Joaquim Farias

Joaquim Farias nasceu e vive em Uruoca, Ceará, Brasil. É estudante de licenciatura em matemática e professor. Futuramente será graduado em Astronomia, com especial atenção à Astronomia extragaláctica. Também é divulgador científico em páginas do Facebook (Espaço Astronômico e projeto Ciência e Astronomia) e muito fã da série Cosmos: uma viagem pessoal e, claro, de Carl Sagan.

Artigos mais comentados

  1. Este cometa Lovejoy – APOD — 7 comentários
  2. Jatos a partir do cometa Churyumov-Gerasimenko – APOD — 5 comentários
  3. Alvorecer cataclísmico – APOD — 4 comentários
  4. NGC 3293: um enxame de estrelas jovem e brilhante – APOD — 4 comentários
  5. A Nebulosa Bolha de Sabão – APOD — 3 comentários

Author's posts

Vaivém espacial em ascensão – APOD

O que é aquilo subindo das nuvens? O vaivém espacial. Às vezes, se você olhasse para fora da janela de um avião no lugar ideal e no tempo certo, poderia ter visto algo muito incomum – um lançamento de vaivém espacial para a órbita. Imagens do veículo em ascensão e sua pluma tornaram-se amplamente divulgadas através …

Continue a ler

NGC 7822 no Cefeu – APOD

Estrelas quentes e jovens e pilares cósmicos de gás e poeira parecem agrupar-se em NGC 7822. Na borda de uma nuvem molecular gigante na direção da constelação boreal do Cefeu (em latim: Cepheus), a região de nascimento estelar brilhante fica a cerca de 3.000 anos-luz de distância. Dentro da nebulosa, extremidades brilhantes e formas escuras …

Continue a ler

Um céu escuro e empoeirado – APOD

No céu empoeirado na direção da constelação de Touro e no braço espiral de Órion da nossa Via Láctea, este amplo mosaico mostra nebulosas de reflexão escuras e fracas ao longo da nuvem molecular fértil da região. O campo de visão amplo de seis graus começa com a longa nebulosa escura LDN 1495, que se …

Continue a ler

NGC 6240: fusão galática – APOD

NGC 6240 oferece um vislumbre raro e próximo de uma catástrofe cósmica em suas agonias finais. A titânica colisão entre galáxias ocorre a apenas 400 milhões de anos-luz de distância, na constelação do Ofiúco, o serpentário (em latim: Ophiuchus). As galáxias em fusão expelem caudas de maré distorcidas de estrelas, gás e poeira e passam …

Continue a ler

Um precipício logo à frente no cometa 67P – APOD

O que aparece atrás desta colina coberta de cascalho no cometa Churyumov-Gerasimenko? Um precipício irregular. O núcleo incomum de lóbulo duplo do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko presta-se a vistas inusitadas e espetaculares, mais uma das quais foi capturada pela sonda Rosetta, que chegou ao cometa em setembro passado. A paisagem cometária em destaque, tomada em outubro passado …

Continue a ler

Enxame globular de estrelas 47 Tucanae – APOD

O enxame globular 47 Tucanae é uma caixa de joias do céu do sul. Também conhecido como NGC 104, ele percorre o halo de nossa Via Láctea juntamente com mais de 150 outros enxames globulares de estrelas. O segundo deste tipo de objeto mais brilhante (depois de Omega Centauri) como visto da Terra, 47 Tucanae …

Continue a ler

Auroras e trilhos/trilhas estelares sobre a Islândia – APOD

Foi uma das noites aurorais mais tranquilas em semanas. Mesmo assim, no norte da Islândia durante novembro passado, as auroras fracas iluminaram o céu em cada noite limpa. O panorama de 360 graus em destaque é a fusão de quatro câmeras digitais de grande ângulo, cada uma tomando simultaneamente 101 capturas durante 42 minutos. No …

Continue a ler

NGC 2440: pérola de uma nova anã branca – APOD

Como uma pérola, uma estrela anã branca brilha mais depois de se libertar de sua concha. No entanto, nessa analogia, o Sol seria um molusco e sua concha descartada teria o brilho mais bonito entre todas! A concha de gás e poeira acima, a nebulosa planetária designada NGC 2440, contém uma das estrelas anãs brancas mais …

Continue a ler

Local de pouso Ares 3: O Marciano revisitado – APOD

Este close-up da câmera HiRISE, a bordo do Mars Reconnaissance Orbiter, mostra crateras erodidas e depósitos criados pelo vento no sul de Acidalia Planitia. Um tom impressionante de azul em imagens coloridas padrão da HiRISE, para o olho humano a área provavelmente pareceria cinza ou um pouco avermelhada. No entanto, os olhos humanos jamais contemplaram …

Continue a ler

Júpiter, Ganímedes e a Grande Mancha Vermelha – APOD

Nesta bela captura, a maior lua do Sistema Solar, Ganímedes, posa ao lado de Júpiter, o maior planeta. Capturados em 10 de março com um pequeno telescópio a partir do nosso planeta Terra, a cena também inclui a Grande Mancha Vermelha de Júpiter, a maior tempestade do Sistema Solar. Na verdade, Ganímedes tem cerca de …

Continue a ler

Load more