dos robôs enriquece fortemente o roteiro. 

Espaçonave Endurance

Espaçonave Endurance

Ida realista a Saturno: Na primeira parte da viagem, o percurso da Endurance até Saturno tem uma duração realista (um tempo de 2 anos) considerando a tecnologia do futuro, 50 anos à frente. O voo aproveita um empurrão gravitacional ao passar por Marte, algo corriqueiro hoje no envio de sondas espaciais ao Sistema Solar Exterior. Por exemplo, a espaçonave robótica Cassini foi lançada em 1997 e levou 7 anos para chegar a Saturno, tendo passado duas vezes por Vênus, uma pela Terra e uma vez por Júpiter para ganhar velocidade pela assistência gravitacional. Embora o filme não diga explicitamente, pode-se especular se a Endurance foi acelerada por seus motores de plasma, durante a jornada até Saturno, para atingir uma velocidade média da ordem de 25 km/s (2 anos para percorrer ~10,5 Unidades Astronômicas) ou se o suporte gravitacional dado apenas pelo rasante em Marte foi suficiente para acelerar consideravelmente a nave, ou ambos. Como comparações temos a Voyager 1, lançada em 1976, a nave espacial mais distante da Terra hoje, que viaja atualmente a 17 km/s. A New Horizons partiu da Terra em 17 de janeiro de 2006 atingindo a velocidade de 16,26 km/s o que representa uma velocidade em relação ao Sol de mais de 45 km/s (a Terra viaja a 30 km/s então somamos a velocidade da Terra e da espaconave lançada). No entanto, o puxão gravitacional do Sol é tão poderoso que quando a New Horizons chegou a Júpiter em 28 de fevereiro de 2007 estava com apenas 19 km/s e ganhou um empurrão de +4 km/s partindo de Júpiter a 23 km/s em relação ao Sol. New Horizons cruzou a órbita de Saturno a 08 de junho de 2008, 2 anos e 5 meses após o lançamento. Assim, o tempo da New Horizons até à órbita de Saturno tem uma ordem de grandeza compatível com o da nave Endurance.

Arquitetura da Endurance: o desenho da espaçonave Endurance se destaca não só pela complexidade da adição de módulos funcionais como também pela simulação da gravidade artificial através da rotação. Veja o projeto no infográfico da Space.com, no final deste artigo.

Relatividade Geral de Einstein: o filme usa e abusa (!) dos conceitos da Teoria da Relatividade Geral. A ação da gravidade na dilatação no tempo é imprescindível para o desenrolar da história. Entender onde a dilatação temporal se aplica na história é fundamental para o entendimento dos eventos do filme. Veja o excelente diagrama abaixo (clique para a versão ampliada, para explorar):

'Timeline' de Interestelar

‘Timeline’ de Interestelar

Buraco Negro em Rotação (Kerr): o filme explora as características da métrica com um buraco negro em rotação (Buraco Negro de Kerr) e as diferenças em relação ao Buraco Negro estático de Schwarzchild com relação ao Horizonte de Eventos e sua função (hipotética) como wormholes (buracos de minhoca). O ‘timeline’ (linha do tempo – acima) do filme ilustra muito bem isso.

Exoplanetas: os três exoplanetas apresentados são realistas: um mundo oceânico (Miller), um mundo de gelo (Mann) e um mundo similar à Terra (Edmund). 

O desenho do Buraco Negro Gargantua é o mais realista já mostrado em algum filme de ficção científica até à data, elogiado e aclamado por todos.

O Buraco Negro supermassivo Gargantua

O Buraco Negro supermassivo Gargantua

Exotsunamis: a existência de ondas supergigantes no exoplaneta oceânico são assustadoras e pertinentes para um exoplaneta tão próximo de um objeto massivo como Gargantua. Trata de uma das sequências mais dramáticas do filme. Sensacional e imperdível! 

Mega Tsunami no mundo de Miller

Mega Tsunami no mundo de Miller

Cilindro de O’Neill: o habitat (Estação de Cooper) em larga escala construído perto de Saturno também é um ponto de destaque no filme. O habitat lembra o cilindro de O’Neill, um habitat espacial proposto pelo físico Gerard Kitchen O’Neill. Um cilindro de O’Neill consiste de dois cilindros bem grandes com rotações opostas, cada um com 8 km de diâmetro e 32 km de comprimento, conectados entre si. A rotação fornece a gravidade artificial nas superfícies internas enquanto o eixo central do habitat é uma região de gravidade zero com equipamentos para o lazer, unidades de produção especiais e laboratórios avançados.

http://eternosaprendizes.com/2009/09/05/infra-estruturas-espaciais-de-larga-escala/

Colônia Espacial – o cilindro de O’Neill – conceito usado em Interestelar.

