Google+

«

»

Jun 11

A Música das Estrelas

Astrônomos da Universidade de Birmingham fizeram um estudo espetacular, através da sismologia estelar: mediram as oscilações acústicas ressonantes de 8 estrelas do aglomerado estelar M4 e transformaram essas medidas num som audível para o ouvido humano. Essa é a verdadeira música das estrelas.

image_3934-Messier-4

Você já imaginou ouvir o som emitido pelas estrelas?

Foi isso que um grupo de astrônomos da Universidade de Birmingham fizeram.

Na verdade eles detectaram as oscilações acústicas ressonantes de oito estrelas antigas, localizadas no aglomerado globular de estrelas Messier 4 (M4). Sete estrelas são gigantes vermelhas e uma estrela está já na fase posterior de gigante vermelha a converter-se em anã branca.

M4 é o aglomerado estelar mais antigo da Via Láctea, com 13 bilhões de anos.
É também um dos mais próximos da Terra, localizado a apenas 7200 anos-luz de distância.

artigo_01-1

Os astrônomos usaram uma técnica conhecida como sismologia estelar: eles aplicam o mesmo princípio usado na Terra para medir terremotos, em estrelas. O objetivo é medir as oscilações que ocorrem nelas.
Desta forma, os astrônomos registaram as oscilações acústicas ressonantes da estrela, e transformaram isso num som audível para o ser humano.

Essas oscilações levam a minúsculas variações no brilho da estrela, e são causadas pelo som armazenado dentro da estrela. Medindo esses tons da música estelar, é possível determinar a massa e a idade das estrelas individualmente dentro do aglomerado.

Isso faz com que a sismologia estelar possa ser usada para investigar a história inicial da nossa galáxia, já que ao estudar os aglomerados estamos estudando verdadeiros registos fósseis cósmicos de como a nossa galáxia se formou, e estudando essas estrelas será possível entender melhor como se deu a formação e a evolução da nossa galáxia.

A escala de idade das estrelas está restrita ao estudo de estrelas relativamente jovens, o que limita a habilidade de se contar a história da nossa galáxia. Com esse estudo será possível investigar as estrelas mais antigas da galáxia.

Como os arqueólogos escavam a Terra em busca de pistas sobre como foi o passado do nosso planeta, os astrônomos poderão agora usar o som das estrelas para realizar uma verdadeira arqueologia galáctica.

Fonte: Sci-news

Acerca do autor(a)

Sérgio Sancevero

Formado em Geofísica pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Engenharia do Petróleo pela Universidade de Campinas (UNICAMP), e Doutor em Geociências também pela Universidade de Campinas (UNICAMP).
Divulgador de Astronomia no SpaceToday.

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Antonio Carlos Claro (Toninho Claro)

    Fantástico: esta informação deveria fazer vacilar nosso espírito e nos tornarmos humildes.
    Li uma página na Web em que um Maestro afirmava que existe uma sinfonia (literalmente – é música) que engloba todo o Uni-Verso. Afirma que cada pessoa possui uma vibração (musical) correspondente ao seu estado de espírito.
    Vou tentar encontrar a página onde li sobre este Maestro, pois ele é famoso no meio musical, e se encontrar voltarei a postar informando sobre isto.
    Gratíssimo pela fantástica notícia.

    1. Carlos Oliveira

      Este artigo é de ciência.

      Não estamos interessados na pseudociência, nas vigarices, de quem liga “vibrações” a estados de espírito.

      abraços

      1. Antonio Carlos Claro (Toninho Claro)

        ???? mas você nem sabe o nome do autor que eu não pude me lembrar; chamar uma observação minha sem detalhes sobre o assunto em questão de vigarice é burrice, meu amigo.

      2. Carlos Oliveira

        1 – o autor chama-se Michio Kaku. Ele especulou sobre Field String Theory. Ou melhor, filosofou…

        2 – a forma como você disse, ou interpretou o que leu, é de pseudociência, vigarice. Lê-se essas tretas em websites “espirituais”. Nada tem a ver com ciência mas é só uma vigarice pseudo-religiosa. E, neste caso, existem vários autores vigaristas que o fazem.

        Burrice é assumir que só você sabe do que fala, quando discute com pessoas de ciência.

        abraços

  2. Antonio Carlos Claro (Toninho Claro)

    Não é esse o nome (Kaku); o segundo nome da pessoa que me refero é Eudler (creio), e vc está assumindo que só vc sabe do que fala. (…comentário editado…)

    1. Carlos Oliveira

      Não conheço qualquer Eudler, mas sim um Leonhard Euler, muito conhecido matemático.

      Euler contribuiu para a “teoria musical”, onde obviamente se inclui matemática.
      Desconheço e duvido que fosse Maestro.

      Levar isso para crenças pessoais é pseudo-religião, e não ciência.
      Assumir que websites vigaristas dizem a verdade quando manipulam a informação e inventam coisas, é o oposto ao pensamento crítico, à racionalidade e à ciência.

      Eu nunca assumi que só eu sei. Nem sequer assumi o que quer que fosse.
      Eu li os seus comentários. Você mostra que não sabe do que fala. “Atira frases ao ar” porque acreditou em certos websites, sem informação rigorosa.
      Qualquer pessoa que leia os seus comentários, percebe que você não sabe do que fala. Essa é a conclusão.

      Podia-se explicar melhor… mas prefere não o fazer. É a sua decisão.

      O seu comentário foi editado por motivos óbvios.
      Aprenda a ter respeito pelo conhecimento dos outros quando entra em locais de ciência.

      abraços

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

AstroPT – Informação e Educação Científica is Stephen Fry proof thanks to caching by WP Super Cache