iliteracia científica?

Hoje tivemos muitas visitas. A causa disso foi sobretudo o artigo do Dia das Mentiras a dizer que tinha havido um sismo em Júpiter que nos ia afectar a todos. Muita gente partilhou esse post, pensando que se tratava de uma coisa séria em pleno dia das mentiras.
Fico triste com essa situação. Quero pensar que os nossos leitores habituais não o fizeram, ou seja que perceberam imediatamente que era piada de 1 de Abril.
Lutamos diariamente contra as forças da desinformação. Como sabemos, essa desinformação tem consequências nefastas para a saúde, onde se incluem mortes e suicídios. Se todos os dias damos conhecimento científico, e se praticamente todos os dias gastamos tempo a explicar o que é correcto e aquilo que é incorrecto, é na esperança que cada vez menos pessoas se deixem levar pelos vigaristas.
Os dados de hoje dizem-nos que ainda temos um longo caminho a percorrer. Ainda precisamos ensinar muitas pessoas a não acreditarem nas coisas só porque sim (mesmo que seja em nós!), a não partilharem notícias venham elas de onde vierem, e a confirmarem sempre as fontes com triangulação de outras fontes credíveis. Esse tem que ser um dos nossos objectivos, se pretendemos contribuir para uma sociedade mais evoluída.

Um bem-haja a todos!

Para a posteridade, aqui ficam as estatísticas de hoje:

11 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Sabes Lucas, que a iliteracia científica vê-se de diferentes formas.
    Há pessoas que não conseguindo aceitar que caíram facilmente numa notícia mentirosa (como sabemos existirem aos milhões pela internet), então preferem tentar “matar o mensageiro” – aquele que lhes mostrou que elas são facilmente “enganadas” e por isso deveriam ter mais atenção às notícias.
    Esse tipo de pessoas prefere julgar os outros, em vez de olhar para dentro de si próprio e tentar pensar naquilo que poderá melhorar em si próprio para não cair mais nessas armadilhas.
    O pior é que publicamente se mostram como ranzinzas, briguentas, sem qualquer sentido de humor, e sem qualquer vontade de se melhorarem a elas próprias. Mas pronto, cada qual é livre de se mostrar publicamente da maneira que quiser.

    abraços

      • Renato Romão on 03/04/2012 at 19:13
      • Responder

      Pois Carlos, o processo está aí, para o ano os mesmos terão mais atenção aos post´s do dia 1 de Abril, e de certeza que pelo menos metade não cairá.
      De certo que ganharam “anticorpos” aos post´s do dia 1 de Abril aqui no astroPT. É deste modo que se consegue mudar alguma coisa, quer elas gostem ou não, inconscientemente o nível de alerta será superior. Parabens pelo post.

      Abraços

  2. Resumindo: se o post do Dia da Mentira tivesse sido feliz, bem-sucedido e sadio, não teria dado toda essa polêmica. Sem mais.

    1. Lucas? Qual polémica?

      Eu tenho visto comentários a parabenizar-nos pela ideia, que realço novamente que fazemos todos os anos, e permite perceber às pessoas que devem estar mais atentas ao avaliarem as notícias, venham elas donde vierem.

      Não me parece que se possa chamar polémica, a 1 ou 2 pessoas em alguns milhares não quererem aceitar brincadeiras nem queiram perceber que a melhor forma de abrir os olhos das pessoas é mostrares-lhes preto no branco que continuam a cair em mentiras. 😉

      Por isso, tendo em conta tudo isto… sim. O post foi feliz e muito bem-sucedido.

      abraços

  3. Tenho ideia que muita gente deve ter partilhado com a ideia de ser mentira mas mesmo assim partilhou. Eu tive tentado a fazê-lo mas não fiz.

  4. É absolutamente desolador verificar que as pessoas só querem mesmo sensacionalismo e que quem o “vende” tem garantia de ter muitos clientes.

    Bastou dois ou três posts da treta para bater records de visitas. De nada vale tentar espalhar informação cientifica se as pessoas não estão dispostas a ouvir-nos. Parecemos o Dom Quixote a lutar contra os moinhos 🙁

    1. Precisamente.

      É triste 🙁

    • António Castanheira on 02/04/2012 at 10:37
    • Responder

    Este blog, bem como outras entidades louváveis, podem fazer todo o seu melhor para combater o obscurantismo, caso a caso, mas… quando 90% das pessoas não faz a mínima ideia dos dados físicos e das leis que regulam o universo, esse trabalho torna-se hercúleo.
    Por ex., neste post sobre Jupiter, é necessário ter uma ideia da distância a que está esse planeta para equacionar sobre que efeitos sobre ele se fariam repercutir na Terra (tal como seria necessário ter uma ideia da distância a que estão as estrelas para repensar a astrologia, ou melhor, seria necessário ter uma ideia sequer do que são estrelas, do que são planetas, do que são leis físicas, da diferença entre dezenas de milhares de kms e milhares de milhões de kms, etc…).

    Já seria muito pedir que se soubesse que Júpiter não tem uma superficie sólida, não tem placas tectónicas, portanto, não existem “tremores de Júpiter”…

    • Dinis Ribeiro on 02/04/2012 at 10:19
    • Responder

    Eu vi imediatamente (20 segundos) que era uma mentira… e era tão óbvia que não necessitei de ir conferir a lado nenhum.

    A inspiração virá talvez (em parte) do filme 2010 http://en.wikipedia.org/wiki/2010_(movie) com os monolitos a “acender” a “estrela falhada” ( Distinguishing low-mass brown dwarfs from high-mass planets http://en.wikipedia.org/wiki/Brown_dwarf#Distinguishing_low-mass_brown_dwarfs_from_high-mass_planets )

    Basta não esquecer vários factos que tornam impossível esse tipo de evento… Factos esses que (infelizmente) ainda não farão parte do “conhecimento geral”.