Pontos controversos e/ou questionáveis

Embora o filme esteja repleto de inconsistências e cenários irreais, como era de se esperar pois é uma história de ficção científica, algumas das situações fora da realidade se sobressaem. Como a proposta do filme era a de tentar seguir a ciência sempre que possível, vamos analisar os problemas encontrados no desenvolvimento da trama. 

Vejamos a seguir: 

1. A história se arrasta demasiadamente no início tentando explicar a razão da ‘Terra estar morrendo’. Mesmo assim, a explicação sobre as causas (os cientistas citam pragas que ‘respiram nitrogênio’) é inconclusiva e não convence ninguém. O que está realmente acontecendo com a Terra é deixado muito vago na história. Esta imposição serve para gerar o senso de urgência para se ‘salvar a população do planeta’. 

http://en.wikipedia.org/wiki/Dust_Bowl

Tempestade de poeira castiga Spearman, Texas, EUA, em 14 de abril de 1935

Observa-se que a tragédia humana em Interestelar faz uma clara referência a um cenário real que aconteceu na década de 1930 por quase 10 anos, chamado de Dust Bowl (taça de pó). O desastre ecológico consistiu de série de tempestades de poeira que surgiram nos EUA e devastaram os residentes das Grandes Planícies (Great Plains), por causas humanas, durante a Grande Depressão, gerando uma onda de fome e miséria. Daí termos no filme os depoimentos autênticos em vídeo de sobreviventes daquela época.

2. O modo como o ex-piloto da NASA Cooper (Matthew McConaughey) entra em contato com os cientistas da missão na base da NASA é forçado demais, implausível. 

Visão da entrada do wormhole (Buraco de Minhoca). Onde está o Buraco Branco?

Visão da entrada do wormhole (Buraco de Minhoca). Onde está o Buraco Branco?

3. O Buraco de Minhoca próximo da órbita de Saturno, onde a Endurance entra, está mal explicado, onde está o ‘buraco branco’ associado a esta anomalia gravitacional? No filme se vê uma pequena anomalia que a Endurance deve se aproximar para viajar para outra galáxia… 

A Endurance entrando no wormhole (Buraco de Minhoca), um lugar tranquilo demais...

A Endurance entrando no wormhole (Buraco de Minhoca), um lugar tranquilo demais…

4. Ao sair do Buraco de Minhoca a espaçonave Endurance chega em uma posição relativamente distante do Buraco Negro Gargantua. Se Gargantua gerou o buraco de minhoca, a Endurance deveria sair perto do Buraco Negro, na região do Horizonte de Eventos e não tão longe deste, um furo de continuidade… 

5. O filme simplesmente desconsidera a radiação extremamente perigosa (Raios-X, principalmente) emitida pela matéria em acreção no Buraco Negro Gartantua. A nave Endurance não tem mecanismos de proteção contra radiação de alta energia para os astronautas. Inclusive, para piorar, o astronauta Romilly fala do seu medo pela falta de proteção da nave, em um dos diálogos do filme. 

6. O filme também despreza a matéria espiralando em volta do Buraco Negro. Quando a nave se aproxima de Gargantua o choque com a matéria do disco em volta do Buraco Negro seria inevitável. O filme desconsidera isso. 

7. Embora o desenho do buraco negro supermassivo Gargantua (100.000.000 de vezes a massa do Sol) seja muito bem elaborado e inédito em filmes, nota-se a falta dos jatos polares (ver abaixo a ilustração) com a matéria ejetada pelos campos magnéticos gerados pelo plasma em rotação no Buraco Negro. Também não se observam interferências entre o violento campo magnético que deveria estar lá atuando e o equipamento elétrico e eletrônico da nave Endurance.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/38/Artist's_rendering_ULAS_J1120%2B0641.jpg

Ilustração do buraco negro supermassivo ULAS J1120+0641, um quasar distante muito brilhante, situado a 13 bilhões de anos-luz, um objeto de quando o Universo ainda era jovem (770 milhões de anos de idade). Repare no violento jato polar de plasma a partir de um dos polos do buraco negro. Estes jatos são comuns em buracos negros, mas, Gargantua não mostra isso…

