Google+

«

»

Mai 14

Exoplaneta HATS-6b recém descoberto pode ser grande demais para sua estrela

http://www.anu.edu.au/files/styles/anu_gallery_big/public/story/exoplanet_artistsimpression_creditANU_smaller.jpg?itok=8-aZrAyC

Ilustração do exoplaneta HATS-6b em trânsito. Crédito: ANU

Investigadores da ANU (Australian National University) descobriram um exoplaneta incomum, que desafia as teorias de formação planetária, orbitando uma estrela anã vermelha, pequena e fria, a 500 anos-luz de distância da Terra.

George Zhou da Escola de Pesquisa de Astrofísica e Astronomia, disse:

Nós encontramos uma pequena estrela, com um exoplaneta gigante do tamanho de Júpiter em uma órbita justa. O exoplaneta deve ter se formado mais longe e migrado para mais próximo da sua estrela, no entanto, nossas teorias não conseguem ainda explicar como é que isto aconteceu.

Nas últimas duas décadas foram descobertos mais de 1.800 exoplanetas. HATS-6, a estrela hospedeira deste exoplaneta, é uma anã vermelha, classe M, um dos tipos mais comuns de estrelas na Galáxia. Embora sejam muito comuns, as estrelas anãs de classe M não são muito bem entendidas. São corpos mais frios e bem mais tênues que o nosso Sol, o que torna mais difícil o seu estudo.

HATS-6 emite apenas um vigésimo da luz do nosso Sol. A pista de que a estrela fraca tinha um exoplaneta em órbita veio quando os astrônomos observaram a diminuição de brilho estelar durante um trânsito exoplanetário.

A descoberta foi feita através do projeto HAT-S, uma iniciativa internacional que inclui cientistas da Austrália, EUA, Chile e Europa. Os astrônomos operam uma rede de pequenos telescópios robóticos no Chile, na Namíbia e no Observatório Siding Spring da Universidade Nacional Australiana.

Para confirmar se o sinal era realmente de um exoplaneta e não apenas um ruído no sistema, a equipe pediu a ajuda de um dos maiores telescópios do mundo, o Telescópio Magalhães no Chile, além da colaboração de um astrônomo amador, T G Tan, que opera a partir do seu quintal em Perth.

Zhou esclareceu:

TG Tan tem sido de grande ajuda em nossos projetos. Ele foi capaz de observar o trânsito do exoplaneta a partir da sua base em Perth, depois da estrela desaparecer por trás do nosso horizonte.

Observações subsequentes a partir do telescópio chileno de Magalhães e espectros obtidos pelo telescópio de 2,3 metros do Observatório Siding Spring confirmaram que o exoplaneta tinha uma órbita equivalente a um-décimo do tamanho da órbita de Mercúrio. Assim, HATS-6b completa uma volta em torno da sua estrela a cada 3,3 dias.

A estrela HATS-6 pertence a classe espectral M1V, tem massa igual a 0,57 M e raio igual a 0,57 R. O exoplaneta HATS-6b tem massa de 0,32 Mj (massa de Júpiter). Trata-se da estrela com menor massa que abriga um exoplaneta gigante gasoso.

Zhou concluiu:

O planeta HATS-6b tem uma massa semelhante à de Saturno, mas o seu raio é largo como o de Júpiter, por isso é um exoplaneta bastante ‘inchado’. Considerando que a sua estrela é bem fria, julgamos que não aquece muito o exoplaneta. Assim sendo, é muito diferente da maioria dos exoplanetas que têm sido observados até agora.

A atmosfera deste planeta será um alvo interessante para futuros estudos.

Fontes

ANU: New exoplanet too big for its star

Phys.org: New exoplanet too big for its stars

Artigo Científico

HATS-6b: A Warm Saturn Transiting an Early M Dwarf Star, and a Set of Empirical Relations for Characterizing K and M Dwarf Planet Hosts

._._.

Acerca do autor(a)

Ricardo Orsini de Castro Amarante [ROCA]

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>