    Penso que seria educativo listar as razões pelas quais o tal “sismo joviano” não poderia causar os fenómenos descritos….

    Quanto ao papel dos peritos:

    1) http://www.annenbergclassroom.org/Files/Documents/LessonPlans/thebattleoftheexperts.pdf

    2) http://en.wikipedia.org/wiki/Expert_witness

    3) http://en.wikipedia.org/wiki/12_Angry_Men_(1957_film)

    Mas também penso que nesta mentira, poderá haver uma certa “verdade” a nível simbólico, pois Jupiter, ou Zeus ( O rei dos deuses) como símbolo da Grécia pode respresentar o (evidente?) aumento da “instabilidade” da “nossa” cultura ocidental muito baseada a nível geopolítico numa ligação entre a Europa e a América…

    Sugiro: http://www.nature.com/nature/journal/v480/n7378/full/480447a.html

    Citação:

    In the 1990s, political scientist Francis Fukuyama, now at Stanford University in California, predicted that the world was approaching the “end of history”.

    Like many smart ideas that prove to be wrong, Fukuyama’s thesis was illuminating precisely because of its errors.

    Events of this year help to reveal why: they were shaped by the unprecedented complexity of today’s sociopolitical systems.

    Também vale a pena re(ver) e estudar o fenómeno do April’s fool day http://en.wikipedia.org/wiki/April_Fools'_Day & http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_da_mentira

    e também http://fr.wikipedia.org/wiki/F%C3%AAte_des_Fous e http://fr.wikipedia.org/wiki/Poisson_d%27avril

    Quanto a esta questão:

    “Os dados de hoje dizem-nos que ainda temos um longo caminho a percorrer. Esse tem que ser um dos nossos objectivos, se pretendemos contribuir para uma sociedade mais evoluída.”

    Concordo plenamente, e junto um “pequeno” exemplo que mosta bem o “atraso” qua ainda existe na sociedade em Portugal:

    Robotarium tinha vidros á prova de bala mas não resistiu ao vandalismo
    http://www.publico.pt/Local/robotarium-tinha-vidros-a-prova-de-bala-mas-nao-resistiu-ao-vandalismo-1538658?p=1
    A primeira estrutura do género dedicada à robótica e com tecnologia similar à da NASA, desenvolvida com o apoio de fundos comunitários, mora em Alverca, mas está ao abandono.

    O Robotarium foi inaugurado há quase cinco anos num novo jardim dos arredores de Alverca. O projecto, do artista plástico Leonel Moura, consiste numa grande estrutura envidraçada, tipo aquário, onde foram colocadas quatro dezenas de robots que, alimentados por pequenos painéis solares, reagiam e movimentavam-se com a aproximação de visitantes.

    O Robotarium está desactivado e abandonado há mais de três anos, porque se sucederam os actos de vandalismo, que até envolveram disparos de armas de fogo sobre os vidros à prova de bala.

    O arquitecto e artista plástico admite que já se sabia que o Robotarium ia ser instalado numa zona socialmente problemática e “potencialmente hostil”.

    Mas Leonel Moura acredita que, ultrapassada esta fase de crise económica, há-de ser encontrada uma solução para colocar o Robotarium num local “mais seguro”.

    Já fez entretanto um “Robotarium portátil”, que tem circulado pelas principais cidades brasileiras, e sente que a sua ideia, original, é conhecida um pouco por todo o mundo, como ainda aconteceu recentemente em Moscovo.

    Há também ideias para fazer outros “robotariuns”, designadamente no Algarve.

    • Manel Rosa Martins on 02/04/2012 at 10:12
    • Responder

    Esta não lembrava ao careca :))) Foi das mais divertidas que vi ontem em todo o lado, incluindo os ingleses (ou os gatos no ADBlock) e o seu dia 1 de Abril, o April’s fool. Caí que nem um patinho durante uns 30 segundos até ver os websites da NASA, BBC Ciências e de Astronomia Amadora, que têm trazido literalmente milhares de fotografias de Júpiter ( e de Marte e de Vénus, grandes “estrelas” deste passado mês de Março). Depois vi o Jorge, a fazer comentários cada vez mais imaginativos sobre a vinda duma espécie de tsunami gravitacional e então aí é que foi rir a bom rir. :))

    Deve-se sempre ir ver a outras fontes, esta brincadeira deu para ver que num país como Portugal onde a informação também é muito manipulada por interesses particulares, (sejam políticos, económico-financeiros ou até desportivos), todo o cuidado e toda a confirmação por fontes independentes umas das outras é pouco.

  5. Percebi que minha admiração subiu para 51%, e o ceticismo teve leve queda para os 49%, assim que li o título. Não deu outra, fui no google e digitei jupiter/sismic, atrás das notícias de última hora.
    Não encontrei nada, voltei para o post olhei o título de novo, fiz os neurônios trabalharem mais e bingo! 1° de abril! Ra!

    Estava sendo muito conivente com o “peso” do Astropt, sempre confiando demais nas publicações de divulgação científica e combate pseudocientífico; mas isso agora vai mudar, vocês vão ter navalha de Occam em cada título e post que eu ver 😀

    Doravante não haverá perdão no ceticismo e questionamento das matérias =D

    PS.: Melhor mentira de 1° de abril que já tive, vão ter que se superar ano que vem; realmente me pegaram por alguns segundos dessa vez hehehe

Responder a Nuno José Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.