8. Exoplanetas habitáveis sem luz estelar? Entende-se que a luz que ilumina os três exoplanetas não vem de uma (ou mais) estrela(s) hospedeira(s), mas sim da matéria em acreção de Gargantua. Como já disse acima, a radiação emitida pela matéria em acreção de um buraco negro é extremamente perigosa. Mundos orbitando buracos negros seriam violentamente inóspitos. Não deveriam ser alvos de quaisquer missão exploratória. São mundos sem sóis para alimentá-los… O filme bem poderia agregar uma ou mais estrelas ao Sistema Gargantua sem prejuízo algum ao modelo, fornecendo a energia necessária para iluminar e aquecer os exoplanetas.

9. Os mega tsunamis no mundo de Miller, embora tenham sido uma ótima ideia para apresentar a influência das marés nesse exoplaneta oceânico, sem dúvidas impressionantes, não estão bem modelados: o comprimento das ondas é curto demais para a altura das mesmas. O formato visa aumentar o dramatismo, sacrificando a realidade. O efeito é sensacional, mas irreal. Tsunamis são ondas de largo comprimento, como vemos aqui na Terra.

Um mundo que não deveria estar lá…

10. Aliás, o mundo de Miller é um lugar impossível no Cosmos. Um exoplaneta onde a gravidade é tão poderosa que faz o tempo se dilatar por um fator de 61.000 vezes jamais poderia existir. Qualquer objeto planetário tão próximo de um Buraco Negro seria reduzido a pó pela força das marés gravitacionais [leia sobre o Limite de Roche]. 

11. Paradoxo temporal e o roteiro da história: a ida ao mundo de Miller serve basicamente para que os heróis (Cooper e Amelia) sofram a primeira dilatação temporal (3,4 horas na missão versus ~23 anos na Terra), permitindo a história paralela na Terra evoluir e dar tempo para a Murphy tornar-se uma competente cientista.

Interestelar: cena com Murphy (Jessica Chastain) estudando as equações do Dr. Brand.

Interestelar: cena com Murphy (Jessica Chastain) estudando as equações do Dr. Brand.

12. A ida ao primeiro mundo (Miller) é uma decisão altamente absurda da equipa da missão se considerarmos esse exoplaneta oceânico como opção de futuro habitat terrestre, por causa da proximidade do Buraco Negro (radiação, gravidade, marés, etc) e principalmente pela própria dilatação do tempo em si. Se a missão está ‘correndo contra o tempo’ por que se preocupar em visitar um mundo em que uma hora por lá corresponde a sete anos na Terra? Além disso há o problema da limitação do combustível, somado à mentira dos dados forjados enviados por Mann, acenando que o mundo dele é uma excelente escolha. Considerando isso, o mundo de Mann deveria ter sido o primeiro a ser visitado, no entanto, esta opção não se encaixaria no encadeamento de toda a trama subsequente que está toda interligada (ver timeline).

13. No exoplaneta gelado de Mann se vê estruturas congeladas na altura das nuvens, a espaçonave Ranger até se choca de raspão com uma delas. Embora impressionantes visualmente, tais estruturas de gelo nas alturas não são realistas. Veja na parte de cima da imagem abaixo.

O poster de Interestelar mostra as estruturas congeladas na atmosfera do mundo de Mann.

O poster de Interestelar mostra as estruturas congeladas na atmosfera do mundo de Mann.

14. Ao final do filme encontramos o habitat espacial construído perto do Buraco de Minhoca, em Saturno, provavelmente prevendo uma migração da humanidade através do Buraco de Minhoca. O ponto é que se a humanidade consegue construir um habitat tão sofisticado, qual a razão em si de deixarmos o Sistema Solar? Outro ponto gritante é a luz solar iluminando o habitat. Sabemos que a luz solar é muito fraca por lá, onde há temperaturas da ordem de -179 graus Celsius (em Titã). Habitats espaciais devem ser construídos na altura da órbita terrestre e não tão distantes do Sol, para ter temperaturas amenas similares a da superfície do nosso planeta. 

