Google+

«

»

Mai 18

Mais um Buraco Negro chutado do centro da sua galáxia

Créditos: raios-X: NASA/CXC/NRAO/D.-C.Kim; Ótico: NASA/STScI;
Ilustração: NASA/CXC/M.Weiss

Os buracos negros supermassivos encontrados no interior das galáxias são considerados, na sua maioria, objetos estacionários.
Além disso normalmente eles marcam o centro das galáxias, pois estão localizados bem no meio delas.

No entanto, já existe exemplo de um buraco negro supermassivo que pode ter sido deslocado do centro da sua galáxia como resultado da colisão de dois buracos negros no processo de fusão de duas galáxias (aqui).
Essa fusão gerou ondas gravitacionais e essas ondas deslocaram o buraco negro resultante.

Aparentemente esse processo não é assim tão raro.

Estudando uma galáxia que está a 3.9 bilhões de anos-luz de distância da Terra e que tem um buraco negro com uma massa equivalente a 160 milhões de vezes a massa do Sol, os astrônomos notaram que ele não está localizado no centro da galáxia.

Os pesquisadores dizem que esse buraco negro pode ter sofrido um “coice” quando dois buracos negros menores colidiram.
Esse coice ou recuo seria como quando você dá um tiro com uma arma de fogo.

Quando as galáxias se fundiram, os buracos negros colidiram e geraram ondas gravitacionais.
Esse processo de colisão fez com que o buraco negro resultante sofresse esse recuo e se movesse na direção oposta.

A intensidade desse recuo depende da taxa de rotação e da direção de rotação dos buracos negros menores antes de colidirem.

Para chegar a essa conclusão, a tarefa não foi fácil.
Os astrônomos usaram o catálogo SDSS e, com o Chandra, procuraram por fortes emissões de raios-X.

Então, usaram o Hubble para ver se essas galáxias com fortes emissões de raios-X apresentavam um pico duplo perto do centro da imagem.
Esse pico duplo é que caracteriza ou a presença de dois buracos negros ou um buraco negro recuado.

Quando esses critérios foram cumpridos, os pesquisadores analisaram então o espectro.
Se no espectro fosse encontrada uma assinatura que indicava a presença de um buraco negro supermassivo, eles prosseguiam com uma análise detalhada da galáxia.

Depois de toda essa busca, os pesquisadores escolheram um candidato a buraco negro recuado.
Ele apresenta-se cerca de 3000 anos-luz deslocado do centro da galáxia.

A galáxia onde ele está localizado apresenta evidências de regiões externas perturbadas, indicando o processo de fusão que aconteceu no passado recente.

Além disso, a galáxia apresenta uma elevada taxa de formação de estrelas.

Ou seja, tudo colabora com a ideia de que ela é o resultado da fusão de duas galáxias menores.

Os astrônomos precisam estudar mais a fundo essa galáxia e esse buraco negro, com a finalidade de ter a certeza se ele é um buraco negro recuado.
Ainda existe a possibilidade de ser um par de buracos negros no centro da galáxia, com um deles não emitindo radiação detectável.

Fontes: Chandra Observatory, Artigo Científico

Acerca do autor(a)

Sérgio Sancevero

Formado em Geofísica pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Engenharia do Petróleo pela Universidade de Campinas (UNICAMP), e Doutor em Geociências também pela Universidade de Campinas (UNICAMP).
Divulgador de Astronomia no SpaceToday.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>