Parabéns Darwin!

darwin_day

Charles Darwin nasceu a 12 de Fevereiro de 1809 em Inglaterra faria hoje 206 anos se fosse vivo. Ficou conhecido pelo livro “A Origem das Espécies” onde relatou a sua teoria da evolução que se tornou na explicação científica dominante para a diversidade de espécies na natureza.

happybirthdaydarwin

2 comentários

    • Samuel Junior on 13/02/2015 at 18:03
    • Responder

    Darwin e outros cientistas serão conhecidos e reconhecidos enquanto a humanidade existir por ter desenvolvido uma das melhores teorias científicas mais bem construídas e embasadas de toda a história humana. Parabéns a eles e aos criacionistas o que resta é choro. rsrs

    • Dinis Ribeiro on 13/02/2015 at 00:02
    • Responder

    Sempre gostei muito das aventuras a bordo do Beagle e do trabalho científico de Darwin…

    O meu primeiro contacto foi quando li um livro em 1971 que se entitulava “Com Darwin na América do Sul” que é uma tradução de “We were there with Charles Darwin on the HMS Beagle” de 1961 escrito por Philip Eisenberg com Ilustrações de H.B.Vestal

    Na minha mente, ainda penso nele como uma pessoa com algumas semelhanças com personagem mítica do “Indiana Jones”, talvez por causa deste primeiro livro que li sobre ele.

    http://www.amazon.com/Charles-Darwin-H-M-S-Beagle-Eisenberg/dp/B0033RRY88/ref=la_B00IPG778E_1_2/176-9951161-4733161?s=books&ie=UTF8&qid=1423770786&sr=1-2

    The “We Were There” series took young readers along historical experiences by adding a youthful, fictional character who could experience real events. In this book a boy named “Dick Covington” is created to play the role of cabin boy on the H.M.S. Beagle during its famous journey of discovery with Charles Darwin aboard.

    I loved this book as a kid, not so much for the scientific stuff, which I came to appreciate later, but because it was an imaginative adventure.

    Colecção: http://en.wikipedia.org/wiki/We_Were_There

    Um outro filme recente que aborda “tangencialmente” o tema da viagem de um “naturalista” até ás Galápagos é este:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Master_and_Commander:_The_Far_Side_of_the_World / http://pt.wikipedia.org/wiki/Master_and_Commander

    Neste filme de “batalhas navais”, além das alusões ao trabalho de Darwin e dos outros naturalistas, há também uma mensagem sobre a lenda do azar que vem da acção de matar um Albatroz que (para mim) é um símbolo da liberdade, e que faz parte desta obra que é suposta fazer-nos pensar um pouco sobre questões éticas: http://en.wikipedia.org/wiki/The_Rime_of_the_Ancient_Mariner / http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Rime_of_the_Ancient_Mariner

    Esta situação em que a investigação científica ocorre no meio de um campo de batalha (naval, no caso deste filme com os veleiros nas Ilhas Galápagos) é algo que me lembra que os filmes sobre a arquelogia do Indiana Jones também decorrem nalguns casos durante a segunda guerra mundial.

    Lembrei-me duma cena em que ele tem um livro de notas/apontamentos ( http://en.wikipedia.org/wiki/Inventor%27s_notebook / http://en.wikipedia.org/wiki/Grey_literature ) e que tem também uma sequência durante uma tempestade num navio da marinha mercante em frente á costa de Portugal: http://pt.wikipedia.org/wiki/Indiana_Jones_and_the_Last_Crusade.

    Ora esse livro de apontamentos que está na posse do Indiana Jones, recebe um autógrafo em Berlim, dum modo semelhante ao que uma outra personagem também coloca um autógrafo (acidentalmente) no trabalho dum cientista neste filme: http://en.wikipedia.org/wiki/The_Core / http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Core

    No filme “A última cruzada” no âmbito da irónica cena do autógrafo acidental, pode-se ver livros a serem queimados… o que me leva a recordar alguns aspectos ligados a um fenómeno sociológico (pseudo-científico) particularmente sinistro.

    Quais os perigos da pseudo ciência?

    O número de mortes que aumentam desnecessáriamente por causa das pessoas que não “acreditam” nas vacinas, é um exemplo bem nítido.

