Category: Pulsares

Posts relativos a pulsares.

Dez 10

Ouvindo Ondas Gravitacionais com Pulsares

As ondas gravitacionais já são uma realidade. Mas atualmente só conseguimos detectar ondas gravitacionais provenientes da fusão de buracos negros de massa estelar e da fusão de estrelas de nêutrons/neutrões. Essa é uma limitação tecnológica. Como fazemos para detectar as ondas gravitacionais da fusão de buracos negros supermassivos (que residem no centro das galáxias)? Bem, …

Continue a ler »

Dez 08

O que é uma Quilonova?

Para entendermos uma quilonova, primeiro temos que entender alguns tipos de explosões que temos no universo. Uma supernova é a “explosão” de uma estrela com massa entre 7 e 30 vezes a massa do Sol, e representa o estágio final da vida de uma estrela maciça. Uma nova também é uma explosão estelar, mas não …

Continue a ler »

Dez 07

O que são as Estrelas de Nêutrons?

Para entendermos o que é uma estrela de nêutrons/neutrões, precisamos primeiro entender o ciclo de vida de estrelas de grande massa. Vamos esquecer por enquanto as estrelas de massa equivalente à massa do Sol. Nós vamos falar aqui de estrelas que possuem massa entre 8 e 20 vezes a massa do Sol. Essas estrelas vivem …

Continue a ler »

Dez 05

1 FRB por Segundo no Universo

As FRBs, ou Fast Radio Bursts, um dos fenômenos mais misteriosos do universo, continuam sendo exaustivamente estudadas pelos astrônomos. A primeira FRB foi descoberta em 2001 e desde então os astrônomos descobriram poucas delas. As FRBs são explosões altamente energéticas e rápidas que acontecem no comprimento de onda de rádio. Os astrônomos não sabem ao …

Continue a ler »

Nov 24

Das estrelas de neutrões para a sua tiróide

A descoberta recente de ondas gravitacionais e uma erupção de raios gama associadas a uma colisão de estrelas de neutrões na galáxia NGC 4993 confirmou uma teoria que vinha ganhando momento na última década e que sugere que os elementos mais pesados da tabela periódica (e.g., ouro, platina, urânio e tório) são formados maioritariamente nestes …

Continue a ler »

Nov 06

Telescópios do ESO observam primeira luz de uma fonte de ondas gravitacionais

Estrelas de neutrões coalescentes lançam ouro e platina para o espaço. Os telescópios do ESO no Chile detectaram a primeira contraparte visível de uma fonte de ondas gravitacionais. Estas observações históricas sugerem que este objeto único é o resultado de uma fusão entre duas estrelas de neutrões. Os efeitos cataclísmicos deste tipo de fusão — …

Continue a ler »

Nov 02

Telescópio BlackGEM será colocado no Observatório de La Silla do ESO

Concebido telescópio de seguimento de ondas gravitacionais. O ESO e um consórcio internacional de instituições assinaram um acordo ao abrigo do qual a rede de telescópios BlackGEM será colocada no Observatório de La Silla do ESO no Chile. A rede BlackGEM contribuirá para o estudo de buracos negros e estrelas de neutrões coalescentes e o …

Continue a ler »

Jul 23

Novo Observatório vai estudar Estrelas de Neutrões a partir da ISS

No passado dia 3 de Julho, um módulo desenvolvido e lançado pela SpaceX Dragon acoplou com a ISS (International Space Station). Para além dos necessários mantimentos para os astronautas, a nave transportava um instrumento que poderá revolucionar o nosso conhecimento sobre alguns dos objectos mais extraordinários do Universo — as estrelas de neutrões. Designado por NICER (Neutron …

Continue a ler »

Jul 09

O que são os Pulsares?

Os pulsares podem ser considerados um dos membros mais fascinantes da comunidade cósmica. Os pulsares são estrelas de nêutrons altamente magnetizadas que se formam quando uma estrela mais massiva que o Sol colapsa. Mas vamos contar um pouco da história dos pulsares. Em 1967, a estudante de doutoramento da Universidade de Cambridge Jocelyn Bell, notou …

Continue a ler »

Jun 29

Telescópio Hubble ajuda a desvendar o mistério dos “Fast Radio Bursts”

O FRB121102 é o único Fast Radio Burst (FRB doravante) conhecido que emite, intermitentemente, múltiplos pulsos de ondas de rádio. Essa particularidade permitiu, no início do ano, determinar com precisão a sua posição na esfera celeste e demonstrar que tinha origem numa pequena galáxia situada a cerca de 3 mil milhões de anos-luz (z = …

Continue a ler »

Load more