Maze Runner

Num mundo pós-apocalíptico, o jovem Thomas acorda num elevador. O elevador parou no topo, e Thomas percebe que está um grupo de rapazes à espera dele.
A sua memória foi apagada. Thomas não sabe quem é nem como foi ali parar.
Todos os rapazes da comunidade estão na mesma situação. A única diferença é que foram sendo colocados nessa comunidade mais cedo.

O elevador também leva alguns animais vivos, como um porco, roupa e mantimentos variados.
Todos os meses, o elevador sobe/chega com mantimentos e um novo rapaz.

Os rapazes informam Thomas das regras e do que se passa naquele local.

A comunidade é como uma prisão, apesar de ser ao ar livre. Chama-se Glade – Clareira.
As suas paredes são muros enormes intransponíveis.
A única saída é por um labirinto onde existem criaturas que os caçam e donde ninguém saiu vivo.

O grupo de rapazes está organizado.
Antes dessa organização, existia o caos.
Mas entretanto conseguiram se organizar. Desde aí, têm ordem e paz na Clareira.

Os rapazes estão organizados em:
– Exploradores (Runners)
– Construtores (Builders e Bricknicks)
– Cozinheiros (Cooks)
– Enfermeiros (Med-jacks)
– Agricultores (Track-hoes)
– Limpeza (Sloppers)

Os Runners (Corredores/Exploradores) mapeiam o labirinto que está sempre a mudar. As suas paredes interiores vão mudando.
A porta do labirinto só abre algumas horas por dia.
Há 3 anos que os Runners andam a explorar o labirinto.
No labirinto existem criaturas que se parecem com gigantescos insetos metalizados, e que caçam os Exploradores. Nunca ninguém escapou do labirinto, caso tenha passado a noite nele (não fugiu a tempo, enquanto a porta do labirinto estava aberta).

Passados 2 dias após Thomas chegar (e não um mês), o elevador sobe de novo.
Surpreendentemente, o elevador contém… uma rapariga chamada Teresa.
Existe também um bilhete a comunicar que aquela é a última pessoa a subir. O elevador não mais irá subir com pessoas ou mantimentos.

Thomas lembra-se que ele, Teresa e outras pessoas eram técnicos na empresa W.C.K.D., e foram os responsáveis por colocar os rapazes na Clareira.
A Clareira é um teste, com desafios e experiências.
Todos os meses um rapaz é adicionado à Clareira. E os técnicos observam o que acontece.

Passado pouco tempo, as criaturas que existem no Labirinto, entram na Clareira e levam muitos rapazes.

Um grupo de rapazes/sobreviventes, incluindo Thomas e Teresa, decide arriscar e passar pelo labirinto.
Eles conseguem encontrar a saída.
Encontram um laboratório, onde todos os cientistas estão mortos.
Uma gravação explica que eles completaram os Testes do Labirinto.

Através da gravação, ficam a saber que uma enorme erupção solar (Solar Flare) destruiu/queimou o planeta. Milhões de pessoas morreram.
Os sobreviventes ainda tiveram que lutar contra um vírus mortal, chamado: Flare/Clarão.
Os sobreviventes do vírus, tiveram filhos já imunes a este vírus.
Os filhos foram sendo colocados nestes labirintos para os observar e estudar: para saber porque o vírus que ataca o cérebro, não os atacava a eles.
Mas entretanto, os cientistas adultos que os estudavam, aparentemente também morreram.

Eles (rapazes e Teresa) também ficam a saber que a Clareira deles é só o Complexo A. Ou seja, existem outros complexos como este: outras Clareiras, outros Labirintos e outros grupos de rapazes e raparigas.

Por fim, ficamos (nós, os telespectadores) a saber que este era só um dos testes.
Há mais testes lá fora, para onde eles vão a seguir.
Após completarem a Fase 1, vão agora para a Fase 2.
Eles vão sair do laboratório (Complexo A) e enfrentar os desertos super-escaldantes e cidades destruídas (wasteland) que existem pelo planeta.

