Google+

«

»

Mar 18

Mais uma estrutura alienígena?

Em 2015, a estrela KIC 8462852 entrou nas notícias com estrondo. Foi detectada na estrela, pelos astrónomos, uma diminuição da luminosidade com um período estranho. Entre as várias hipóteses propostas, a que melhor se adequava às observações eram fragmentos cometários ao redor da estrela. Esses fragmentos cometários, ao passarem à frente da estrela (da nossa perspetiva), fariam com que a luminosidade diminuísse sem um período bem definido – já que são muitos fragmentos com órbitas próprias. A descoberta, por ser a primeira vez, obviamente é fantástica. Mas em si, existirem cometas ou fragmentos cometários ao redor de estrelas não é surpreendente. Afinal, nós próprios aqui no sistema solar, temos um reservatório de asteroides (Cintura de Asteroides), um reservatório de cometas (Cintura de Kuiper) e até um enorme reservatório de cometas mais longe (Nuvem de Oort). Tudo isto ao redor do Sol. Por isso, não é surpreendente que outras estrelas também possam ter esses aneis cometários.

No entanto, essa descoberta deu para os vigaristas escreverem artigos em websites pseudo, e partilharem no Facebook e Twitter que os astrónomos tinham descoberto uma esfera de Dyson feita por extraterrestres.
Note-se que os descobridores (os astrónomos) não o disseram. Ou seja, quem descobre e estuda estas coisas diz uma coisa. Os vigaristas inventam depois mentiras sobre essas descobertas.
Podem ver o meu artigo sobre isto, aqui.

Agora, se formos ao Google, vê-se que o mesmo está a acontecer em relação à estrela EPIC 204278916.

Novamente a treta sobre mega-estruturas extraterrestres no espaço.

Mas com uma agravante: o artigo científico com esta descoberta e com as prováveis explicações, com fragmentos cometários no topo, foi publicado em Agosto de 2016!
A Wikipedia, desde 2016, que tem essa informação!

Ou seja, novamente os astrónomos fazem uma descoberta. Publicam essa descoberta. Oito meses depois um vigarista qualquer lê o artigo, publica um post a dizer que aquilo são mega-estruturas feitas por extraterrestres ou por unicórnios voadores invisíveis ou pelo monstro de Loch Ness, e um sem-número de jornaleiros e ignorantes começam a difundir esta mentira como se fosse dita por cientistas.

Crédito: Supplied

Acerca do autor(a)

Carlos Oliveira

Carlos F. Oliveira é astrónomo e educador científico.
Licenciatura em Gestão de Empresas.
Licenciatura em Astronomia, Ficção Científica e Comunicação Científica.
Doutoramento em Educação Científica com especialização em Astrobiologia, na Universidade do Texas.
Criou e leccionou durante vários anos um inovador curso de Astrobiologia na Universidade do Texas.
Foi Research Affiliate-Fellow em Astrobiology Education na Universidade do Texas em Austin, EUA.
Trabalhou no Maryland Science Center, EUA, e no Astronomy Outreach Project, UK, recebeu dois prémios da ESA, e realizou várias palestras e entrevistas nos media.

2 comentários

  1. Marcos

    Oi Carlos, boa noite. Tem uma notícia começando a ficar popular: http://veja.abril.com.br/ciencia/sinais-de-radio-misteriosos-podem-ser-de-espaconave-alienigena/ interessante que no final da matéria tem a frase “Sobre a existência de extraterrestres, Loeb defende que o trabalho é meramente especulativo e que não cabe à ciência acreditar em alienígenas. “Não se trata de crença e sim de evidência. É melhor desenvolver ideias e deixar que os dados decidam”, afirmou.”

    No artigo original, link na matéria, realmente os pesquisadores afirmam: “We examine the possibility that fast radio bursts (FRBs) originate from the activity of extragalactic civilizations.” Não sou da área de Astrofísica ou área afim, mas fico me perguntando se isso realmente não é muito especulativo para ser publicado em uma revista importante?

    Grato pela atenção!

    1. Carlos Oliveira

      Sim, concordo!
      É bastante especulativo… demasiado até.

      Não só para a revista, mas até para o Loeb… que ele tem muito trabalho importante e factual na astrofísica.

      Sobre os FRBs, sugiro este artigo:
      http://www.astropt.org/2017/01/06/descoberta-a-origem-das-erupcoes-rapidas-de-ondas-de-radio/
      😉

      abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>