    Mas há muitos outros casos, que podem ser mais muito mais destrutivos e até mesmo mortíferos:

    Sugestões:

    How the pseudoscience of Social Darwinism nearly destroyed humanity
    http://www.technology.org/2013/09/23/pseudoscience-social-darwinism-nearly-destroyed-humanity/

    Algumas citações:

    Following the publication of Darwin’s On the Origin of Species in 1860, many political theorists and opportunistic politicians applied his findings to human society.

    In the 20th century, these ideas were put into practice — and it nearly destroyed us.

    Here’s why Social Darwinism was one of the worst ideas ever.

    The Right Idea At The Wrong Time <———————————

    As a term, “Social Darwinism” was used sparingly in the 19th Century; it was only popularized in the United States in 1944 by historian Richard Hofstadter.

    And indeed, it’s a term that casts a wide net, encompassing several different areas as it pertains to the extension of Darwinism to the social realm.

    Indeed, its wide interpretation led thinkers to a number of different conclusions, including the reinforcement of individualism and minimalist government, theories about racial and societal “hygiene” and eugenics, notions of racial superiority and the justified use of force, and the idea that the human species could be moulded by the state.

    Part of the problem is that Darwin’s theory arrived at a dangerous time — a time when Western cultural and scientific sensibilities were not entirely ready for it; it was an idea ahead of its time, and by consequence, was misappropriated to realms into which it didn’t belong.

    The acceptance of Social Darwinism was not only a symptom of an emerging and overly enthusiastic scientism, but also the result of poorly developed conceptions surrounding race, ethnicity, and biological diversity.

    It appeared during a time of deeply embedded and unquestioned racism, where the conditions of under-developed nations and poverty-stricken visible minorities were attributed to racial inferiority.

    Mais informação bibliográfica sobre o Darwinismo Social:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Social_Darwinism / http://pt.wikipedia.org/wiki/Darwinismo_social

    Citação:

    Creationists have often maintained that social Darwinism—leading to policies designed to make the weak perish—is a logical consequence of "Darwinism" (the theory of natural selection in biology).

    Biologists and historians have stated that this is a fallacy of appeal to nature, since the theory of natural selection is merely intended as a description of a biological phenomenon and should not be taken to imply that this phenomenon is good or that it ought to be used as a moral guide in human society.

    —-

    Receio que mesmo muita gente ainda pense que ao "aceitarem" a teoria evolução, correm o sério risco de virem a acabar os seus dias num campo de concentração, se por acaso tiverem o azar de não "serem da raça superior"…. e isto para mim está na raiz de uma boa parte do fortíssimo medo e profunda desconfiança contra a ciência.

    O grande desenvolvimento da indústria de guerra durante a segunda guerra mundial reforça muitíssimo este receio.

    Gosto bastante do trabalho desta autora:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Hannah_Arendt / http://pt.wikipedia.org/wiki/Hannah_Arendt

    http://en.wikipedia.org/wiki/Hannah_Arendt_Institute_for_the_Research_on_Totalitarianism

    Para aprofundar esta temática sugiro este artigo sobre como a problemática á volta da ideia dos "factos" pode ser "espinhosa", que refere um livro que sugeri noutro comentário e que é este:

    Link para o artigo: http://www.hannaharendtcenter.org/?tag=darwinism

    Uma citação:

    What the challenge of pseudo science shows is how tenuous scientific authority and the value placed on disinterested research really is.

    Such inquiry has not always been valued and there is no reason to expect it to be valued about partial inquiry in the future.

    Arendt suggests that the origin of the value in disinterested inquiry was Homer’s decision to praise the Trojans equally as he lauded the Achaeans. Never before, she writes, had one people been able to look “with equal eyes upon friend and foe.”

    It was this revolutionary Greek objectivity that became the source for modern science.

    For those who do value science and understand the incredible advantages it has bestowed upon modern civilization, it is important to recall that the Homeric disinterestedness is neither natural nor necessary.

    In the effort to fight pseudo science, we must be willing and able to defend just such a position and thus what Nietzsche calls the “pathos of distance” must be central to any defense of the modern scientific world.

    When science loses its authority, pseudo science thrives.

    That is the situation we are increasingly in today. There are no objective tests and no clear lines demarcating good and bad science.

    And that leaves us with the challenge of the modern age: to pursue truth and establish facts without secure or stable foundations.

