Rewind

Vi recentemente o filme Rewind, um filme de 2013.

Um Prémio Nobel da Física faz explodir uma bomba nuclear em NY, matando 9 milhões de pessoas.
Ele fez isso, porque sabia da existência de uma máquina do tempo, e sabia que o Governo Americano, para salvar NY, iria enviar uma equipa para o passado para evitar este ataque terrorista.

A única forma de prevenir esse ataque seria evitar que a mulher do físico fosse assassinada (se matassem o físico, o mundo seria muito diferente do atual e o mundo ficaria a perder).

Assim, a equipa viaja no tempo e previne o assassinato da esposa dele, salvando assim NY.

No final, a máquina do tempo é utilizada, obviamente, para o mal pelos militares e as coisas dão para o torto.
Como dão errado? Não se sabe. O filme era para continuar como série, mas a série nunca chegou a ser feita.

Pessoalmente, gosto bastante das histórias com viagens no tempo… apesar de cientificamente incorretas.
Nunca existe qualquer explicação científica (credível) das máquinas.
E os viajantes nunca viajam no espaço, mas somente no tempo: o que faria com que ficassem sempre a flutuar no vácuo espacial caso viajassem para o passado ou para o futuro (já que a Terra não estaria no mesmo local).

Também não se entende como neste filme eles passam o mesmo tempo no passado que se passa no presente. Supostamente, a passagem do tempo deveria ser independente, já que eles poderiam voltar um minuto após viajarem na máquina.

O filme tem uma pergunta muito interessante: o que mudaríamos no passado na nossa vida pessoal? Será que mudaríamos alguma coisa? É que se mudássemos, deixaríamos de ser quem somos atualmente…

Adorei uma citação no filme, feita aquando da primeira vez em que eles vão a entrar na fenda do tempo: “One small step for man, one giant leap backwards for mankind”.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.