Exoplaneta observado diretamente pela primeira vez

Imagem artística do exoplaneta 51 Pegasi b (Crédito: ESO/M. Kornmesser/Nick Risinger)

Imagem artística do exoplaneta 51 Pegasi b (Crédito: ESO/M. Kornmesser/Nick Risinger)

Uma equipa internacional, liderada pelo investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) Jorge Martins, conseguiu detetar diretamente o espetro da luz refletida pela atmosfera do exoplaneta 51 Pegasi b.

Martins (IA & Universidade do Porto), o primeiro autor do artigo, explica que: “No ótico a luz proveniente de um planeta é extremamente reduzida face à da estrela. É por isso que a maior parte dos planetas são detetados por métodos indiretos, isto é, medindo a influência da presença do planeta na luz da estrela.”

A novidade, segundo o investigador, é que: “Neste caso pensamos ter detetado luz da estrela refletida na superfície do planeta, ou seja, estamos a observar o planeta diretamente.”

Esta nova técnica, que utiliza o espetro da estrela como um modelo para procurar um sinal similar refletido pelo planeta, torna possível determinar a sua massa e inclinação da órbita, parâmetros fundamentais para o estudo dos exoplanetas. Permite ainda estimar a refletividade do planeta, um parâmetro que permite calcular a composição do planeta e da sua atmosfera.

No caso de 51 Pegasi b, a equipa conseguiu concluir que é de um planeta um pouco maior do que Júpiter, com cerca de metade da sua massa, e cuja órbita apresenta uma inclinação de 81º.

Esta descoberta foi realizada utilizando o espetrógrafo HARPS, instalado no telescópio de 3.6m do Observatório Europeu do Sul (ESO), em La Silla, e vem também provar a validade desta técnica para futuras observações, com instrumentos muito mais precisos, atualmente em desenvolvimento.

Nuno Cardoso Santos (IA e Universidade do Porto), coautor do artigo, afirma que “estamos ansiosos por iniciar as observações com o espetrógrafo ESPRESSO, que será instalado no VLT, para podermos estudar com mais detalhe este e outros sistemas planetários.”

Mesmo utilizando este novo método, as dificuldades técnicas são consideráveis, como explica Martins, aluno de doutoramento na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), mas atualmente a desenvolver a sua tese no ESO: “É o mesmo que observar a luz de uma lâmpada de 100 W, colocada a 8 metros de altura, mesmo ao lado do Sol. Se estivéssemos à procura da Terra, corresponderia à mesma lâmpada mas desta vez a 1 km de altura!”.

A descoberta, em 1995, de 51 Pegasi b – o primeiro exoplaneta em torno de uma estrela parecida com o Sol – marcou o início de uma nova era na astronomia. Apesar de atualmente serem já conhecidos mais de 1800 exoplanetas, os astrónomos continuam a enfrentar grandes dificuldades técnicas no estudo destes objetos, uma vez que eles são muito ténues quando comparados com a estrela que orbitam.

Os resultados foram publicados na última edição da revista Astronomy & Astrophysics.

Mais informações no Comunicado de Imprensa do IA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.