Um registo de um antigo campo de tensões na superfície de Marte

parte_ocidental_de_acheron_fossae_marte_hrsc_marsespress_040516A extremidade ocidental de Acheron Fossae numa imagem obtida pela sonda europeia Mars Express, a 04 de maio de 2016.
Crédito: ESA/DLR/FU Berlin, CC BY-SA 3.0 IGO.

A cerca de 1000 km a norte de Olympus Mons existe um conjunto de cristas rochosas e depressões alongadas formadas por intensas forças tectónicas sentidas na região de Acheron Fossae, há 3,7 a 3,9 mil milhões de anos. Na imagem de cima podemos ver uma fração da secção mais ocidental desta região – um bloco de antigos terrenos que cobre uma área com aproximadamente 800 km de comprimento e 280 km de largura, e que se eleva em média cerca de 2 km acima dos terrenos envolventes.

acheron_fossae_em_contexto_mgs_molaImagem de contexto mostrando toda a extensão da secção ocidental de Acheron Fossae.
Crédito: NASA/MGS/equipa científica do intrumento MOLA.

Acheron Fossae faz parte de uma rede de fraturas que irradiam do “bojo” de Tharsis, um vasto planalto onde se elevam os maiores vulcões de Marte. Á medida que a região de Tharsis intumescia, devido à ascenção de materiais em fusão a partir do interior do planeta vermelho, a crusta na região expandia-se e fraturava nos locais de maior fragilidade.

Este processo deu origem aos sistemas clássicos de graben e horst – séries de depressões paralelas delimitadas em ambos os lados por falhas e blocos rochosos erguidos. Os padrões de falhas entrecruzadas visíveis em vários locais de Acheron Fossae sugerem que a região foi sujeita ao longo do tempo a forças de tensão provenientes de diferentes direções.

topografia_parte_ocidental_de_acheron_fossae_marte_hrsc_marsespress_040516Mapa topográfico da extremidade ocidental de Acheron Fossae construído a partir de dados obtidos pela sonda europeia Mars Express.
Crédito: ESA/DLR/FU Berlin, CC BY-SA 3.0 IGO.

No canto inferior esquerdo da imagem podemos apreciar parte de uma extensa cumeada encurvada que se prolonga por toda a região. Esta estrutura é provavelmente um antigo graben que foi num passado mais recente preenchido por materiais possivelmente provenientes de glaciares carregados de rochas.

Acheron Fossae tem sido comparado com os sistemas de rift continentais da Terra. As principais zonas de rift do nosso planeta são formadas pelo movimento das placas tectónicas, como é o caso das cristas médias oceânicas onde são criadas novas porções da crusta terrestre. Em Marte, os rifts são importantes para o estudo da formação da crusta marciana e da evolução térmica do interior do planeta.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.