Vídeo de nova descoberta aparece em página do CERN

Num vídeo do CERN divulgado há umas horas atrás, Joe Incandela porta-voz do CMS revela que foi encontrada uma nova partícula. Este vídeo foi publicado com a data de 4 de Julho de 2012. O CERN entretanto removeu o vídeo da página para uma zona protegida do seu site e já informou que tinha feito gravações prévias de vários vídeos sobre diferentes resultados possíveis das experiências e que o vídeo foi tornado público inadvertidamente devido a um erro técnico.

O vídeo pode ser visto aqui.

Na gravação, Joe Incandela afirma o seguinte nos primeiros minutos:

“Observámos uma nova partícula. Nós temos evidências muito fortes de que existe lá alguma coisa. Ainda vai levar algum tempo para determinar as suas propriedades. Mas podemos ver por exemplo que ela decai em dois fotões, o que nos diz que é um bosão. É uma partícula com spin inteiro. E nós sabemos que a sua massa é cerca de 100 vezes a massa do protão. E isto é muito significativo. Esta é a partícula de maior massa do género, se confirmarmos tudo, o que eu penso que irá acontecer.

E isto é muito, muito significativo. É algo que pode, em última análise, ser uma das maiores descobertas, observações, de qualquer fenómeno novo na nossa área nos últimos 30 ou 40 anos, desde por exemplo, a descoberta dos quarks. Vemos evidências muito, muito fortes do decaimento em dois fotões, e um pico muito, muito estreito na distribuição. Vemos também a prova do decaimento em duas partículas-Z, que são como fotões massivos, nesta teoria de física de partículas elementares. E agora estudamos os números de outros canais que apresentaram resultados, mas esses são menos sensíveis, e é também menos conclusivo por agora. Mas estamos muito entusiasmados. Estou extremamente cansado neste momento, e por isso posso não parecer tão animado como na realidade estou, mas o significado desta observação pode ser muito, muito grande.

Poderá ser em última instância que as suas propriedades sejam muito consistentes com o Higgs do modelo padrão, ou poderá ser descoberto que algumas das suas propriedades não correspondem exatamente às expectactivas do Modelo Padrão. E se for este o caso, então temos aqui algo realmente muito profundo. Poderá ser uma porta, se quiser, para a próxima fase de exploração das partes mais fundas do tecido do universo, o que é extremamente profundo quando se pensa sobre isso.

E a outra coisa que eu gostaria de dizer é que, obviamente, tudo isto é preliminar. Num certo sentido, temos andado à procura de alguns grãos de areia numa praia. Eu fiz alguns cálculos e, se você substituir cada evento, cada colisão dos feixes que temos analisado ou que aconteceram na nossa experiência ao longo dos últimos dois anos, se você representar cada um deles por um grão de areia, você terá areia suficiente para encher uma piscina olímpica. E o número de eventos que recolhemos que representam esta observação são da ordem de dezenas ou dúzias. Portanto, é uma tarefa extremamente difícil, e é preciso muito cuidado e cruzamento de dados. Estamos a re-calibrar, e nós iremos ter resultados melhores, mesmo com os dados actuais, quando nós os publicarmos no final do mês. Mas é muito emocionante.

Quando nós dizemos que observámos uma partícula, nós temos dados suficientes para afirmar que está lá de certeza…”

E em Inglês:

“We’ve observed a new particle. We have quite strong evidence that there’s something there. To ascertain its properties are still going to take us a little bit of time. But we can see that it decays to two photons, for example, which tells us it’s a boson, it’s a particle with integer spin. And we know its mass is roughly 100 times the mass of the proton. And this is very significant. This is the most massive such particle that exists, if we confirm all of this, which I think we will.

And that is very, very significant. It’s something that may, in the end, be one of the biggest discoveries, observations, of any new phenomena in our field in the last 30 or 40 years, going way back to the discovery of quarks, for example. We see very, very strong evidence of the decay to two photons, and a very very narrow peak in the distribution. We see also the evidence of the decay to two Z-particles, which are like heavy photons, in this particular theory of elementary particle physics. And now we studied the number of other channels that have reported, but these are less sensitive and is also less conclusive at the moment. But we are very excited. I’m extremely tired at the moment, so I may not appear to be as excited as I really am, but the significance of this observation could be very very great.

It could be ultimately seen that its properties are very consistent with the Standard Model Higgs, or we may found out that some of its properties don’t exactly match the expectations for the Standard Model. And if that’s the case, then we have something really quite profound here. It could be a gateway, if you like, to the next phase of exploring the deepest parts of the fabric of the universe, which is pretty profound when you think about it.

And the other thing I would like to say is that obviously all of this is extremely preliminary. What we’ve looked for is a few grains of sand on a beach, in some sense. I did a calculation, and if you replaced every event, every collision of the beams that we’ve scanned or had take place in our experiment over the last two years, if you let each one of those be represented by a grain of sand, you’d have enough sand to fill an Olympic-sized swimming pool. And the number of events that we’ve collected now that we claim to represent this observation are on the order of tens, or dozens. So it’s an incredibly difficult task, and it takes a lot of care and cross-checking. We’re re-calibrating, and we’ll have better results, even on the current data, by the time we publish at the end of this month. But it’s certainly very exciting.”

When we say that we observed a particle, we just have enough data to say it’s definitely there..”

Das palavras de Joe Incandela, parece depreender-se que existem dados suficientes para se afirmar que deve existir uma nova partícula, mas que ainda não se pode afirmar com certeza de que esta partícula é o Higgs previsto pelo Modelo Padrão.

Dentro de poucas horas será possível sabermos com mais pormenor se este vídeo tornado público está de acordo com os resultados que o CERN obteve quando estes forem apresentados na conferência internacional ICHEP2012.

Poderá ler mais sobre isto aqui e aqui.

3 comentários

  1. Transmissão live, será aqui:

    http://webcast.web.cern.ch/webcast/

  2. Penso que o facto desse anúncio fantástico ser hoje… poderá não ser coincidência.

    4 de Julho: feriado mais importante nos EUA 😛

    Até há um filme sobre isso… 😛 Independence Day! 🙂

    • Manel Rosa Martins on 04/07/2012 at 02:25
    • Responder

    A 938..272046(21) MeV/c^2 x 100 dá <~1GeV sendo então de Massa ligeiramente inferior a um electrão-tau. Um decaimento em fotões daria um fotão de frequência longa e e de baixa energia, invisível para o olho humano mas perto da zona visível do vermelho, portanto no Infra-vermelho, irradiando uma temperatura de ~100 Kelvins.

    Mas aguardemos pelos dados oficiais. É um dado que precisa de contexto e apenas resulta do interesse extraordinário da Conferência.

    Vai ser difícil dormir esta noite. :))

Responder a Helio Faria Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.