Google+

«

»

Jan 27

O campo magnético da nossa Galáxia pelo satélite Planck – APOD

GalacticMagneticField_planck_960

Créditos da imagem e Copyright: ESA/Planck; Agradecimentos a: M.-A. Miville-Deschênes, CNRS – IAS, U. Paris-XI.

O que parece o campo magnético da nossa Galáxia? Há muito se sabe que um campo magnético modesto permeia nossa Via Láctea, porque é visto a alinhar pequenos grãos de poeira que dispersam a luz de fundo. No entanto, só recentemente é que o satélite Planck, orbitando a Terra, fez um mapa de alta resolução deste campo.

Codificado em cores, o mapa com de 30 graus de largura confirma, entre outras coisas, que o magnetismo interestelar da Galáxia é mais forte no disco central. A rotação do gás carregado em torno do centro galático cria este magnetismo, e a hipótese é de que, se visto a partir de cima, o campo magnético da Via Láctea apareceria como uma espiral girando para fora a partir do centro.

O que causou muitos dos detalhes neste e em mapas similares do Planck – e como o magnetismo, em geral, afetou a evolução da nossa Galáxia – provavelmente permanecerá como tema de pesquisa para os próximos anos.

Acerca do autor(a)

Joaquim Farias

Joaquim Farias nasceu e vive em Uruoca, Ceará, Brasil.
É estudante de licenciatura em matemática e professor.
Futuramente será graduado em Astronomia, com especial atenção à Astronomia extragaláctica. Também é divulgador científico em páginas do Facebook (Espaço Astronômico e projeto Ciência e Astronomia) e muito fã da série Cosmos: uma viagem pessoal e, claro, de Carl Sagan.

1 comentário

  1. luis fernando duarte

    perfect

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>