FRBs: Estrelas de Axions colidindo com Buracos Negros?

Crédito: Alfred Pasieka / SPL

O que são as explosões rápidas de rádio (Fast Radio Bursts)?

Esse é um dos grandes mistérios da astronomia atual, e por incrível que pareça a explicação pode estar se juntarmos as FRBs junto com outra coisa misteriosa: a matéria escura.
Essa é a hipótese proposta por um pesquisador japonês.

Ninguém sabe ao certo o que é a matéria escura. Uma das hipóteses é que ela seja formada de áxions. Os áxions seriam partículas fundamentais muito leves, que viveriam muito tempo que somente interagiriam de maneira bem fraca com outra matéria ao seu redor, ou seja, preenchendo os requisitos da matéria escura.
Para o pesquisador japonês, como o universo no seu início era menor, ele oferecia mais chances para que os áxions se atraíssem e poderiam até mesmo formar estrelas de áxions. Essas estrelas poderiam surgir perto do centro das galáxias e teriam a possibilidade de passar perto dos buracos negros supermassivos ali localizados. Como poderiam ter muitas estrelas de áxions, algumas poderiam colidir com o disco de acreção do buraco negro. Nessa colisão, o campo magnético do disco faria com que os áxions decaíssem para fótons individuais e então seriam vistos da Terra como uma explosão rápida de ondas de rádio.

Essa hipótese explicaria muita coisa sobre as FRBs, incluindo o facto de algumas se repetirem em intervalos irregulares.

A ideia do pesquisador japonês é boa e poderia ser suportada pela física tradicional e fontes exóticas para explicar fenômenos inexplicados. Os áxions são atrativos para explicar a matéria escura pois eles conseguem resolver muitas questões sem grandes adições ao chamado modelo padrão de partículas.

Mas existem outras explicações para as FRBs que precisam ser testadas antes, como tipos de supernovas, fontes de raios gama, magnetars em nebulosas de ventos entre outros.

Fontes: New Scientist, artigo científico

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.