Sob o arco celeste

Créditos: P. Horálek / ESO

Nesta imagem, obtida pelo Embaixador Fotográfico do ESO Petr Horálek, podemos ver o arco brilhante da Via Láctea estendendo-se ao longo do céu por cima do Observatório de La Silla do ESO, no Chile. No solo vemos a cúpula do telescópio óptico de 3,6 metros do ESO (à direita) e a antena prateada do telescópio submilimétrico Sueco-ESO (à esquerda). Apesar de ter sido desativado em 2003 para dar lugar aos instrumentos mais avançados do APEX e do ALMA, o telescópio Sueco-ESO parece ainda olhar para o céu, talvez na esperança de ter outra oportunidade de explorar os mistérios do Universo.

A Via Láctea domina esta imagem, mostrando claramente porque é que La Silla é um dos melhores locais de observação astronómica do mundo, famoso pelos seus céus negros e límpidos. No cimo do arco encontra-se uma estrutura proeminente chamada Nebulosa de Gum. Assim como outras regiões semelhantes situadas ao longo da banda da Via Láctea, este objeto é uma nebulosa de emissão, onde o gás resplandece devido à radiação emitida por estrelas brilhantes próximas. A brilhante banda da Via Láctea encontra-se entrecortada por filamentos escuros de poeira, onde estrelas se estão a formar, estrelas estas que farão parte deste espetáculo nos próximos milénios.

Por baixo do arco situa-se uma das galáxias anãs companheiras da Via Láctea, a Grande Nuvem de Magalhães; por baixo dela, mesmo à direita da antena do telescópio Sueco-ESO, vemos a segunda companheira, a Pequena Nuvem de Magalhães. Em direção à direita da imagem temos o planeta Júpiter, brilhando intensamente contra o fundo ténue do gegenschein, um fenómeno apenas observado nos céus mais escuros. Apesar de bastante raro, este espetáculo mágico celeste é bastante comum em locais de observação astronómica como La Silla.

Fonte (transcrição): ESO

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.