Um Mosaico da Via Láctea

A Via Láctea é a galáxia a qual pertence o nosso sistema solar. Em um local escuro e afastado das luzes citadinas é possível visualizar uma mancha que atravessa todo o céu, também conhecida por “Estrada de Santiago”. Essa mancha corresponde ao braço da Via Láctea onde está localizado o nosso sistema solar, como outros sistemas solares e objectos astronómicos.

Clique na próxima imagem para ver em alta resolução:


Na imagem anterior é possível visualizar vários objectos astronómicos, desde enxames de estrelas, nebulosas de emissão, nuvens estelares, etc…

A Nebulosa da Lagoa é uma das nebulosas mais conhecidas e um dos alvos preferidos dos astrónomos amadores. Inclusive, é muito fácil de visualizar a olho nu. Ao utilizarmos um telescópio é possível observar a nebulosa com maior detalhe e distinguir as estrelas de um aglomerado aberto (NGC 6530), que nesta está contido.

Ampliação da imagem:

Telescópio Newton com 254mm/1200mm:


Outra nebulosa muito conhecida é a Nebulosa da Águia onde estão localizados os famosos pilares da criação, zonas de formação estelar. Quando observamos o espaço sideral estamos a observar o passado. Como este  objecto está situado a cerca de 7000 anos luz de distância, observamos como ele era há 7000 anos atrás. Devido a ventos estelares formados na região supõe-se que actualmente os pilares já não existam, ou seja, por outras palavras estamos a observar uns pilares fantasmagóricos.

Ampliação da imagem:

Telescópio Newton com 254mm/1200mm:

Foto guardada – aplicadas configuracoes.


Um dos aglomerados abertos de estrelas mais bonitos que podemos observar é o Aglomerado do Pato Selvagem. Entre os vários aglomerados abertos conhecidos, este é um dos aglomerados mais compactos que existe na nossa Via Láctea. Possui quase 3000 estrelas com uma idade média de 250 milhões de anos.

Ampliação da imagem:

Telescópio Newton com 254mm/1200mm:


Outra nebulosa muito conhecida é a Nebulosa Omega, também conhecida por Nebulosa do Cisne ou ainda Nebulosa da Ferradura. O seu nome está associado à forma que esta nebulosa aparenta e varia conforme a época ou a “civilização” que a observou. Como a Nebulosa da Águia, esta também é uma região de formação estelar.

Ampliação da imagem:

Telescópio Newton com 254mm/1200mm:


Fontes:  Mergulhos no Oceano Cósmico   |   http://www.cedricpereira.space/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.