Google+

«

»

Dez 28

Vera Rubin (1928 – 2016)

Há duas semanas morreu John Glenn: um dos heróis da exploração espacial.
No dia 25 morreu uma figura icônica, principalmente para quem estuda, lê ou se interessa pela famosa matéria escura.

A astrônoma Vera Rubin, nos deixou com 88 anos.

Na década de 1940, Vera Rubin era uma aluna de licenciatura em Vassar.
Crédito: Science Springs

A história dela é fantástica.
Ela contou que quando criança, sua cama ficava de frente para uma janela, e dali ela começou a observar as estrelas.
Disse que quando tinha chuva de meteoros, no dia seguinte ela conseguia se lembrar de tudo e desenhava a trajetória dos meteoros.
Ela descobriu que queria ser astrônoma no colegial/ensino secundário, mas nunca tinha conhecido um astrônomo. Ela só conhecia Maria Mitchell de um livro, sabia que ela havia estudado em Vassar, e resolveu seguir os passos dela.
Foi para Vassar, se casou com um cientista, e entrou no programa de graduação junto com seu marido.

Na verdade ela tinha sido aceite em Harvard.
Ela respondeu à carta, dizendo que estava se casando e iria para Cornell.
Em Cornell não havia astronomia, então ela foi estudar física, e teve como membro de sua banca ninguém menos que Richard Feymann. Ela apresentou sua tese também na sociedade astronômica americana, mas seus conceitos eram muito à frente de seu tempo e isso criou um ceticismo muito grande.
Seu artigo foi rejeitado pelas revistas especializadas, mas ela continuou sua luta.

Foi no doutorado que ela resolveu estudar a matéria escura, um conceito originalmente proposto em 1933.
Para fazer as medições que ela precisava, ela tinha que usar o maior telescópio da época, o de Monte Palomar. O problema era que até então as mulheres não podiam chegar nem perto do prédio do observatório, quanto mais entrar e usar o instrumento. Mas ela conseguiu.
Observando as galáxias espirais ela notou que o material nas bordas da galáxia giram com a mesma taxa que o material no centro delas.
Essa observação ia contra as leis da física que dizem que o material no centro, devido à maior concentração de poeira, estrelas e gás, deveria se mover mais rapidamente do que o material da borda, onde se tem menos matéria.
A explicação para o movimento ser o mesmo, é um halo de matéria escura existente ao redor das galáxias, que espalham a massa e por isso a taxa é a mesma.

Durante sua pesquisa, ela estudou mais de 200 galáxias.
Ela publicou 144 artigos científicos, tem um asteroide batizado em seu nome, tem 4 filhos: dois doutores em geologia, uma doutora em matemática e uma doutora em raios cósmicos.
Recebeu todas as honras na sua área.
Se tornou a segunda mulher a ganhar a medalha de ouro da sociedade astronômica real, em 1996, sendo que a primeira foi Caroline Herschel em 1828.

E nos deixou aos 88 anos.

Dr. Vera Rubin.
Crédito: Peter Ginter / Getty Images

Ela lutou muito pela presença das mulheres na ciência e deixou um grande legado como ela mesmo disse:

“Fama é passageira, meus números significam muito mais para mim do que meu nome. Se os astrônomos usarem meus dados no futuro, essa será minha maior realização”.

Acerca do autor(a)

Sérgio Sancevero

Formado em Geofísica pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Engenharia do Petróleo pela Universidade de Campinas (UNICAMP), e Doutor em Geociências também pela Universidade de Campinas (UNICAMP).
Divulgador de Astronomia no SpaceToday.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

AstroPT – Informação e Educação Científica is Stephen Fry proof thanks to caching by WP Super Cache