Google+

«

»

Dez 21

“Código de Barras” cósmico de uma galáxia distante confirma a constância da natureza

Uma equipa de astrónomos observou a luz de um quasar 8,5 mil milhões de anos após passar por galáxias distantes.
Créditos: James Josephides e professor Michael Murphy

Uma equipa de astrónomos mediu com precisão uma força fundamental da Natureza numa galáxia vista como ela era há 8 mil milhões de anos.
A conclusão a que chegaram foi que: confirmaram que o eletromagnetismo numa galáxia distante tem a mesma força que cá na Terra.

Os astrónomos observaram um quasar (buraco negro supermassivo bastante ativo) localizado por trás da galáxia. A luz desse quasar foi absorvida por gás na galáxia há 8 mil milhões de anos, lançando sombras em cores específicas.
Os investigadores utilizaram espectrógrafos no Very Large Telescope e no telescópio de 3,6-m , ambos do ESO, no Chile.

Srdan Kotuš, o investigador-principal, disse: “O padrão de cores diz-nos quão forte é o eletromagnetismo nesta galáxia, e como o quasar é um dos mais brilhantes conhecidos, fomos capazes de fazer a medição mais precisa até agora. Descobrimos que o eletromagnetismo nesta galáxia é o mesmo que aqui na Terra, até uma parte por milhão – a largura de um cabelo humano em comparação com um estádio desportivo.”

O eletromagnetismo é uma das quatro forças fundamentais conhecidas da Natureza.

Michael Murphy, co-autor do estudo, afirmou: “O eletromagnetismo determina quase tudo no nosso mundo quotidiano, tal como a luz que recebemos do Sol, como vemos essa luz, como o som viaja através do ar, o tamanho dos átomos e como eles interagem. Mas ninguém sabe porque é que o eletromagnetismo tem a força que tem, e se deve ser constante ou variar, e porquê.”
Murphy continua: “Para mim, descobrir que o eletromagnetismo é constante durante mais de metade da idade do Universo só aprofunda o mistério – por que é assim? Ainda não sabemos.”

Fontes: Comunicado de Imprensa, Artigo Científico

Acerca do autor(a)

Carlos Oliveira

Carlos F. Oliveira é astrónomo e educador científico.
Licenciatura em Gestão de Empresas.
Licenciatura em Astronomia, Ficção Científica e Comunicação Científica.
Doutoramento em Educação Científica com especialização em Astrobiologia, na Universidade do Texas.
Criou e leccionou durante vários anos um inovador curso de Astrobiologia na Universidade do Texas.
Foi Research Affiliate-Fellow em Astrobiology Education na Universidade do Texas em Austin, EUA.
Trabalhou no Maryland Science Center, EUA, e no Astronomy Outreach Project, UK, recebeu dois prémios da ESA, e realizou várias palestras e entrevistas nos media.

1 comentário

  1. Manel Rosa Martins

    Mais um Físico que considera que o som se propaga pelo electromagnetismo, é um campo-força médio, e evita a perspectiva clássica da propagação mecânica do som. 🙂

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>