[ET #6] – O que gostaríamos de perguntar a um ET?

Cosmic Call é o nome das mensagens interestelares que o RT-70 emitiu em 1999 e 2003 em direção a um conjunto de estrelas próximas. Esta imagem mostra interior da antena parabólica.

Cosmic Call é o nome das mensagens interestelares que o RT-70 emitiu em 1999 e 2003 em direção a um conjunto de estrelas próximas. Esta imagem mostra o interior da sua antena parabólica. Fonte: Wikipedia by Володимир Власенко. 

Um dos sinais mais conhecidos e enviados ao espaço com o objetivo de transmitir a uma possível civilização extraterrestre informações sobre o planeta Terra e a civilização humana é a Mensagem de Arecibo, que foi direcionada para o enxame globular estelar M 13, localizado a aproximadamente 25.000 anos-luz de distância e contendo cerca de 300.000 estrelas. A mensagem foi transmitida em 1974, com uma potência de 1 MW, através de 1679 impulsos de código binário (que levaram 3 minutos a ser transmitidos na frequência de 2380 MHz), repetida 2 vezes para assegurar a correta receção do mesmo número de bits. No entanto, a resposta não é esperada antes do ano 52.000, possivelmente algum tempo após o surgimento e declínio de outras civilizações.

Convém salientar que existem dois aspetos técnicos sobre as características desta transmissão:

  1. Se o recetor dos ET possuir uma sensibilidade semelhante à do Green Bank Telescope (~120 dB) e se considerarmos que a emissão representa ~90 dB, mais um ganho da antena de 75 dB (eficiência de 50%), então a antena recetora (ET) deverá ter um ganho de ~162 dB (que corresponde ao incrível diâmetro do array superior a 7.500 km) e
  2. O facto das estrelas se moverem em relação umas às outras faz com que exista uma grande incerteza quanto ao sinal atingir o seu destino dentro de 25.000 anos, mas como o alvo é composto de centenas de milhares de estrelas, talvez seja possível que atinja o destino. Acresce ainda que o espaço não é vazio e a gravidade afeta a trajetória das ondas eletromagnéticas.
Radiotelescópio de Arecibo e mensagem enviada em 1974.

Radiotelescópio de Arecibo e mensagem enviada em 1974.

A cor foi adicionada para separar por partes a mensagem e facilitar a compreensão. Pormenores sobre a mensagem de Arecibo poderão ser consultados aqui.

No passado dia 10 de outubro foi transmitida a mensagem: “A simple response to an elemental message” (ou “Uma simples resposta a uma mensagem elementar”). O radiotelescópio emissor é o Cebreros (Deep Space Antenna 2), com uma antena de 35 metros de diâmetro, localizado em Espanha a cerca de 90 km de Madrid e que tem apoiado várias missões (Rosetta, Mars Express e outras). A mensagem seguiu em direção à estrela polar, localizada a cerca de 434 anos-luz da Terra, que na realidade é uma estrela múltipla composta por uma supergigante azul (com fraco potencial para albergar vida ET), uma estrela pouco maior que o Sol e uma anã vermelha. Na mensagem foi aplicada uma potência aproximada de 20 MW @7,1 GHz e contou com 3775 participantes de 146 países. A primeira parte do seu conteúdo consiste na resposta dos participantes à questão: “How will our present, environmental interactions shape the future?” (ou “Como irão as nossas presentes interações ambientais moldar o futuro?”). Enquanto esta transmissão foi desenvolvida principalmente com um propósito ecológico, a iniciativa serviu para reacender o debate sobre os benefícios, perigos e ética das transmissões para o espaço interestelar, que tem como defensores os reputados cientistas Seth Shostak e Douglas Vakoch, e oponentes famosos como Stephen Hawking.

Estabelecer contacto ET é altamente improvável dado que tal cenário obrigaria a que as civilizações comunicantes tivessem emergido em épocas próximas, evoluído na mesma direção tecnológica e encontrarem-se relativamente perto uma da outra na imensidão da Via Láctea, condições difíceis de atingir num horizonte temporal tão alargado como é a idade do Universo, 13.800.000.000 de anos. Neste contexto, fazendo nós parte de uma civilização muito jovem que emergiu há somente 100 anos (altura em que emitimos as primeiras comunicações rádio), se tivéssemos sucesso em comunicar, a outra civilização só poderia ser mais avançada que nós, mas não muito mais pois assim poderia não perceber a nossa forma de comunicar.

