Das estrelas de neutrões para a sua tiróide

A descoberta recente de ondas gravitacionais e uma erupção de raios gama associadas a uma colisão de estrelas de neutrões na galáxia NGC 4993 confirmou uma teoria que vinha ganhando momento na última década e que sugere que os elementos mais pesados da tabela periódica (e.g., ouro, platina, urânio e tório) são formados maioritariamente nestes eventos.

A galáxia NGC 4993 observada pelo telescópio espacial Hubble. O ponto luminoso de cor dourada junto ao centro e aproximadamente na posição das 10 horas é o brilho remanescente da colisão de estrelas de neutrões detectada pelos observatórios de ondas gravitacionais LIGO e Virgo e pelo observatório de raios gama Fermi.
Crédito: NASA & ESA

Eventos como as colisões de estrelas de neutrões são tão extraordinários e distanciados da nossa percepção quotidiana do mundo que nos rodeia que é difícil imaginar que tenham alguma relação connosco ou alguma influência na nossa existência. No entanto, a descoberta referida mostra que tal não poderia estar mais longe da verdade. Senão, veja a imagem seguinte de uma tabela periódica em que se indicam os processos astrofísicos responsáveis pela produção dos vários elementos químicos. O corpo humano precisa de muito poucos elementos pesados, elementos acima do grupo do ferro-zinco (Fe-Zn, na quarta fila), mas um deles é mesmo fundamental: o iodo (símbolo “I”, na quinta fila, do lado direito, o número 53).

A origem astrofísica dos diferentes elementos químicos.

O iodo é um constituinte das hormonas que regulam o metabolismo nas células do corpo humano e que são produzidas pela glândula tiróide. As hormonas são designadas por T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina) e é bem possível que tenha já feito análises em que a concentração destas hormonas no sangue foi avaliada. Olhe de novo para a tabela periódica. A maior parte do iodo que existe no Universo foi produzido precisamente em colisões de estrelas de neutrões como a que originou as ondas gravitacionais GW170817, detectadas pelos observatórios LIGO e Virgo, e a erupção de raios gama SGR170817A, detectada 1.7 segundos depois pelo telescópio espacial de raios gama Fermi, no passado mês de Agosto.

A estrutura química da hormona T3, com três átomos de iodo na sua composição.
Fonte: Wikipedia

A estrutura química da hormona T4, com quatro átomos de iodo na sua composição.
Fonte: Wikipedia

O astrónomo e incomparável comunicador de ciência Carl Sagan disse um dia:

“O nitrogénio no nosso ADN, o cálcio nos nossos dentes, o ferro no nosso sangue, o carbono nas nossas tartes de maçã foram feitos nos interiores de estrelas em colapso. Somos feitos de material das estrelas.”

A descoberta da colisão na NGC 4993 mostra que somos também, um pouco, material de estrelas de neutrões há muito desaparecidas!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.