Google+

«

»

Mai 18

Alimentando uma estrela bebé com um hamburger poeirento

Créditos: ALMA (ESO/NAOJ/NRAO) / Lee et al.

Esta imagem curiosa pode parecer uma coleção de nós coloridos, mas na realidade trata-se de uma imagem de alta resolução de uma estrela recém nascida envolvida em poeira. Situada a apenas 1300 anos-luz de distância, na constelação de Orion, a estrela HH212 é muito jovem. A vida média de uma estrela de pequena massa como esta é de cerca de 100 mil milhões de anos, mas esta jovem estrela tem apenas 40 000 anos de idade — uma bebé em termos estelares.

Nos núcleos das vastas nuvens moleculares nas regiões de formação estelar, é travada uma batalha constante entre a gravidade e a pressão do gás e da poeira. Se a gravidade ganha, o gás e a poeira colapsam para formar um núcleo denso quente que eventualmente se acende, dando origem a uma protoestrela. O gás e a poeira restantes formam um disco em rotação em torno da estrela recém nascida e, em muitos sistemas estelares, estes discos dão eventualmente origem a planetas. Estes discos protoestelares extremamente jovens têm sido difíceis de observar devido ao seu tamanho relativamente pequeno, mas agora a extraordinária resolução do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) torna possível compreender os detalhes intrincados da formação estelar e planetária.

Um olhar de perto à HH 212 revela um trilho escuro proeminente de poeira fria a atravessar o disco, colocado entre duas regiões mais brilhantes que são aquecidas pela protoestrela, resultando numa forma que faz lembrar um “hamburger cósmico”. Esta é a primeira vez que os astrónomos descobriram tal trilho de poeira nas fases mais iniciais da formação estelar, o que poderá fornecer-nos pistas sobre como se formam os sistemas planetários.

Fonte (transcrição): ESO

Acerca do autor(a)

Carlos Oliveira

Carlos F. Oliveira é astrónomo e educador científico.
Licenciatura em Gestão de Empresas.
Licenciatura em Astronomia, Ficção Científica e Comunicação Científica.
Doutoramento em Educação Científica com especialização em Astrobiologia, na Universidade do Texas.
Criou e leccionou durante vários anos um inovador curso de Astrobiologia na Universidade do Texas.
Foi Research Affiliate-Fellow em Astrobiology Education na Universidade do Texas em Austin, EUA.
Trabalhou no Maryland Science Center, EUA, e no Astronomy Outreach Project, UK, recebeu dois prémios da ESA, e realizou várias palestras e entrevistas nos media.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>