Mas, se estabelecêssemos contacto com uma civilização ET, presumivelmente bastante mais avançada que a nossa, o que gostaríamos de perguntar? Aqui seguem algumas das questões mais populares:

  • Existe algum criador do Universo, alguma entidade superior? Ou será que a teoria do Big Bang está correta e tudo se formou a partir do nada?
  • De que é constituído o Universo? Hoje conhecemos apenas a matéria que representa 5% do Universo… E os restantes 95% são o quê? O que é a matéria negra? E a energia escura?
  • Qual o propósito do Universo? Ele existe realmente ou não passa de uma ilusão?
  • Estamos sozinhos na Galáxia? Quantas civilizações existem na Via Láctea?
  • Podemos viajar no tempo? Para o futuro? Para o passado? Em caso afirmativo, podemos alterá-lo?
  • Na estrela mais próxima de nós foi detetado um exoplaneta semelhante à Terra, Proxima Centauri b. Existe lá vida? Podemos estabelecer uma colónia humana?

No “Mundo assombrado pelos demónios”, Carl Sagan propõe realizar um concurso para eleger as 10 melhores perguntas a serem feitas a uma inteligência extraterrestre mais avançada que a nossa.

E tu, o que perguntarias?

9 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Eng. Ronaldo Bandeira on 08/02/2019 at 21:58
    • Responder

    Sugiro perguntar:

    Há vida após a morte?
    É possível vivermos eternamente?
    Há mesmo apenas um Universo, ou são vários?
    O Universo, assim como os planetas, estrelas, etc, são algum tipo de forma de vida inteligente? Existe algum tipo de consciência ou inteligência universal?
    A velocidade da luz é mesmo constante em todo o universo e em qualquer época de sua existência? Ou ela está diminuindo (desacelerando) com o tempo?
    Etc…..

    1. Todas ótimas questões. Obrigado pela participação.

    • Dionatan Diego on 23/03/2017 at 13:45
    • Responder

    Por que não mandamos sinais de rádio para a Próxima B ?

    1. Todos os dias enviamos os sinais rádio dos nossos programas de TV e rádio 😉

  1. Eu perguntaria: onde me candidato a Presidente do Universo? 😛

    Quanto a esta pergunta: “Podemos viajar no tempo? Para o futuro?”
    Não preciso de ETs para responder. A resposta é sim.
    A cada segundo viajamos 1 segundo para o nosso futuro 😛

    abraços!

    1. Devia ser um local muito estranho, um parlamento universal, com várias espécies representadas, cada uma com seu aspeto físico e hábitos que nem imaginamos… muito estranho ser Presidente do Universo, mas alguém teria de fazer esse sacrifício 🙂 .

      Essa questão de viajar no tempo, surgiria com naturalidade no AstroPT por intermédio do ilustre Manuel Rosa Martins, num artigo intitulado: “Como observar um taquião?” Não é tarefa fácil….

        • Manel Rosa Martins on 17/11/2016 at 00:30

        Essa do ilustre só se for para ilustrar 🙂

        É fácil observar um taquião, é uma partícula teórica que surge dum número imaginário, basta portanto usar a imaginação. Ou uma raiz quadrada com um número negativo: SQRT -1, por exemplo.

        Ou o Bosão de Higgs, hoje já é fácil, basta ver os dados do LHC: o Higgs é um taquião.

        O campo de Higgs perde (muito muito ligeiramente) energia quando tem uma excitação que produz o Higgs-partícula, portanto tem um valor negativo e condensa, assim o bosão de Higgs é um taquião, porque faz regredir o campo e quebra a sua simetria, dando massa, e muita, ao próprio bosão.

        Quanto ao ET, caso ele ouvisse, falasse e percebesse as nossas línguas perguntava-lhe se ele já ouviu o David Bowie que é para ele (ou ela ou outro género ou géneros que tivesse) saber o que é música boa.

        🙂

  2. Se nos dessem uma mão na resolução de uma teoria unificada de campos já seria um bom começo. Embora, conhecendo bem os terráqueos, eu imagino que nossas reais perguntas seriam de caráter mais imediatista/narcisista como “que combustível usam nos carros?” ou “qual sua bomba mais poderosa?” ou ainda qual o segredo da vida eterna?. No mais, sempre vi esses esforços de comunicação como via de mão única, algo mais no sentido de existiu alguém por aqui; já que estabelecer diálogo, como o próprio texto salienta, é bem complicado.

    1. Rodrigo, a teoria unificada é uma ótima ideia 🙂 . Mas concordo com o resto, as perguntas não deveriam ser de carácter científico pois a população em geral também terá outros interesses. Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.