Vespas asiáticas

O nosso leitor Nuno Nebel enviou-nos este seu interessante texto, que colocou na ‎Associação Portuguesa de Direitos dos Animais, sobre Vespas Asiáticas:

“A tão falada Vespa Velutina Nigrithorax (VESPA ASIÁTICA) é uma espécie de vespa nativa do Sudeste Asiático. Não é portanto uma espécie natural da Europa, sendo classificada como espécie invasora.

Pelo que sabemos até agora, foi introduzida acidentalmente no território europeu, mais precisamente em Bordéus, França, numa das centenas de descarregamentos que lá acontecem diariamente, muitos deles provenientes da China.

Esta espécie é predadora de abelhas do mel, entre outros insectos polinizadores.

Deixo aqui 2 vídeos para verem o método de ataque:

Estas vespas, nos seus territórios de origem, não provocam danos de maior intensidade como está a acontecer aqui no nosso Portugal. Porquê?

Ao longo de milhões de anos, as abelhas do mel no continente Asiático, tiveram que desenvolver um mecanismo de defesa, que consiste em deixar a Vespa Velutina “espiã” entrar no ninho, e antes que esta volte a sair para informar as outras vespas da localização do ninho, as abelhas organizam-se e “saltam” todas para cima da vespa, vibrando os seus corpos para aumentar a temperatura até a uns 43Cº, “cozendo” a vespa até que esta morra. As abelhas por seu lado, aguentam temperaturas até 45Cº, mas as vespas apenas até aos 41Cº.

Vejam o vídeo a mostrar como funciona:

Este mecanismo de defesa foi desenvolvido ao longo de milhões de anos.

Como as nossas abelhas europeias nunca tiveram um predador deste calibre, não tiveram nem vão ter tempo de desenvolver esta defesa como as suas parentes asiáticas, pelo menos em tão curto espaço de tempo. São assim um banquete a céu aberto para as vespas.

Os ninhos das vespas asiáticas têm uma forma arredondada, geralmente com um orifício num dos seus lados ou por baixo, por onde estas entram e saem. Estes ninhos chegam a ter cerca de 2000 vespas.

Esta espécie de vespa é extremamente defensora dos seus ninhos. Quando se sentem ameaçadas, lançam ataques impiedosos sobre qualquer intruso, picando múltiplas vezes, injectando grandes quantidades de uma poderosa toxina, que em casos mais severos resultam em morte.

Ao contrário das abelhas, as vespas não perdem o ferrão e morrem quando picam. E, sim, atacam repetidamente.

Vejam o vídeo de um famoso educador de vida selvagem que mostra o quão doloroso pode ser a picada deste soldado com asas:

Se encontrar um ninho certifique-se que mantém uma distância segura, chame as autoridades ou qualquer associação de controlo animal, e informe-os.

Não tente destruir o ninho, pois além de ser perigoso para si, irá fazer com que as vespas mudem de sítio, ajudando assim à sua dispersão pelo território nacional.

Crédito: Crown.
via Daily Mail

Não confunda a Vespa Velutina com as nossas vespas amarelas que vemos todos os dias, Vespula germânica ou Vespa Crabro.

A Vespula germânica é bem mais pequena, e a vespa Crabro é maior. Ambas possuem a distinta cor amarela mais visível em todo o corpo, sendo estas completamente indiferentes na presença de abelhas do mel.

Estas fazem parte do nosso ecossistema europeu e ajudam a manter o equilíbrio natural, o que é bem diferente das Velutinas que são invasoras.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.