Nuvem molecular Barnard 68 – APOD

barnard68v2_vlt_960

Créditos da imagem: FORS Team, 8.2-meter VLT Antu, ESO.

Para onde foram as estrelas? O que costumava ser considerado um buraco no céu agora é conhecido pelos astrônomos como uma nuvem molecular escura. Aqui, uma alta concentração de poeira e gás molecular absorvem praticamente toda a luz visível emitida pelas estrelas de fundo. Os arredores assustadoramente escuros ajudam a tornar os interiores das nuvens moleculares alguns dos lugares mais frios e mais isolados no Universo.

Uma das mais notáveis destas nebulosas escuras de absorção é uma nuvem em direção à constelação do Ofiúco (em latim: Ophiuchus) conhecida como Barnard 68, vista na imagem acima. Como não há estrelas visíveis no centro, isso indica que Barnard 68 está relativamente próxima, com as medidas colocando-a a cerca de 500 anos-luz de distância e tendo metade de um ano-luz de extensão.

Não se sabe exatamente como nuvens moleculares como Barnard 68 se formam, mas sabe-se que essas nuvens são lugares prováveis para a formação de novas estrelas. Na verdade, a própria Barnard 68 foi considerada susceptível para entrar em colapso e formar um novo sistema estelar. É possível olhar diretamente através da nuvem em luz infravermelha.

2 comentários

  1. Sensacional o trabalho de vocês.
    muito bem feito.
    Se for possível deixar uma sugestão ( ao mesmo tempo ma pergunta) vocês poderia falar sobre nuvens moleculares n região de Rho-Ophiucos? Uma visão geral de cada uma e suas coordenadas galáticas
    Um abraço a todo equipe astropt.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.