SDO observa um trio de fulgurações classe-M

fulguracao_classeM_AIA304_SDO_230716A segunda de três fulgurações classe-M produzidas pelo Sol a 23 de julho de 2016. A imagem foi obtida pelo instrumento Atmospheric Imaging Assembly do Solar Dynamics Observatory da NASA, através de um filtro na banda do ultravioleta extremo (304 Å).
Crédito: SDO(NASA)/AIA consortium.

Foram ontem observadas três fulgurações solares de intensidade média com origem na região ativa 2567. A primeira foi um evento não eruptivo de classe-M5,0, com um pico de intensidade pelas 03:11 (hora de Lisboa). A este fenómeno seguiram-se dois eventos de classe-M7,6 e M5,5 com picos de intensidade pelas 06:16 e 06:31, respetivamente.

A fulguração classe-M7,6 foi a mais intensa até agora registada em 2016 e foi responsável pela libertação de uma gigantesca ejeção de massa coronal. A nuvem de plasma dirige-se para longe da Terra, no entanto é possível que um dos seus flancos atinja o nosso planeta na próxima terça-feira.

O Sol encaminha-se neste momento para o longo período de baixa atividade que caracteriza o final de cada ciclo solar, pelo que estes fenómenos tendem a ser agora cada vez mais raros. O atual ciclo teve o seu início em janeiro de 2008 e deverá terminar dentro dos próximos 2 a 3 anos.

1 ping

  1. […] mesmo assim, ainda existe uma atividade na nossa estrela e isso pode ser comprovado pelas três flares de nível intermediário que entraram em erupção no Sol entre os dia 21 e 23 de Julho…. Essas foram as flares mais intensas registadas no Sol, desde o mês de Abril de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.