15. Outro ponto controverso é o próprio título do filme em si inter estelar (separei propositalmente). O Sistema Gargantua não possui estrelas (bem que poderia tê-las, como falei no item 8). Então, o filme não trata propriamente de uma viagem entre sistemas estelares, mas sim da aventura humana com atitudes de extrema bravura, colaboração, perseverança e sobretudo amor.

Dr. Neil deGrasse Tyson levantou alguns pontos, com seu conhecido bom humor e pitadas de ironia, os quais ele chamou de “Mistérios de Interestelar”:

16. Se você pode navegar dentro do Tesseract e tocar em alguns livros, por que simplesmente não escreve uma nota e passa através dele? [Cooper, interagindo dentro do Tesseract]

17. A estrelas [no Universo] superam enormemente em número a quantidade de buracos negros. Então, por que o melhor planeta tipo-Terra é justamente o que orbita um buraco negro? [exobiologia]

18. Quem, no Universo, seria capaz de saber os títulos de seus livros, tocando-os por trás, em uma estante de livros? [Cooper, interagindo dentro do Tesseract]

19. Como um utilitário pode ser dirigido com um pneu furado e vazio sobre uma densa plantação de milho, mais altas que o próprio veículo? [Cooper, perseguindo o drone indiano]

20. Se existem buracos de minhoca (wormholes) entre os planetas, não poderia abrir um deles perto da Terra ao invés de Saturno?

21. Marte (logo ali ao lado de nós) parece um lugar muito mais seguro que os novos planetas os astronautas de Interestelar visitaram…

22. Se você tem seu capacete rachado e mesmo assim continua lutando, o ar do planeta não deve ser tão ruim para você. [Cooper, lutando contra Mann no planeta gelado]

23. Não consigo imaginar um futuro onde escapar da Terra através de um buraco de minhoca seja um plano melhor que simplesmente consertar a Terra.

24. Neste futuro irreal, se ensinam coisas ‘não científicas‘ em classe de ciência… Oops, espere… isso é real hoje…

Há diversos outros pontos questionáveis ao longo do filme, mas deixamos o leitor descobrir por si, a partir das nossas pistas acima. 

Como terminar uma história que começou tão bem?

Para que o enredo tenha um final ao estilo de Hollywood e a família de Cooper se reúna novamente, os autores apelaram fortemente para a ficção… 

A seguir aos episódios dramáticos no mundo gelado de Mann (Matt Damon), o filme toma um rumo onde a lógica racional deixa de funcionar. O filme torna-se pura ficção científica e deixa totalmente de lado a realidade da Natureza, com a viagem pela quinta dimensão no Tesseract e a volta de Cooper e TARS através do buraco de minhoca para o Sistema Solar passando pelo Buraco Negro em rotação de Kerr. 

Não considero isso um problema nem mesmo um ponto questionável para o filme. Afinal, a história tinha que fechar, chegar ao fim. 

Interestelar 2 ?

Embora Nolan tenha afirmado que não pretende filmar uma continuação, o final deixa bem claro que isso é plenamente possível. Cooper parte em viagem pelo buraco de minhoca para se encontrar com Amelia no mundo de Edmund. O filme deixa isso em aberto, como um convite ao desenvolvimento de uma ou mais sequências interessantes. Vamos torcer para que isso aconteça.

Algumas questões que ficaram em aberto, sem resposta 

O que originou o Tesseract (mecanismo de viagem na quinta dimensão) que Cooper usa para interagir com sua filha? 

Porque a anomalia gravitacional (buraco de minhoca) surgiu justamente perto de Saturno em nosso Sistema Solar? 

Como o mundo habitável de Edmund obteve seu oxigênio? Amelia, no final do filme, aparece respirando sem capacete. Há vida por lá, como a conhecemos, gerando o oxigênio necessário para a respiração livre? 

Como os astronautas sobreviveram às radiações perigosas (raios-X e ultravioleta) emanadas pela matéria em acreção no Buraco Negro Gargantua? 

Conclusão

Trata-se de um filme de trama complexa, difícil de compreender se o assistirmos uma só vez. Tanto é que nos EUA a AMC criou o ‘ingresso ilimitado’ que permite ao espectador ver Interestelar tantas vezes quanto desejar por 35 dólares! Se você ainda não o viu, sugerimos que estude com calma o diagrama temporal do filme e leia mais sobre o mesmo, para aproveitar melhor o entretenimento.