Maze Runner – Correr ou Morrer é um excelente filme.

É um filme criativo que desperta a curiosidade nos espetadores.
O filme providencia um excelente entretenimento.

Gostei bastante do filme!

Inicialmente, interpretei os cientistas quase como deuses. Os rapazes chamavam a essas pessoas que os puseram ali como sendo os Criadores. Apesar de não saberem quem eram. E os Criadores observam tudo a partir de fora, sem os rapazes saberem.
Ou seja, os cientistas são como a nossa ideia dos deuses…

Gostei também da ideia, do twist, dos rapazes estarem continuamente a ser manipulados pela W.C.K.D., mesmo após pensarem que já estavam em segurança…

Não cheguei a entender porque não descem no elevador.
No filme, é dito que já o tentaram fazer, mas que o elevador não desce se não estiver vazio.
Mas como os “Criadores” sabem que ele não está vazio? Existem câmeras? Ou é pelo peso do elevador?

Também não entendo porque não escalam o muro e fogem por cima…
No filme, é dito que já tentaram isso, mas não conseguiram.
Mas não entendo porque não o conseguiram. Deviam ter conseguido.

Gally apareceu no final.
Mas não entendo como passou pelas criaturas sozinho e pelas paredes que entretanto se fecharam.

As Flares solares (ou melhor, provavelmente o filme queria dizer CMEs, Ejeções de Massa Coronal) não queimam o planeta. Provocam, sim, lindas auroras.
O surpreendente no filme é que supostamente estas erupções solares queimaram o planeta, mas não as Clareiras…

E, muito pior, estas Flares solares ou estas CMEs, não transmitem qualquer vírus!
Ou seja, em termos científicos, é absurdo incluir o Sol como causa catastrófica para a Terra.

Ainda mais absurdo se torna, quando se mistura características solares e vírus biológico que afeta os humanos. Porque não incluíram somente uma pandemia? Não havia qualquer necessidade de incluir o Sol.

Nesta sequela, Thomas, Teresa e os outros sobreviventes Gladers (da Clareira do Complexo A) enfrentam agora o Scorch, o ambiente desértico e escaldante. Enquanto vão atravessando o deserto, vão fazendo amigos e inimigos.

Mal saem do Labirinto, são levados por militares para um Refúgio (Santuário) que aparentemente está contra a W.C.K.D., com dezenas e dezenas de outros sobreviventes de outros Labirintos/Complexos.

Na verdade, é mais uma manipulação da W.C.K.D.: mantê-los em cativeiro, em estado vegetativo, para estudar o seu cérebro e compreender melhor o vírus Flare/Clarão.
Os cientistas drenam os jovens para estudar o seu sangue.

Os rapazes (e Teresa) fogem do Refúgio. Escapam para o escaldante deserto.
As cidades estão totalmente destruídas. Não há água à superfície.

Eles fogem de Zombies/Cranks: pessoas que ficaram na superfície terrestre quando o planeta foi “atacado” pelo Sol, e assim foram infetadas com o vírus.
Um rapaz é mordido ou arranhado por um Crank. Antes de se transformar em Crank, suicida-se.

Os rapazes (e Teresa) encontram um grupo clandestino, que lucra em vender os jovens de volta para a W.C.K.D..
Eles fogem.

A seguir encontram outro grupo que lucra em vender jovens à W.C.K.D.
Eles tornam a fugir.

Depois, encontram um grupo de Resistência, que tem um Refúgio Seguro que acolhe os imunes (pessoas que não foram afetadas pelo vírus).

Thomas percebe que era um dos técnicos da W.C.K.D., mas não concordava com os métodos deles, e por isso passou a ser um agente infiltrado da resistência.

Os jovens eram imunes. Mas não se sabia porquê.
A W.C.K.D. queria descobrir uma cura para o vírus.
Através de vários estudos, a W.C.K.D. percebeu que a imunidade era causada por uma enzima produzida pelo corpo dos Imunes.
Por isso, a W.C.K.D. começou a drenar os jovens para retirar a enzima do sangue dos jovens.