    Umas perguntas ( http://en.wikipedia.org/wiki/Loaded_question) inquietantes (provocadoras?):

    Os economistas são ciêntistas ou artistas?

    Qual é "exactamente" o peso de ideias pseudo-científicas na área da economia em certas decisões que afectam a vida de inúmeras pessoas?

    Qual é o TRL da Indústria financeira? http://en.wikipedia.org/wiki/Technology_readiness_level

    Quantas vidas foram destruídas por fenómenos "sociológicos" que foram estudados nesta experiência:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Milgram_experiment / http://pt.wikipedia.org/wiki/Experi%C3%AAncia_de_Milgram

    A actual crise económica na Europa lembra-me esta problemática…

    E (para mim) o fenómeno repete-se contínuamente, e nesse sentido partilho uma preocupação sobre uma guerra mais recente:

    Qual o peso que as ideias pseudo-científicas sobre as profecias de Nostradamus que serviram de base para um filme em que há um ditador no médio oriente que se parece imenso com o Saddam Hussein e inicia uma guerra nuclear? http://en.wikipedia.org/wiki/Nostradamus_in_popular_culture#.27Mabus.27_as_Antichrist

    Por vezes penso que sem esses filmes que são "assustadores", não teria sido possível conseguir "vender" a ideia das armas de destruição maçica no Iraque.

    No âmbito dum http://en.wikipedia.org/wiki/Thought_experiment / http://pt.wikipedia.org/wiki/Experimento_mental sinto intutivamente que se tivesse uma máquina do tempo e pudesse voltar atrás no tempo e evitar que esse filme com os mísseis islâmicos a descolar para começar a III guerra mundial alguma vez fosse feito, talvez conseguisse evitar que a guerra de 2003 tivesse início.

    Um outro filme em que se aborda a problemática das "self-fulfiling prophecies" é este: http://en.wikipedia.org/wiki/Paycheck_(film) / http://pt.wikipedia.org/wiki/Paycheck

    Neste filme, o facto de se ver uma guerra atómica no futuro leva a que o terrível medo de isso se tornar realidade faça com se cometam inúmeros erros que levam justamente a esse desfecho.

    Se pudesse viajar no tempo, aposto que se fosse possível eliminar a existência do filme http://en.wikipedia.org/wiki/Capricorn_One / http://pt.wikipedia.org/wiki/Capricorn_One hoje em dia talvez não existeissem nenhumas das teorias da conspiração sobre as aterragens na lua.

    Apenas quero tentar partilhar a ideia de que os livros e os filmes podem ter um impacto muito maior do que habitualmente pensamos…

    Não quero deixar de partilhar a celebração do livro, e penso que este livro é um bom exemplo da influência das ideias, e também uma "cautionary tale" sobre os riscos de oportunistas se aproveitarem da ciência para "justificarem" actividades muito sinistras.

    Uma sugestão mais "animadora":

    Supercooperators: The Mathematics of Evolution, Altruism and Human Behaviour
    http://www.amazon.com/Supercooperators-Mathematics-Evolution-Altruism-Behaviour/dp/1847673376

    http://en.wikipedia.org/wiki/Martin_Nowak

    E uma consideração final sobre um livro que aborda as questões morais e éticas colocadas pela existência da Internet e da tecnologia que é ilustrada no filme "Paycheck":

    Os autores são muito conhecidos: http://en.wikipedia.org/wiki/The_Light_of_Other_Days

    The wormhole technology is first used to send digital information via gamma rays, then developed further to transmit light waves.

    The media corporation that develops this advance can spy on anyone anywhere it chooses.

    A logical development from the laws of space-time allows light waves to be detected from the past. This enhances the wormhole technology into a "time viewer" where anyone opening a wormhole can view people and events from any point throughout time and space.

    When the technology is released to the general public, it effectively destroys all secrecy and privacy. The novel examines the philosophical issues that arise from the world's population (increasingly suffering from ecological and political disturbances) being aware that they could be under constant observation by anyone, or that they could observe anyone without their knowledge.

    Anyone is able to observe the true past events of their families and their heroes. An underground forms which attempts to escape this observation; corruption and crime are drastically reduced; nations discover the true causes and outcomes of international conflicts; and religions worldwide are forced to re-evaluate their divine histories.

    😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.