Sob o Cruzeiro do Sul

Crédito: ESO / B. Tafreshi

Esta fotografia obtida durante a Expedição Ultra HD ao Observatório de La Silla do ESO, no Chile, mostra o telescópio dinamarquês de 1,54 metros observando o céu noturno estrelado. O Cruzeiro do Sul — um dos asterismos mais característicos — pode ser visto do lado esquerdo da cúpula aberta do telescópio, aninhado no plano da Via Láctea.

A constelação do Cruzeiro do Sul é bem conhecida pela sua forma em cruz, composta por quatro estrelas — Alfa, Beta, Gama e Delta Crucis. A estrela mais próxima das quatro, Gama Crucis, situa-se a apenas 88 anos-luz de distância da Terra, enquanto a mais afastada se situa a 364 anos-luz. A estrela azul-esbranquiçada, a Alfa Crucis, que se encontra na ponta de baixo da Cruz, é a 13ª estrela mais brilhante de todo o céu noturno.

A mancha escura situada mesmo por cima do Cruzeiro do Sul trata-se da Nebulosa do Saco de Carvão, uma das mais proeminentes nebulosas escuras visíveis a olho nu. Esta nuvem opaca de poeira interestelar obscurece a radiação emitida por estrelas mais distantes, criando assim o que parece ser um espaço vazio de estrelas no seio da Via Láctea. A extremamente vermelha nebulosa de emissão IC 2948 e a característica Nebulosa Carina podem ser vistas por baixo do Cruzeiro do Sul como duas manchas de nebulosidade.

O Cruzeiro do Sul tem um grande significado no hemisfério sul. Durante séculos — e tal como as sete estrelas mais brilhantes da Ursa Maior no céu setentrional — esta constelação serviu de farol aos navegadores, já que a barra mais comprida da Cruz aponta quase exatamente para o polo sul celeste. O Cruzeiro do Sul desempenhou igualmente um papel importante nas crenças espirituais de muitas da culturas austrais e é também o logotipo do Observatório Europeu do Sul.

Fonte (transcrição): ESO

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.