Referências para leitura complementar

Interestellar Timeline

Publico.pt: Interstellar: odeia, odeia a luz que começa a morrer

Phil Plait: Interstellar Science – What the movie gets wrong and really wrong about black holes, relativity, plot, and dialogue.

Neil De Grasse Tyson comenta sobre Interestelar

Huffington Post: The Parts Of ‘Interstellar’ Even Neil deGrasse Tyson Didn’t Understand

Space.com: The spaceships of Interestellar explained (infographic) [ ver abaixo ]

._._.

http://www.space.com/27694-interstellar-movie-spaceships-infographic.html

Arquitetura da espaçonave Endurande e seus módulos, com destaque para a nave Ranger e o módulo de pouso (Lander).

77 comentários

8 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Fiquei com uma duvida: ao final do filme há alguma informação concreta se a Terra continua existindo ? Falou-se bastante da estaçao que está orbitando Saturno e também da outra estaçao que a Dra Cooper veio para encontrar o pai, mas e a Terra naquele período foi extinta ?

  2. Muito bom o filme Interestelar, eu ainda não tinha assistido vlw pela dicas gostei bastante.

    • Raphael Marcon on 01/07/2018 at 15:07
    • Responder

    Uma dúvida ao assistir o filme pela 2a vez recentemente… se Cooper luta para tentar persuadir a filha a não deixá-lo partir, quem foi que passou para ela as coordenadas da base secreta da NASA, o que originou toda a trama?

    1. Cooper pediu a Tars que mandasse as coordenadas da Nasa (em binário), assim mexendo com a poeira vindo da janela ele meio que escreveu as coordenadas em binário.

    • Vander Wilson on 01/06/2018 at 14:03
    • Responder

    Um dos filmes mais legal que vi na minha vida daqui a 100 anos pela frente rs

    • Agnaldo Roberto de Sousa on 31/01/2017 at 17:27
    • Responder

    quantos p astronauta passou no espaço? quantos anos tinha a sua filha quando ele voltou?

    • Vitor Henrique on 18/11/2016 at 13:55
    • Responder

    1 Observe a imagem abaixo e responda:

    Qual é o nome da Lei que Tom cita nesta cena? Baseado no filme, disserte sobre como esta lei funciona?

    2 Observe a imagem a imagem abaixo e responda:

    Murphy Cooper cite o fato de fantasmas estarem tentando se comunicar com ela. Eram realmente fantasmas? O que Cooper (pai dela) falou a respeito disso? O que ele descobriu?

    3 Após descobrir com a sua filha Murph uma estação secreta da NASA, Cooper (antes um astronauta e agora um viúvo enclausurado em uma vida no campo, é convocado para liderar uma expedição espacial em busca de um planeta que possa ser habitado pelos humanos. Murphy Cooper desvenda o código em seu caderno chamado Código Morse, é um sistema binário de representação à distância de números, letras e sinais gráficos, utilizando-se de sons curtos e longos, além de pontos e traços para transmitir mensagens. O que a mensagem Morse dizia?

    4 Como Cooper, Brand, Doyle e Romilly – além de um robô com o pior design do cinema chamado TARS fizeram para chegar até o Planeta de Miller? O que encontraram quando chegaram lá?

    5 Segundo Romilly e Doyle, o Planeta de Miller fica próximo a Gargântua (buraco negro), esse buraco negro tem uma grande força gravitacional, a gravidade no Planeta de Miller, segundo Brand, iria desacelerar o relógio drasticamente. Explique o que Romilly falou sobre o tempo gasto no referido Planeta de Miller e aqui na Terra.

    6 Após um acidente no percurso Cooper questiona com a Dra. Brand a possibilidade de pularem dentro de um buraco negro e recuperarem alguns anos perdidos. Ela explica como funciona o tempo e a gravidade. Diante disso, disserte sobre a teoria que a Dra. Brand explica para Cooper. Quantos anos eles perderam no Planeta de Miller?

    7 O que o Dr. Brand revelou a Murphy Cooper antes de morrer?

    8 Para qual Planeta Cooper, Brand e Romilly se descolaram? Quem eles encontraram lá? Como era esse Planeta? o que foi explicado sobre o referido Planeta?

    9 O que aconteceu com Cooper quando ele desacoplou da nave espacial e caiu dentro do buraco negro Gargântua? Onde ele ficou preso? Disserte sobre o ocorrido, mediante o filme.

