Das estrelas de neutrões para a sua tiróide

A descoberta recente de ondas gravitacionais e uma erupção de raios gama associadas a uma colisão de estrelas de neutrões na galáxia NGC 4993 confirmou uma teoria que vinha ganhando momento na última década e que sugere que os elementos mais pesados da tabela periódica (e.g., ouro, platina, urânio e tório) são formados maioritariamente nestes eventos.

A galáxia NGC 4993 observada pelo telescópio espacial Hubble. O ponto luminoso de cor dourada junto ao centro e aproximadamente na posição das 10 horas é o brilho remanescente da colisão de estrelas de neutrões detectada pelos observatórios de ondas gravitacionais LIGO e Virgo e pelo observatório de raios gama Fermi.
Crédito: NASA & ESA

Eventos como as colisões de estrelas de neutrões são tão extraordinários e distanciados da nossa percepção quotidiana do mundo que nos rodeia que é difícil imaginar que tenham alguma relação connosco ou alguma influência na nossa existência. No entanto, a descoberta referida mostra que tal não poderia estar mais longe da verdade. Senão, veja a imagem seguinte de uma tabela periódica em que se indicam os processos astrofísicos responsáveis pela produção dos vários elementos químicos. O corpo humano precisa de muito poucos elementos pesados, elementos acima do grupo do ferro-zinco (Fe-Zn, na quarta fila), mas um deles é mesmo fundamental: o iodo (símbolo “I”, na quinta fila, do lado direito, o número 53).

A origem astrofísica dos diferentes elementos químicos.

O iodo é um constituinte das hormonas que regulam o metabolismo nas células do corpo humano e que são produzidas pela glândula tiróide. As hormonas são designadas por T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina) e é bem possível que tenha já feito análises em que a concentração destas hormonas no sangue foi avaliada. Olhe de novo para a tabela periódica. A maior parte do iodo que existe no Universo foi produzido precisamente em colisões de estrelas de neutrões como a que originou as ondas gravitacionais GW170817, detectadas pelos observatórios LIGO e Virgo, e a erupção de raios gama SGR170817A, detectada 1.7 segundos depois pelo telescópio espacial de raios gama Fermi, no passado mês de Agosto.

A estrutura química da hormona T3, com três átomos de iodo na sua composição.
Fonte: Wikipedia

A estrutura química da hormona T4, com quatro átomos de iodo na sua composição.
Fonte: Wikipedia

O astrónomo e incomparável comunicador de ciência Carl Sagan disse um dia:

“O nitrogénio no nosso ADN, o cálcio nos nossos dentes, o ferro no nosso sangue, o carbono nas nossas tartes de maçã foram feitos nos interiores de estrelas em colapso. Somos feitos de material das estrelas.”

A descoberta da colisão na NGC 4993 mostra que somos também, um pouco, material de estrelas de neutrões há muito desaparecidas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.