O Sinal

3 amigos perseguem um hacker genial: NOMAD.
Vão ter a uma casa abandonada. E são raptados.

Um dos raptados, Nic, acorda num laboratório avançado (onde posteriormente percebe que também estão os seus amigos).

Fazem-lhe vários interrogatórios.
Apesar do laboratório ser avançado, continua a gravar os interrogatórios em gravadores dos anos 1980s.
Testam a inteligência de Nic com vários jogos de lógica.

Nic repara que tem nos braços os números 2.3.5.41 . Com os amigos, ele depreende que tem que somar esses números, o que dá Área 51.

Damon, o cientista que lida mais com ele no laboratório, diz-lhe que ele (Nic) entrou em contacto com vida extraterrestre e tem que ficar em quarentena naquele laboratório.

Nic percebe que outras experiências estão a decorrer no laboratório. Experiências estranhas. E com seres muito poderosos.

Nic tenta fugir do laboratório, mas é apanhado.

A seguir, dá-se conta que foi infectado.

Depois, percebe que é bastante forte. E que tem novas pernas (mecânicas), que o fazem bastante rápido.
Basicamente, desenvolveu super-poderes com base em tecnologia alienígena.
Com isso, tenta fugir novamente.

Nic consegue fugir do laboratório.
Mas cá fora, o deserto americano não lhe permite arranjar ajuda de jeito. As poucas pessoas que encontra são muito estranhas. E nenhum telefone funciona.

No final, Nic percebe que o hacker que andou a perseguir no início é Damon (Nomad invertido), o cientista da organização secreta que o raptou.
E Damon é um androide alienígena, como deverão ser os outros investigadores no laboratório.
Na verdade, o “laboratório” é uma gigantesca nave espacial que está no espaço. A designação dessa nave é 2.3.5.41 que são os números que Nic tem no braço.

O filme é bastante estranho, como se fosse um daqueles episódios de Twilight Zone.
Também faz lembrar a Alegoria da Caverna, de Platão, no sentido de que ele não está a ver a realidade, mas somente as “sombras” da realidade, como se estivesse dentro de realidade virtual onde nada é o que parece.

Não entendi o objetivo de desenvolver super-poderes, quando esse assunto não parece estar na base do filme.

The Signal é um filme muito estranho e confuso.

Pessoalmente, não gostei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.