    10 Como Cooper conseguiu mandar uma mensagem para sua filha? O que aconteceu? Como ela conseguiu solucionar os problemas apresentados? Como Cooper conseguiu voltar para casa? Qual era a idade dele e de sua filha (Murphy Cooper)? O que ela criou? Diante das perguntas acima, organize as ideias e faça uma dissertação sobre o assunto

    por favor, me responda essas perguntas ate dia 20/11

    1. Interessante, você quer que façamos o seu trabalho? Veja o filme novamente e faça você mesmo a dissertação.

      Além disso, faça uma pergunta de cada vez e não 10 de uma vez, caso tenha efetivamente alguma dúvida. Mas, pense antes de perguntar.

      \o/

  3. Ricardo!!
    Obrigado pelo seu belo post!!!
    É tão interessante quanto o filme.
    Parabens!!!

    1. Obrigado André!

  4. Alguém explicou como o Romilly ficou 23 anos esperando por eles fora da Terra? Sem comida e sem água?

    1. Ficou em hibernação… é o que dá para entender, mas sua pergunta é pertinente.

  5. Acabei de ver o filme e achei bem interessante, sou estudante de geologia e amante da fisica quântica e da astrofísica. Com certeza preciso assistir mais vezes para entender melhor o filme mas as suas explanações já me trouxeram bastante luz. Obrigado, caminhe na paz e entre os anjos.

  6. Assisto esse filme toda vez que percebo que está passando na HBO…
    E sempre gosto de visitar Blogs, explicando sobre o filme. Mas esse seu blog lavou a alma. Parabéns…!!!!!

  7. Nunca vi um post tão bem exemplificado sobre o filme x ciência real como este. Parabéns

  8. Achei um ótimo filme, já vi umas 5 vezes. Como já foi dito, não é um documentário … é um filme de ficção e que agregou muitas verdades conhecidas pela ciência atual. O fato de existir “ELES” pra mim é uma clara referência aos estudos das possíveis dimensões existentes e teorizadas atualmente. Pressupõe-se que poderiam coexistir em dimensões diferentes, diferentes versões das mesmas pessoas … a coisa é louca mas parece que brincaram um pouco com essas teorias.
    Sei que todos estão discutindo alguns defeitos e situações improváveis na vida real mas lembrem-se que esse filme foi muito bem assessorado e foram consultados muitos cientistas de renome. Dado a criação de muitas situações já aceitas pelos cientistas. Excelente filme.

  9. Ola tenho uma divida, no tópico 14 diz que a colonia foi construída perto de Saturno, bom em que momento no filme é dito isso?,
    No meu entender a colonia foi construída na terra ou ira ser construída, por isso precisou que Cooper adentrasse ao Gargantua para colher informações sobre gravidade e transmitir para Murphi.

  10. Filme ótimo adorei..
    Alguém sabe me dizer se é real a parte que eles fica uma hora n planeta que n terra e de sete anos…
    Será que já saiu o filme 2

    1. Sim, isso é ciência: Relatividade de Einstein.

      Leia este artigo:
      http://www.astropt.org/2009/01/31/teoria-da-relatividade-dilatacao-do-tempo/

      abraços

  11. Li todo o post e alguns comentários.

    Me surgiu a seguinte dúvida: como o Cooper e o TARS atravessam o interior do buraco negro sem que ambos tenham sido completamente aniquilados? É possível alguém entrar no horizonte de eventos e sair vivo do outro lado?

    1. A resposta mais simples é: porque é filme 😉

      Na verdade, o buraco negro teria que ser estabilizado (com matéria exótica), e a nave teria que ser feita também de materiais exóticos.
      O que quer dizer exótico? Quer dizer que neste momento não sabemos o que é nem conseguimos conceber o que seria 😉

      abraços!