Infelizmente, Teresa trai a resistência e os seus amigos e chama a W.C.K.D..
A W.C.K.D. chega e bombardeia o local, matando algumas pessoas e capturando muitos.
A chefe da W.C.K.D. diz que não é um monstro, mas sim uma médica em busca de uma cura que pode salvar a Humanidade deste vírus.

Thomas e alguns amigos conseguem escapar do local.
Mas em vez de continuar a fugir, Thomas pretende vingar-se da W.C.K.D..

Este filme, Maze Runner: Scorch Trials (Provas de Fogo), é uma continuação do primeiro filme.

Esta sequela é, naturalmente, pior que o primeiro filme.
A criatividade acabou, e a história estagnou.
O desenvolvimento da história foi bastante fraco.
E as personagens também não tiveram desenvolvimentos.
Sobretudo, o mistério que existiu em todo o primeiro filme, desapareceu neste.

O melhor deste filme são as explicações da história e as discussões éticas inerentes.

É bastante interessante a perspetiva da W.C.K.D.: segundo a sua chefe, eles estão a tentar salvar a humanidade, ao tentar encontrar uma cura para o vírus. Ou seja, eles têm boas intenções, não são pessoas más.
Mas será que os fins justificam os meios?

Chateia-me que nos últimos anos, a moda dos zombies tenha invadido vários filmes.

A superfície terrestre é um deserto escaldante. Não há água à superfície.
No entanto, a atmosfera parece estar normal: eles respiram bem.
Não faz qualquer sentido…

Gostava de ver mais a história, o filme, a partir da perspetiva da W.C.K.D..
Como sempre, existem duas versões: a W.C.K.D. assume que o que está a fazer está certo. A W.C.K.D. assume que está a fazer o correto para salvar a Humanidade.
Assim, gostava de ver mais esta perspetiva: a defesa dos meios empregues para atingirem um fim.

Thomas e os sobreviventes Gladers tentam entrar na sede da W.C.K.D., chamada the Last City, que é pensada como sendo um labirinto criado pela W.C.K.D..

Eles começam a sabotar transportes de jovens para a cidade.
E resgatam alguns desses jovens.

Eles entram na Last City, e resgatam vários jovens.
Os Cranks entram na cidade e começam a infetar e matar as pessoas.

A cidade cai. É destruída pelos que estavam de fora.

Nem todos os amigos de Thomas se conseguem salvar. Alguns amigos importantes morrem.

No final, com a ajuda de Teresa, é o sangue de Thomas que vai permitir curar toda a gente.

Maze Runner: the Death Cure (A Cura Mortal) é o final da trilogia.
O melhor filme foi definitivamente o primeiro.
Não ter respostas (o mistério do primeiro filme) foi melhor do que ter estas respostas.

Este filme teve um final tão previsível que até custou ver…

A trilogia teve o seu auge no primeiro filme, em que a curiosidade das personagens, a exploração do seu mundo e mais além, foi rainha.

Ao longo da trilogia, foram dadas as duas faces dos resultados da investigação científica: ela pode ser utilizada para o bem (salvar a Humanidade) ou para o mal (usar pessoas como cobaias sem o seu consentimento).
Este não é um problema da ciência, mas sim uma discussão sobre a moralidade dos humanos.

Não entendo como vários rapazes supostamente imunes ficaram infectados (ex: Newt). Apesar de que a resposta parece ser que Newt na verdade não é imune. Simplesmente, foi colocado no grupo como “grupo de controlo”.

Parece que a resposta da W.C.K.D. para tudo (sejam os Labirintos seja a Last City), são muros enormes.
Será esta uma crítica a Trump?

No final, não entendo porque eles ficam escondidos.
Se têm a cura para o vírus, porque não o divulgam por toda a população?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.