Hubble estuda nebulosa na Pequena Nuvem de Magalhães

Nebulosa Festiva.
Créditos: NASA, ESA, STScI, K. Sandstrom (University of California, San Diego), e the SMIDGE team.

Todos sabem que a Via Láctea é parte de um aglomerado, ou uma coleção de galáxias, chamado de Grupo Local.

Nesse aglomerado, a própria Via Láctea e a galáxia de Andrômeda são os membros mais proeminentes, mas existem muitas outras galáxias, galáxias anãs e satélites da nossa Via Láctea.

A Pequena e a Grande Nuvem de Magalhães talvez sejam os exemplos mais famosos dessas galáxias-satélites, e que podem até mesmo ser vistas a olho nu do hemisfério sul da Terra.

Devido à proximidade, essas galáxias tornam-se verdadeiros laboratórios astronômicos, onde é possível tentar entender fases importantes da evolução das galáxias, além de entender a sua composição.

Para utilizar de maneira eficiente esse laboratório, os astrônomos usaram o Hubble para pesquisar nebulosas de emissão dentro dessas galáxias.

Uma delas, na verdade são duas, mas que aparecem tão juntas que são nomeadas como se fosse uma, é a NGC 248.

Essa nebulosa tem 60 anos-luz de comprimento, por 20 anos-luz de largura, e está localizada a 200 mil anos-luz de distância da Terra na direção constelação de Tucano.

Essa nebulosa emite um intenso brilho avermelhado graças a estrelas centrais que estão aquecendo o hidrogênio fazendo com que ele brilhe dessa maneira.

Os astrônomos usaram um projeto chamado SMIDGE (Small Magellanic cloud Investigation of Dust and Gas Evolution – Investigação da Evolução do Gás e da Poeira na Pequena Nuvem de Magalhães) para pesquisar essa nebulosa e estudar como a sua poeira é diferente da poeira da Via Láctea.

Além disso, o Hubble ajuda os astrônomos a entender melhor a história de como a galáxia e suas estrelas se formaram numa época no universo em que se tinha uma baixa percentagem de elementos pesados.

Esses estudos ajudam a entender a evolução das galáxias.

Fonte: Space Telescope

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.