  12. Olá,

    Há ali algo no filme que me faz mesmo muita confusão 😀 zóoinggg! Que é o tempo do envio da msg das coordenadas da NASA. Como se explica? O pai não pode estar em dois sítios/ duas realidades exactamente ao mesmo tempo ou pode? Não pode…:/

    1. Se você estiver numa dimensão superior ao tempo, então pode ver as pessoas em vários locais diferentes ao mesmo tempo. Porque você está “acima” do tempo 😉

        • Teresa on 11/12/2015 at 13:03

        Não dá para imaginar…:)

  13. Outro tipo de dúvida:

    O que aconteceria se os astronautas que desceram ao planeta levassem uma corda e deixassem a ponta nas mãos do astronauta que ficou? Quando o astronauta que ficou puxasse a corda, os astronautas não deveriam sentir o “puxão” instantaneamente? E se eles levassem um walkie tokie e ficassem conversando enquanto a operação durasse? O que seria ouvido pelo astronauta que ficou? Digamos que os astronautas que desceram ao planeta contassem sem parar, cada segundo, tipo “1, 2, 3, 4, 5…….”, não consigo entender como faria sentido, pois essa contagem deveria ser ouvida em tempo real pelo astronauta que ficou, e assim o efeito de tempo sentido deveria ser o mesmo, de ida e volta, e não diferente para um e outro.

    1. O puxão, nem na Terra é sentido instantaneamente 😉

      A falarem por rádio, a voz pareceria muito looooooooooooooooooooooonnnnnnnnnnnnnnnnngggggggggggggggaaaaaaaaaaaaaaaaaaa 😉

        • Filipe on 26/08/2015 at 22:22

        Ja que eles estavam relativamente perto (estacao do planeta), vamos supor, uns 10 mil km, quando o astronauta do planeta fala pelo walkie talkie, o sinal de radio frequencia viaja na velocidade da luz e percorre os 10 mil km em questoes de milisegundos ate a estacao. Nesse caso, a voz nao devia ser fidedigna?

      1. Além do tempo que demora a viajar a C, a “voz” iria ser “estendida”…

        Daí eu ter colocado o “looooooooooooooooooooooooooooonnnnnnnnnnnnnnnnggggggggggggaaaaaaaaaaaaaa”.

        Dizer “blog” no planeta demora 1 segundo.
        Na nave seria “ouvido”: bbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllooooooooooooooooooooooogggggggggggggggggggg … essa palavra demoraria 1 ano a ser ouvida 😉

  14. Tenho uma dúvida para os físicos de plantão.

    No filme foi mostrado que a gravidade do planeta era de tal forma que dilatou o tempo, de modo que os astronautas que desceram ao planeta passaram poucas horas, mas quando retornaram para a estação a qual um outro astronauta os esperava, para este que esperava o tempo passou muito mais lento (salvo engano 30 anos).

    Considerando que isso seja realmente um efeito explicado pela física, ou seja, que a gravidade pode dilatar o tempo de tal forma, e considerando que:

    1. O astronauta que ficou na base instalasse uma câmera nos que foram ao planeta, antes de partirem
    2. O astronauta instalou um monitor que recebe as imagens da câmera por radio frequencia

    O que o astronauta que ficou na base assistiria, e por quanto tempo?

    Digamos que ele tenha esperado 30 anos, e que para os que foram, o tempo passou apenas 8 horas.

    Durante as primeiras 8 horas, o que o astronauta que ficou estaria assistindo? E o que estaria assistindo após as 8 horas, ou seja, durante os 30 anos?

    1. Sim, isso é um efeito explicado pela física 😉

      Leia este artigo:
      http://www.astropt.org/2009/01/31/teoria-da-relatividade-dilatacao-do-tempo/

      abraços

    • Felipe Santos on 14/08/2015 at 05:40
    • Responder

    Eu sou amante de ficção , gostei muito sobre a explanação do filme , claro o filme tem alguns “furinhos” mas , vamos ser sincero , o filme ficou muito bom , aliás a trilha sonora é impecável !

    • Juliano Dantas on 01/08/2015 at 20:34
    • Responder

    Quando vão visitar o planeta do Miller é dito que ficar 1 hora em sua superfície equivalem a 7 anos na Terra… isso é causado pelo efeito da diltação temporal pela gravidade devido a proximidade ao buraco negro? Na teoria, é possível ocorrer algo assim (algumas horar equivaler a anos na Terra) ?
    E me corrijam se eu estiver errado, mas essa regra também se aplicou a Endurance, ou estou errado? Quero dizer, para quem estava na Endurance se passaram 27 anos?

    1. Sim, esse é o fenómeno da Dilatação do Tempo, previsto por Einstein e já comprovado por várias vezes 😉
      http://www.astropt.org/2009/01/31/teoria-da-relatividade-dilatacao-do-tempo/

  1. […] que está ao nível de um Gravidade e Interstellar. Mas está abaixo do Relatório Europa. Só para referir os filmes mais […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.