Rotação de Betelgeuse é superior ao esperado

Betelgeuse em infravermelho.
Créditos: L. Decin / University of Leuven / ESA

Uma equipa de astrónomos da Universidade do Texas em Austin, liderada por Craig Wheeler, com os seus alunos de doutoramento, utilizou modelos de computador para estudar o comportamento da estrela Betelgeuse, nomeadamente a sua rotação.
Os resultados indicam evidências que Betelgeuse roda sobre si própria mais rápido do que deveria.

Betelgeuse é uma estrela supergigante vermelha. Ao expandir-se para se tornar uma supergigante, a estrela deveria ter abrandado a sua rotação. Em vez disso, os dados apontam para o seu contrário.
Wheeler afirmou: “Betelgeuse gira 150 vezes mais rápido do que outra qualquer estrela única”. A sua rotação atual é de cerca 15 km/s.

A hipótese que melhor explica este comportamento é Betelgeuse ter engolido uma estrela companheira há cerca de 100 mil anos atrás.
Essa estrela companheira deveria ter tido uma massa similar ao Sol. Quando foi engolida, transferiu o momento angular da sua órbita em redor de Betelgeuse para os seus níveis exteriores, acelerando a rotação de Betelgeuse.

Esta hipótese (tentativa de explicação dos dados) talvez já tenha algumas evidências de que poderá estar correta.
Ao engolir a estrela companheira, Betelgeuse poderá ter libertado alguma matéria para o espaço. Tendo em contra que a matéria sai de uma supergigante a cerca de 10 km/s, é fácil calcular onde estaria essa matéria agora. E na realidade, existem duas conchas de matéria de um dos lados de Betelgeuse, que foram descobertas em 2012 através de imagens infravermelhas (ver imagem em cima).
Claro que estas conchas de matéria podem ser explicadas por outros fenómenos, como por exemplo, sendo ondas de choque criadas à medida que a atmosfera atravessa o meio interestelar pelo movimento próprio da estrela.
No entanto, a hipótese da estrela companheira ter sido engolida é bastante apelativa e clarifica o mistério da sua rotação.

O outro mistério de Betelgeuse é que, sendo uma estrela supergigante vermelha, está perto de explodir como supernova. Pode explodir daqui a 10 mil anos ou pode ser já esta noite ou quiçá já explodiu mas ainda não sabemos.

Fonte: Comunicado de Imprensa UT-Austin – McDonald Observatory

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Reinaldo da Silva on 17/01/2017 at 23:59
    • Responder

    Professor algum destes novos super telescópios como o J. Webb (Desculpe se errei o nome ) poderia responder ao questionamento da rotação e desta possível estrela companheira engolida?

    1. Já se sabe a sua rotação atual.

      O resto é uma hipótese baseada em modelos de computador, com base nos dados existentes 😉

      abraços

  1. Obrigado pelo post,muito se fala que betelgeuse já explodiu, só queria ler oq os cientistas falariam a respeito!

    1. Quem lhe disser que já explodiu, mentiu-lhe… porque essa pessoa não sabe 😉

    • João Pedro Sinicio on 29/12/2016 at 15:59
    • Responder

    Dr Carlos gostaria de tirar uma dúvida se o senhor puder me responder,como a trajetória de um asteroide como o Nt7 pode ser mudada é caso caia na terra(o que não vai acontecer),seria extinção em massa ?
    Desde já agradeço.

    1. Sobre esse asteroide, tudo já foi explicado neste artigo de 2011:
      http://www.astropt.org/2011/01/28/asteroide-ira-acabar-com-a-vida-na-terra-em-2019/

      É relativamente “fácil” desviar asteroides, sobretudo para um asteroide como esse já descoberto há quase 15 anos.
      Bastaria colocar uma sonda num dos seus lados.
      http://www.astropt.org/2011/11/11/formas-de-desviar-asteroides/

      abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.