A morte silenciosa da Venus Express

aerotravagem_Venus_Express_rep_artRepresentação artística da sonda Venus Express durante as manobras de aerotravagem realizadas em junho e julho de 2014 na alta atmosfera de Vénus.
Crédito: ESA–C. Carreau.

A ESA declarou em dezembro passado o fim da missão Venus Express, depois da sonda ter esgotado o seu propelente durante uma série de manobras destinadas a elevar a sua órbita em redor de Vénus. Lançada a 09 de novembro de 2005, a sonda europeia entrou na órbita do planeta a 11 de abril de 2006, para uma missão originalmente concebida para durar 500 dias. Relativamente discreta, a missão acabou por acumular um conjunto impressionante de dados acerca de Vénus e da sua atmosfera, o que levou a ESA a financiar um total de três extensões à missão original.

No entanto, o fim era inevitável. Após 8 anos e mais de 3000 órbitas em redor de Vénus, o nível de propelente tornou-se demasiado baixo para que a Venus Express pudesse realizar de forma rotineira as manobras necessárias para se manter a uma distância relativamente segura da atmosfera venusiana.

Entre maio e junho de 2014, a equipa da missão programou a sonda para descer gradualmente a periapside da sua órbita a uma altitude de apenas 130 a 135 km. Esta manobra conduziu a Venus Express até às camadas mais exteriores da atmosfera de Vénus, o que deu aos cientistas da missão a oportunidade de testarem diferentes técnicas de aerotravagem.

No final de julho, a sonda concluiu com sucesso uma nova série de manobras que colocaram a periapside de volta a uma altitude de 460 km. Contudo, a sua órbita continuou a decair, e quando, no final de novembro, o propelente se esgotou finalmente numa última série de manobras, a sonda entrou em modo de segurança, levando a ESA a dar por concluída a missão.

Desde então, a Venus Express apenas conseguiu estabelecer um contato intermitente com a Terra. O último sinal de rádio foi detetado a 18 de janeiro, no momento em que a sonda viajava numa órbita com uma periapside a uma altitude de aproximadamente 120 km – o limiar da mesosfera venusiana. De acordo com as previsões dos cientistas da missão, a Venus Express deverá ter mergulhado na atmosfera de Vénus pela última vez durante a última semana de janeiro ou nos primeiros dias de fevereiro, sucumbindo silenciosamente ao gradual aumento da temperatura e da pressão em seu redor.

1 comentário

  1. K.I.A.!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.