Você conhece Perry Rhodan?

Perry Rhodan, líder da Humanidade. Ao fundo, a frota da poderosa nave Titã

Imagine um futuro em que a Humanidade faz contato com uma civilização extraterrestre, apropria-se de sua tecnologia e inicia sua conquista das estrelas; coloniza o espaço profundo e expande um vasto império que cobre o Sistema Solar, além de naves colossais do tamanho de cidades inteiras, que cruzam a galáxia e a conquistam. Tem contato, conflitos e alianças com inúmeras outras civilizações, descobre mundos e seres cada vez mais exóticos à medida que avança para outras galáxias e dimensões, viaja no tempo e descobre segredos profundos sobre a sua própria origem. Tudo isso e muito mais encontra-se na série de livros de ficção científica Perry Rhodan, que inspirou outros livros, filmes e séries, além de pessoas, como outros autores, cientistas e até astronautas. A série começou a ser publicada em 1961, na Alemanha, e chegou a mais de 2.320 histórias em 2006, sendo um grande sucesso de público e crítica. Faz parte do gênero  space opera, juntamente com Star Trek e Star Wars.

Alerta: a partir daqui, há spoilers!

Enredo: A conquista do Espaço pela Humanidade

Logo na primeira missão à Lua a humanidade tem um contato imediato. Na superfície de nosso satélite o Major da força aérea americana, Perry Rhodan, e sua tripulação encontram uma grande nave extraterrestre acidentada. Com a ajuda de seus ocupantes, eles se apropriam da tecnologia alienígena e unificam a humanidade, iniciando sua conquista do espaço.

Ao explorar o sistema solar descobrem novas formas de vida, instalações alienígenas e os meios para avançar até às estrelas, cruzando a Via Láctea. Quando supera os desafios e encontra o seu lugar entre as civilizações que dominam a galáxia, a humanidade vai mais além e explora outras galáxias.

A trama atravessa os milênios no futuro, e alguns personagens, como o próprio líder da espécie humana, Perry Rhodan, obtém relativa imortalidade. Surgem personagens humanos e alienígenas com “poderes” especiais, mutantes que anteciparam vários passos na evolução física dos seres vivos. Feitos como telecinese, telepatia e teletransporte estão presentes desde as primeiras histórias.

Tecnologia Humana

A humanidade mantém o mesmo estilo da tecnologia apropriada dos alienígenas, e é uma das coisas que mais gosto. O estilo das cidades é um enorme fluxo de veículos voadores e trens/comboios hiper-sônicos que atravessam continentes e oceanos. No espaço, a Terra é cercada por bases orbitais tão grandes que parecem luas, até pelo frequente formato esférico, também mantido nas naves espaciais. As naves tem de dezenas a centenas de metros de diâmetro nos primeiros arcos de histórias da série, e chegam a quilômetros diametrais nas séries seguintes. Cada uma dessas naves leva consigo uma tripulação equivalente à população de cidades, e pessoas podem nascer e passar suas vidas no espaço, longe da agitada capital do império: a própria Terra. A Lua tem uma importância tão grande na trama que sedia o principal e mais poderoso computador da humanidade, que processa todas as informações na gerência desse vasto império.

Tecnologias Alienígenas

A capacidade tecnológica das várias civilizações conhecidas nem sempre é determinante sobre seu sucesso no domínio galáctico. Algumas potências bem mais avançadas que a humanidade simplesmente perderam espaço, ou decaíram por conta própria. O que vale mais para vencer os desafios do espaço é a perseverança e o espírito de se aventurar em “águas misteriosas”, muito presente na espécie humana.

O ciclo que mais apreciei foi o terceiro: “Os Posbis”. Neste, o império humano junto com civilizações amigas e inimigas enfrenta um oponente em comum: uma potência cósmica composta por super-máquinas pensantes que odeiam seres vivos, os chamados Posbis. Eles se caracterizam por gigantescas naves de formato cúbico (contrastando com as naves esféricas dos humanos e aliados), que podem se fragmentar em naves menores e se juntarem novamente durante o combate, tornando-se um inimigo complexo de se enfrentar.

Personagens Principais

Embora Perry Rhodan concentre o protagonismo da série, vários outros personagens obtém grande destaque, muitos deles vivendo sua própria história sem nenhum contato direto com o líder da humanidade.

O gigante de vermelho é um alien humanoide de quatro braços e três olhos, Icho Tolott, aliado da humanidade. Pertence a uma espécie antiga e avançada, que dominou a galáxia por séculos antes dos humanos.

Gucky: alien semelhante a um rato humanóide; personagem cômico, porém dotado de enormes poderes mentais

Atlan: líder do império dos Arcônidas, que são semelhantes aos humanos porque têm ancestralidade comum

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alienígenas

O universo Perry Rhodan é repleto de formas de vida superiores, e entre as histórias é comum conhecer seres de inteligência em vários estágios de desenvolvimento, e também mundos repletos de vida exótica, assim como reconhecer formas similares a animais e plantas terrestres. É comum também existirem seres sintéticos, de robôs a organismos orgânicos, ou híbridos entre esses tipos. Existem naves espaciais orgânicas, indistinguíveis de seres vivos comuns.

