Google+

Arquivo por Categoria: Nebulosas

Posts com nebulosas.

Fev 17

IC 4628: a Nebulosa do Camarão

A sul da estrela Antares, encontra-se a nebulosa de emissão IC 4628 (também chamada Gum 56 ou Nebulosa do Camarão), que se encontra a cerca de 6.000 anos-luz de distância da Terra. A nebulosa brilha devido à luz ultravioleta de jovens estrelas maciças. A cor vermelha deve-se à emissão energética do gás hidrogénio. Fonte: APOD

Fev 17

Orion e os nomes oficiais das estrelas

Em 2016, a União Astronómica Internacional aprovou nomes oficiais para 227 estrelas brilhantes, incluindo as famosas estrelas Sirius, Polaris, e Betelgeuse. Na imagem vemos a constelação de Orion, com os nomes oficiais das estrelas. Na imagem também se vê a Nebulosa de Orion, que se encontra a 1.500 anos-luz de distância da Terra. Fontes: APOD, …

Continue a ler »

Fev 17

Gaivota e Sirius

Na esquerda da imagem vemos a Nebulosa da Gaivota, composta pela nebulosa de emissão NGC 2327 (a cabeça da gaivota) e pela mais difusa IC 2177 (asas e corpo da gaivota), que se encontra a cerca de 3.800 anos-luz de distância da Terra. Na direita da imagem vemos a luz azulada da estrela Sirius, a …

Continue a ler »

Fev 17

Tulipa e Cygnus X-1

Na imagem vemos a Nebulosa da Tulipa (também chamada Sh2-101), que se encontra a cerca de 8.000 anos-luz de distância da Terra, na direção da constelação do Cisne. A nebulosa brilha devido à radiação ultravioleta de jovens estrelas bastante energéticas, incluindo a estrela supergigante HDE 227018 que se encontra no centro da nebulosa. Também na …

Continue a ler »

Fev 16

IC 410 – A Nebulosa dos Girinos

Ao contemplarmos a beleza desta imagem, no seu centro podemos observar duas intrigantes mas bem definidas estruturas de gás e poeira, fazendo-nos lembrar dois girinos a atravessar uma lagoa azul. Por este motivo, a IC 410 é conhecida pela Nebulosa dos Girinos. A IC 410 localiza-se na constelação de Auriga, a cerca de 12.000 anos-luz …

Continue a ler »

Fev 14

Uma flor espacial em tons de vermelho e azul

A APOD de hoje, de Dia dos Namorados, traz a Nebulosa Roseta, também conhecida como NGC 2237. No centro desta nebulosa de emissão está o aglomerado estelar aberto NGC 2244, que contém muitas estrelas jovens e brilhantes. Estas estrelas formaram-se há somente 4 milhões de anos. Estas estrelas quentes emitem uma enorme quantidade de luz …

Continue a ler »

Fev 14

M20: a nebulosa Trífida em infravermelho examinada pelo SPITZER

https://apod.nasa.gov/apod/image/1612/trifid_spitzerR.jpg

A Nebulosa Trífida (NGC 6514), catalogada como Messier 20, é relativamente fácil de ser encontrada com telescópios de menor porte. Trífida é uma nebulosa rica que reside na direção da constelação de Sagittarius. As imagens no espectro visível mostram a nebulosa dividida em três partes por trilhas de poeira escuras. Na verdade, o nome Trífida significa “dividida em três lóbulos”. Esta …

Continue a ler »

Fev 10

Melotte 15 no Coração

Nas regiões centrais da nebulosa de emissão IC 1805 existem nuvens cósmicas com formas fantásticas. Essas nuvens são esculpidas por ventos estelares e radiação de estrelas quentes e maciças recentemente nascidas no jovem aglomerado estelar Melotte 15. Melotte 15 tem somente 1,5 milhões de anos de idade. IC 1805 é conhecida popularmente como Nebulosa do …

Continue a ler »

Fev 09

Nebulosa da Borboleta

O Telescópio Espacial Hubble fez esta fabulosa imagem da NGC 6302, popularmente conhecida como Nebulosa da Borboleta, que se encontra a cerca de 4000 anos-luz de distância da Terra, na direção da constelação do escorpião. No centro da nebulosa está uma estrela moribunda, uma anã branca, que tem uma das temperaturas mais altas conhecidas, com …

Continue a ler »

Fev 09

NGC 346 – Um berçário estelar na Pequena Nuvem de Magalhães

NGC 346 foi o alvo selecionado pelo grupo iTelescope – Portugal para o seu 5º trabalho. A cerca de 200.000 anos-luz de distância da Terra, na direção da constelação de Tucana, surge este magnífico aglomerado aberto pertencente à Pequena Nuvem de Magalhães, uma galáxia irregular que se encontra bastante distorcida devido à interação gravitacional com …

Continue a ler »

Artigos mais antigos «

Ir buscar mais items

AstroPT – Informação e Educação Científica is Stephen Fry proof thanks to caching by WP Super Cache