Safiras Azuis no Aglomerado Globular de Hércules

Aglomerado globular M13. Créditos: Jim Misti / Ruben Barbosa

O Grande Aglomerado Globular em Hércules, cheio de safiras azuis, majestoso símbolo do amor eterno.
Esta é a casa de milhares de estrelas, desfrutando de uma beleza fragrante e envolvente, uma dança instável por não saber lidar com o seu interior, gravitando na defensiva, um “golpe mortal” à espera de ser desferido de surpresa.

Uma delas é diferente, o seu brilho é cercado por um enorme esplendor. Escuto-a com cuidado, sinto-a profundamente e percebo o quão sedutora, intensa e delicada ela é.

Eu vi o cometa Halley a passar por mim e isso me fez sentir especial, mas essa estrela ainda está brilhando até hoje no norte do céu noturno, esperando ser tocada por uma serenata de sorrisos arrebatadores.
Como eu gostaria que ela encontrasse seu destino!

@ Ruben Barbosa, in Astronomia com Poesia.

M13 ou NGC 6205 é um aglomerado globular de estrelas localizado na direção da constelação de Hércules, a 25.000 anos-luz de distância e com um diâmetro de 145 anos-luz.

Com magnitude aparente de 5.8, pode ser observado a olho nu como uma mancha difusa num céu bem escuro mas a sua beleza só pode ser contemplada com o uso de um bom telescópio. É um alvo de eleição dos astrofotografos.

Curtas exposições revelam uma surpresa: dentro do núcleo, a nordeste, podem ser observadas três faixas escuras subtis, perdidas no brilho do núcleo, que se juntam para formar a letra “Y” (visível nesta imagem).

Como todas as estrelas dum aglomerado se formam ao mesmo tempo, elas possuem a mesma idade. Um aglomerado jovem caracteriza-se por exibir as suas estrelas na sequência principal mas, à medida que o tempo passa, as mais massivas (pertencentes ao topo do diagrama HR) evoluem para gigantes vermelhas. Como tal, quanto mais velho for o aglomerado, menos estrelas possuirá no topo da sequência principal. Para construir o diagrama HR de um aglomerado, temos de efetuar a fotometria de tantas estrelas quanto possível. E para M13, o diagrama é o seguinte:

Diagrama HR M13.

Na sequência principal só existem estrelas de baixa massa (G, K e M); as mais massivas (acima do ponto de turn-off) já esgotaram o seu combustível e evoluíram para o ramo das gigantes vermelhas há milhões de anos atrás. Como tal, a idade deste aglomerado é estimada de 10 a 12 mil milhões de anos, quase tantos como pensamos que terá o Universo observável.

Contendo entre 100.000 a 1.000.000 de estrelas tão próximas, se existir vida no aglomerado, então deverá estar perfeitamente adaptada e dependente da luz, pois com tantas estrelas, a noite não existe e o pôr-do-sol acontece a toda a hora em todas as direções, sem que se note.

Uma das primeiras mensagens de rádio enviadas para o espaço no sentido de anunciar a nossa presença a uma eventual civilização extraterrestre, foi em 1974, a mensagem de Arecibo. O motivo principal, além da proximidade com a Terra e a sua idade, foi a elevada densidade estrelar ser interpretada como uma maior probabilidade de albergar vida inteligente.

A mensagem demorará cerca de 25.000 anos a chegar ao seu destino e a resposta nunca chegará antes do ano 52.000, possivelmente algum tempo após o declínio da nossa civilização. Porém, o facto das estrelas se moverem em relação umas às outras, faz com que exista uma grande incerteza quanto à mensagem atingir o seu destino, mas como o alvo é composto de centenas de milhares de estrelas, talvez venha atingir alguma estrela. Mesmo no que respeita à distância ao aglomerado, se efetuarmos uns cálculos rápidos utilizando a expressão do módulo da distância, verificamos:

  • Para estrelas gigantes mais brilhantes, com magnitude absoluta igual a 3, obtemos distância (mínima) de 16.000 anos-luz e
  • Para estrelas supergigantes lb, com magnitude absoluta de 4,5, a distância (máxima) será de 32.000 anos-luz.

Como podemos ver, existe uma grande diferença entre os nossos valor mínimo e máximo, pelo que a distância de 25.000 anos-luz possui uma razoável incerteza.

Quanto ao seu futuro, a gravidade continuará a manter este aglomerado embora as estrelas semelhantes ao Sol evoluirão para anãs brancas e, as mais massivas para estrelas de neutrões ou buracos negros. Mas isso não será para já e da próxima vez que olharmos para o céu, poderemos contemplar toda a sua beleza.

* Plataforma “O Universo em Fotografia”.

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. This Master Work comes from the Heart Of GOD.

    It´s a Gift fol all Mankind. A proof of HIS Unconditional LOVE.

    My GOD shower blessings of LOVE, health, Joy, Hapiness, abundance, prosperity, to the team that build this work and there Loved ones.

    Contemplating the Universe is falling in LOVE with GOD.

    One act of LOVE for one of HIS greatist creation´s.

    HE replys, creating more celestial body´s so we keep on Contemplating.

    Dear Master and Enginner Ruben Barbosa, you have a GIFT, you were born for this. Don´t ever stop.

    1. “In the name of love”, ;). Thank you Dilma. As long as Love prevails, poetry will always be present in our daily lives.

  2. I am Grateful for having the blessing of seeing this beautiful image and reading, this beautiful words.

    The most beautiful i have ever read…

    Thank you

    1. Thank you for such a deep and heartfelt compliment that leaves me silent, without words to thank. It is a case to say that this will also be the most beautiful comment I have read to date.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.