Rádio-Galáxia com 8.34 milhões de anos-luz de comprimento

via AstroWatch

Existe um tipo de objeto no zoológico cósmico pouco falado: as Rádio-Galáxias.

As rádio-galáxias pertencem ao grupo de objetos chamados AGNs (Núcleos Ativos de Galáxias) – galáxias que possuem no seu interior buracos negros supermassivos que estão num processo ativo de alimentação.

Durante esse processo, ocorrem emissões de lobos nas ondas de rádio.
O estudo desses lobos ajuda os astrônomos a entender um pouco mais sobre os buracos negros supermassivos, a conhecer melhor a galáxia, a caracterizar o meio onde a galáxia está localizada, e a perceber melhor a interação entre os lobos em ondas de rádio e o ambiente ao seu redor.

Nem todos os AGNs emitem esses lobos, por isso descobrir e estudar esses objetos não é uma tarefa muito fácil.

Existe um rádio-telescópio chamado LOFAR que é especialista nesse tipo de estudo.
Foi usando o LOFAR que um grupo de pesquisadores descobriu uma das maiores rádio-galáxias já identificadas.

Essa galáxia agora descoberta é classificada como uma GRG, ou seja, uma rádio-galáxia gigante.

Ela ainda não tem uma designação oficial, mas seu comprimento chega a 8.34 milhões de anos-luz.
Ela está entre os maiores exemplares dessa espécie já descoberto, mas ainda perde de longe para a maior GRG já descoberta: a J1420-0545 , que tem incríveis 16 milhões de anos-luz de comprimento.

Essa galáxia recém-descoberta está associada com uma trinca/trio de galáxias conhecida como UGC 9555 – localizada a 820 milhões de anos-luz da Terra.

Descobrir um objeto como esse não é fácil.
O LOFAR atua no comprimento de onda específico para esse tipo de descoberta, mas nesse caso foram necessários 3616 apontamentos e cada apontamento tem que ser verificado manualmente depois da calibração e do imageamento. Ou seja, é muito trabalho para descobrir um objeto como esse.

As GRGs não são objetos tão raros assim, mas as maiores não são muitas.

O que chama a atenção dos astrônomos nesse caso é a proximidade dessa GRG.
Isso é muito interessante pois os astrônomos poderão investigar em detalhe os lobos de ondas de rádio, estudando sua morfologia e a interação dessas estruturas com o ambiente ao redor.

Essa rádio-galáxia foi descoberta com dados, digamos, básicos do LOFAR, numa primeira passagem dele por uma determinada região do céu.
Como é uma galáxia gigantesca, rapidamente ela pôde ser identificada.

Os astrônomos irão agora fazer observações mais profundas dessa rádio-galáxia para poder definir com maior precisão suas propriedades e eles esperam que até ao final do ano possam publicar imagens mais espetaculares dessa gigantesca galáxia.

Fontes: AstroWatch, Artigo Científico

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.