Desvendando os segredos das regiões permanentemente sombrias da Lua

Localização das regiões permanentemente sombrias do polo sul da Lua.
Crédito: NASA/GSFC/Arizona State University.

As regiões permanentemente sombrias (RPS) da Lua são pequenas áreas no interior de crateras localizadas nas proximidades dos polos lunares, que se encontram inacessíveis à luz solar direta. Com temperaturas que oscilam entre os -248 ºC e os -203 ºC, estas áreas poderão ter acumulado, ao longo de centenas de milhões de anos, quantidades significativas de água e de outros compostos voláteis. Caso se confirme a sua existência, estes depósitos poderão revelar-se decisivos para o futuro da exploração humana da Lua.

As câmaras do sistema de imagem da Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO) foram concebidas para obterem imagens de porções iluminadas da Lua, pelo que apenas conseguem observar algumas RPS fracamente iluminadas pela luz solar refletida pelas encostas vizinhas aumentado o tempo de exposição. Devido ao movimento da sonda, estas imagens têm tipicamente píxeis alongados, o que impede o mapeamento destas áreas com uma resolução superior a 10 metros por píxel. Esta escala é insuficiente para que estas imagens possam ser usadas no planeamento de futuras alunagens nestes locais recônditos da superfície lunar.

Para contornar as limitações das câmaras da LRO, a NASA está neste momento a construir uma nova câmara especificamente desenhada para observar as RPS. Denominada ShadowCam, esta câmara terá cerca de 800 vezes a sensibilidade luminosa das câmaras da LRO e deverá ser capaz de mapear as RPS com uma resolução máxima de 2 metros por píxel. A ShadowCam irá ser instalada na Korea Pathfinder Lunar Orbiter (KPLO), a primeira missão do Instituto de Investigação Aerospacial da Coreia do Sul, com lançamento agendado para dezembro de 2020.

Para facilitar a tarefa da ShadowCam, a equipa do sistema de imagem da LRO produziu um atlas das regiões polares da Lua onde figuram todas as RPS com uma área igual ou superior a 10 km2 localizadas nos dois polos, acima dos 81º de latitude. Este trabalho inclui imagens em alta resolução de algumas RPS, acompanhadas de detalhes acerca da sua localização, área e percentagem de mapeamento até agora realizado.

Podem fazer o download deste atlas aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.