Alguns seres vivem em estrelas resplandescentes, e outros nem precisam viver na superfície de qualquer mundo, como animais colossais que vivem em pleno espaço sideral. Outros se alimentam de energia pura, são feitos disso ou se transformam nisso.

Entre os seres inteligentes a forma humanoide é predominante, tendo também espécies tão compatíveis geneticamente que podem cruzar com humanos. Porém no decorrer das histórias é revelado uma ancestralidade comum de nível interplanetário, que explica em parte essa compatibilidade.

Nos arcos mais avançados de histórias conhecem-se as chamadas ‘Superinteligências’: formas de vida que se desenvolveram tanto a ponto de abandonar a existência física, orgânica e individual, pra se tornar uma única essência elementar. Seu poder tecnológico pode praticamente distorcer a realidade, o que os torna indistinguíveis de deuses reais.

Considerações:

Perry Rhodan é uma leitura fascinante e instigante, e como cada livro é uma história própria não há problema em começar por qualquer título que encontrar. Nas versões em português logo nas primeiras páginas há um resumo dos arcos de história e o que aconteceu na história anterior, que ajudam a situar o leitor antes de começar a conhecer a obra.

Há várias partes que parecerão erros ou até absurdos, como, por exemplo, o planeta Vênus ser tropical, cheio de vida e ter até dinossauros; quando na realidade sabemos hoje que é desértico e infernal. Porém os primeiros ciclos foram escritos na década de 70, antes das primeiras sondas desvendarem o véu da grossa atmosfera que oculta a superfície de Vênus.

Independente disso, é uma leitura fantástica e inspiradora pra quem gosta de ficção científica espacial.

Agradecimento: Núrya Ramos, pelo apoio e revisão gramatical

9 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Pelo que entendi a série continua sendo publicada com aventuras inéditas. É isso? Então nunca terá um fim?

    1. Foi lançado hoje na Alemanha o n° 2985 da série. Existe uma programação de eventos para fevereiro de 2019, quando será lançado o episódio número 3.000 que abrirá o 42° ciclo da série.

      A ideia quando a série estreou em 1961 era lançar de 30 a 50 episódios, de acordo com a receptividade dos leitores e parar por aí. Mas o sucesso foi tão grande que a série continua até hoje, traduzida em vários países, inclusive no Japão e tem vários fã-clubes. Então não existe plano de um fim previsível, pois continua tendo boa aceitação e vendas.

      https://delgado-projeto.blogspot.com/2018/11/lancamento-da-semana.html?m=1

  2. A série vem sendo publicada semanalmente de modo ininterrupto na Alemanha, desde 1961, e já está no nº 2964 na série principal, já que existem outras séries e minisséries derivadas.

    No Brasil surgiu em 1966, em um volume duplo, contendo os dois primeiros episódios, mas só começou a ser lançada periodicamente como série a partir de 1975, pela Ediouro, um selo da Tecnoprint. Ela lançou 536 volumes dá série, entre 1975 e 1991, quando foi cancelada.

    Hoje o Projeto Traduções lança histórias inéditas da série em português, tendo lançado do nº 537 ao 649, e do 1400 em diante; hoje está por volta do nº 1530, no 22º ciclo. Além da série principal, o Projeto traduz os Romances Planetários, Atlan, minisséries diversas e a nova série Perry Rhodan NEO, um reboot da série clássica.

    Os 536 volumes publicados pela Ediouro são facilmente encontrados em sebos, no mercado livre, e no formato digital, em vários sites na internet para download.

    https://delgado-projeto.blogspot.com

    https://www.facebook.com/delgado.perryverso/

    https://www.facebook.com/groups/projeto.traducoes/

    http://www.projtrad.org/

  3. Já li até o numero 299 completando os primeiros 5 ciclos. É realmente um universo para os aficcionados. estou a procura dos outros episódios. Quem comercializa hoje só tem a partir do 650. se alguem tiver os ciclos 6, 7, 8, me interesso muito. alexpucminas@gmail.com.

      • Laís Rodrigues Martins on 20/11/2018 at 03:23
      • Responder

      Olá vc ja leu a espaçonave negra ? Preciso faser um resumo mas não acho o livro aqui na minha cidade

    • Antonio Mamede on 16/11/2017 at 16:08
    • Responder

    Fez parte da minha vida a leitura dos livros de bolso ! Sou muito fã . Muito bom

  4. Desconhecia! Vou ter que encontrar e começar a ler… 😉

    1. Os primeiros livros da série, que foram publicados no Brasil pela EdiOuro estão disponíveis na internet com a aprovação da (já extinta) editora. Então é bem fácil de encontrar.
      Atualmente existem duas formas de ler os livros mais atuais. A editora SSPG faz publicações oficiais e existe um grupo que faz traduções de fã para fã, chamado “Projeto de Traduções Perry Rhodan”. Procure no Google que eh o primeiro link a aparecer 🙂

      1. Obrigado 😉

Responder a Delgado Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.