Surto de varicela nos EUA

Créditos: Alex Tihonovs / EyeEm – Getty Images/EyeEm

Foi encontrada a causa primária para o maior surto de varicela em várias décadas que está a ocorrer na Carolina do Norte, EUA.

A razão é simples: uma escola da “alta sociedade”, chamada Asheville Waldorf School decidiu que os seus alunos não precisavam ser vacinados. Esta decisão deveu-se à pressão dos pais dos alunos, já que muitos deles fazem parte de uma fortemente ativa comunidade anti-vacina. A sua opinião anti-vacinas vem do facto de serem bastante religiosos (segundo eles). E a escola não quis ir contra as suas convicções religiosas.

Dos 152 alunos, 110 não foram vacinados. 68% das crianças na creche, também não foram vacinadas.

Na passada semana, já existiam 36 alunos com varicela.

Além das erupções cutâneas e da febre, as crianças podem ter pneumonia e inflamação do cérebro. Em alguns casos, podem morrer.

Como é que isto não é considerado maus-tratos de crianças? Ou negligência da sua saúde?
Para mim, é claro: os pais deviam ser presos.

E tendo em conta que a regra de ouro da maioria das religiões é tratar os outros como gostaria de ser tratado… já que é desta forma que tratam as crianças, será que seria legal infetar estes pais com alguma coisa, tal como eles fizeram aos seus próprios filhos?

Fontes: BBC, CBSnews

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Sendo os pais da “alta sociedade”, é óbvio que não serão presos.
    Talvez uma empregada negra ou latina venha a arcar com as culpas.
    E se os pais tivessem a sorte de viver em Portugal, ainda teriam direito a uma condecoração no 10 de Junho.

    1. Lembro que são estes mesmo da “alta sociedade”, mas na Califórnia, que adoram beber a “raw water”.
      http://www.astropt.org/2018/01/27/agua-pura/

      O mundo tá perdido… como diz o Armando. 🙁

    • Armando Graça on 24/11/2018 at 11:38
    • Responder

    Carlos Oliveira:
    Sinto não dever calar o sentimento de revolta perante os efeitos do fundamentalismo idiota que descreve. E o que mais me preocupa é ser este tipo de “pensares” que vem tomando conta da sociedade e alastrando como verdadeira e perigosa peste.
    Nasci no final da II guerra mundial. Lembro-me bem da onda de otimismo que se seguiu, a fazer-nos pensar que, finalmente, o ser humano tinha escontrado o caminho para a paz, a liberdade e a felicidade.
    Como é possível que, em tão pouco espaço de tempo, se tenha instalado um clima de ignorância, desconfiança e terror?
    E como é possível que esta realidade tenha tantos seguidores?
    Quo vadis, quarta e minúscula bolinha que gira à volta de uma insignificante estrela?
    Brincando com coisas muito sérias, apetece perguntar se tudo isto não é sinal de mais uma “reviravolta” que nos atire para a reciclagem para começar tudo de novo?

    1. “tudo isto não é sinal de mais uma “reviravolta” que nos atire para a reciclagem para começar tudo de novo?”

      Há quem diga que isto é a teoria da evolução a funcionar.
      Ou seja, os mais inaptos, os mais ignorantes, os que seguem as ideias idiotas, morrem e pronto.

      O problema aqui neste caso é que não são eles a morrer, mas sim os seus filhos. E daí eu achar que tem que ser considerado crime.

      Eu sou a favor da responsabilidade individual.
      Se a pessoa for idiota ao ponto de não se vacinar ou se colocar de propósito em situações de perigo, pronto, se lhe acontecer alguma coisa, a responsabilidade é dela. E quem sobrevive é quem não faz essas coisas idiotas.
      Sou a favor disso, e percebo quem diz que isso é a Evolução a funcionar.
      Ou seja, é quase a “reciclagem” de que fala: sobrevive quem se adapta e segue a ciência.

      O problema aqui é os idiotas obrigarem outros (crianças) a sofrer sem ser por culpa delas (das crianças). Isso já não considero reciclagem, mas crime… 🙁

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.