As nuvens prateadas de Brad Goldpaint

journey-into-the-unseen-2-1070x535

Na madrugada de 17 de janeiro de 1994, um terramoto de magnitude 6.7 na escala de Ritcher matou 57 pessoas e feriu cerca de cinco mil na região de Los Angeles. O choque foi sentido a uma distância de 320 quilómetros do epicentro. Devido aos estragos causados – mais de vinte mil milhões de dólares em prejuízos – o fornecimento de luz elétrica na cidade de Los Angeles foi interrompido.

Os habitantes puderam observar, nas noites seguintes, o céu noturno dos nossos distantes antepassados.

Muitos não conseguiram compreender o espetáculo. Tal como os gauleses das histórias de Astérix, começaram a recear que o céu lhes caísse sobre a cabeça. Às linhas de emergência da polícia começaram a chegar chamadas de pessoas assustadas porque olhavam para cima e viam uma «nuvem prateada».

Ed Krupp – diretor do Observatório Griffith de Los Angeles há quarenta anos – diz ter recebido inúmeras chamadas de pessoas em pânico por causa dessa nuvem prateada e por «o céu estar tão estranho». Só depois de alguns telefonemas a tentar perceber o que as pessoas julgavam ver, os funcionários do Observatório puderam perceber a confusão.

A «nuvem prateada» era a Via Láctea e «o céu estranho» estrelas a cintilar em todo o seu esplendor.

O trailer de «Illusion of Lights: A Journey into the Unseen» – um filme em time-lapse dos nossos céus – evoca este episódio e lembra a miopia das civilizações industrializadas: devido à poluição visual dos grandes aglomerados habitacionais, um quinto da população do planeta só vislumbra um céu negro assombrado por meia-dúzia de estrelas fantasmagóricas.

E só o trailer é absolutamente celestial. Vejam-no. Três minutos e meio assombrosos.

(E se gostam deste tipo de vídeos em time-lapse, não percam este de Mike Olbinski.)

O diretor, fotógrafo e editor do filme – só estreará em 2017 porque ainda há muita filmagem por fazer – chama-se Brad Goldpaint, é americano, tira fotografias aos céus dos Estados Unidos desde 2009, é hoje um dos nomes mais conhecidos da astrofotografia e tem uma história para contar.

O verdadeiro caminho

A íntima relação com o Cosmos começou quando a mãe morreu. Brad Goldpaint era ainda um estudante no último ano de arquitetura e o desaparecimento levou-o a repensar o rumo que queria dar à sua vida.

Naquela altura, a decisão do «caminho» a seguir não possuía ainda um significado simbólico: pegou na máquina fotográfica, afastou-se das grandes cidades e decidiu-se a explorar o mítico Pacific Crest Trail.

O Pacific Crest Trail pode ser percorrido a pé ou a cavalo. Existe também um caminho paralelo para bicicletas – um paraíso!

Estende-se da fronteira dos Estados Unidos com o México até à fronteira com o Canadá, seguindo os montes da Serra Nevada e a Cordilheira das Cascatas paralelamente ao Oceano Pacífico ao longo de 240 quilómetros. O trilho tem um total de 4260 quilómetros, atravessando florestas e reservas nacionais e zonas montanhosas, e evitando as cidades.

Goldpaint começou a fotografar os céus quando fez esse percurso a pé. Aquela foi uma viagem de descoberta: descoberta da natureza, do céu, das estrelas, da paixão em fotografá-las e de uma mulher, Marcella, intrépida e exploradora como ele, uma «alma gentil e carinhosa».

Num trilho com 4260 quilómetros de extensão, os caminhos de Brad e Marcella cruzaram-se ao quilómetro 80.

80 deve ser o número da sorte dos dois.

Marcella e Brad

Marcella e Brad

Um ano e meio depois, já a viver juntos, decidiram finalmente que havia mesmo um caminho ainda mais longo e definitivo a fazer: largaram o emprego (ele) e uma tese de doutoramento (ela), venderam tudo, compraram uma autocaravana e fizeram-se à estrada para fotografar a Mãe-Natureza, organizar workshops de fotografia e palestras sobre os inconvenientes da poluição visual.

Uma loucura irresponsável para uns, um ato de coragem e uma lição de vida para outros. Seja qual for a nossa opinião sobre esta aventura, Brad Goldpaint conseguiu torná-la recompensadora nos três anos que se seguiram.

É agora um fotógrafo freelancer com trabalhos publicados na National Geographic, Discover ou Wired. Uma das suas fotos – Wandering Light – foi selecionada pela NASA a 25 de julho de 2012 para o sítio Astronomy Picture of the Day.

O seu primeiro vídeo em time-lapse foi lançado em 2012 e resultou da junção de mais de 7000 fotografias e três anos de trabalho. «Within Two Worlds» apareceu na NBC e em dezenas de sítios na web.

Era um projeto menos ambicioso que o próximo «Illusion of Lights: A Journey into the Unseen», mas chamou a atenção de empresas importantes: a Adobe (para os mais distraídos: a criadora do Photoshop) e a eMotimo, fabricante de equipamento para câmaras fotográficas, são agora as patrocinadoras oficiais deste novo filme.

Brad e Marcella arriscaram em nome da vontade de serem iguais a si próprios e transmitir aos outros, pela fotografia, a sensação de viajar como «a meio de um sonho, semi-acordado, flutuando, entre o céu e a terra». Nómadas de corpo e espírito, continuam a viver na velha autocaravana. Home is where your heart is.

1 comentário

  1. Com um nome como Goldpaint, estava já destinado a criar “pinturas” valiosas 😛

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.