Estamos Perto, Muito Perto, da Primeira Fotografia de um Buraco Negro

Representação artística do buraco negro supermaciço no centro da Via Láctea — Sagittarius A* .
Crédito: © M. Moscibrodzka, T. Bronzwaer and H. Falcke, Radboud University

A equipa do Event Horizon Telescope, que tenta obter a primeira imagem de Sagittarius A* — o buraco negro supermaciço localizado no centro da nossa galáxia — , publicou um artigo onde são analisadas observações obtidas em 2013, quando o EHT contava apenas com 4 estações (actualmente tem 7). Os resultados obtidos mostram que a performance dessa configuração mais antiga é já extraordinária, tendo sido possível inferir a existência de estrutura no interior de uma região com um raio de apenas 36 milhões de quilómetros, ou seja, apenas 3 raios de Schwarzschild (o raio do horizonte de eventos) do putativo buraco negro. De facto, as observações mostram inequivocamente que o objecto que se encontra no interior dessa região não é pontual e é assimétrico. Ainda não foi possível obter a tão desejada foto da silhueta do horizonte de eventos do buraco negro, rodeada por um anel de luz devido ao intenso campo gravitacional, mas estamos lá perto, muito perto.

A configuração do EHT em 2013 a que se referem os resultados publicados. As imagens mais pequenas mostram possíveis estruturas internas da região de 3 raios de Schwarzschild consistentes com as observações agora publicadas.
Crédito: Max Planck Society.

Para ter a noção da verdadeira proeza tecnológica que constituem estas observações do EHT — 36 milhões de quilómetros pode parecer muito — Sagittarius A* encontra-se a uma distância de 27 mil anos-luz, cerca de 250 mil milhões de milhões de quilómetros! Em Março do ano passado escrevi sobre novas observações de Sagittarius A* levadas a cabo pela equipa do EHT. Aparentemente, as imagens resultantes dessas observações ainda não foram sintetizadas a partir dos dados obtidos das 7 estações que, em conjunto, têm uma sensibilidade e resolução espacial bem superior à configuração de 2013. Resta esperar e (para os mais apaixonados) não desesperar…

A configuração actual do EHT.
Crédito: Dan Marrone/University of Arizona.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.